Maradona ouve Adios Nonino



“Adios nonino” é um tango cortante de Astor Piazzola. Narra a história que ele o compôs em Nova York logo após a morte do pai, Vicente Piazzola, que chamava carinhosamente de nonino – vovô em italiano. A melodia, que no ápice é um réquiem de cortar a alma, muitas vezes simbolizou a arte de Maradona com a camisa alviceleste. Cansei de ver clipes em que a canção embalava os dribles do Pibe. Pois agora o ex-camisa 10 vive somente o lado choroso, encarna a verdadeira fronte desse tango.

Era olhar para as expressões de Maradona na beira do campo de Rosário, no sábado à noite, para ver que ele parece ser tudo, inclusive o grande gênio da bola, menos técnico de futebol. Parecia mais nervoso que toda a plateia argentina presente no estádio. Seus dentes foram máquina torturadora de unhas. Ele parece não saber onde está. A humilhante derrota de seis para a Bolívia, que parecia encoberta pela desculpa da altitude, vem mostrando que tinha razão de ser. Contra o Brasil, a Argentina inexistiu. Até tinha posse de bola, mas sem a mínima objetividade. Messi tinha seus lampejos, mas a jogada estava sem continuidade. É uma equipe sem sistema de jogo, que parece muito mais um punhado de amantes de Maradona que uma equipe. Verón, mais recuado, nada arma. Mascherano, o capitão, faz a sua no combate, Mas falta o toque de classe de Riquelme, que está às turras com o chefe. A zaga é uma lástima. Sebá, aquele mesmo, foi titular.

Não, não acho que a Argentina vá ficar fora da Copa. O que, aliás, seria péssimo para o Mundial (sem Messi e sem a tradição dos nosso vizinhos?). Mesmo tendo Paraguai e Uruguai ainda fora, o time receberá o Peru e na pior das hipóteses irá à repescagem. Lá pegará provavelmente ou Costa Rica ou Honduras. Ou seja, deve passar. O problema é: Maradona deve ficar? Não deve ser muito fácil demitir o ídolo mor, mas pesquisas já apontam que ele não é unanimidade entre os torcedores. Ele, que até virou santo de igreja por lá, não é adorado como treinador. Enquanto isso, tratado como “Loco”, Bielsa faz o Chile aproximar-se de um Mundial após 12 anos. Bianchi, o mago das Libertadores, está com outra função no Boca. E Pekerman só dá pitacos. O fato é que Evita estaria dizendo: no Llores por mi, Maradona.



MaisRecentes

Cristiano Ronaldo, uma máquina de obstinação



Continue Lendo

As lições do ‘aspirante’ Carille no senso comum



Continue Lendo

Luxa vive um longo crepúsculo dos deuses



Continue Lendo