Jogo emocional para Rosário



Maradona, na semana passada: “Vamos ganhar do Brasil porque temos os melhroes jogadores”

Carlito Tevez, nesta segunda: “Eles (brasileiros) virão com um pouco de medo, porque vamos querer comê-los”

Desde que o futebol é futebol que guerra de nervos é ingrediente farto. Ainda mais em um clássico da dimensão de Brasil x Argentina. A seleção alviceleste vive situação incômoda nas Eliminatórias Sul-Americanas. O Brasil, de Dunga, caminha tranquilo, sem sofrer com borrascas. A Argentina precisa, e muito, da vitória. Para a seleção verde-e-amarela uma eventual derrota no próximo sábado, em Rosário, não provocará nenhum arranhão. É até prevista! Basta ver como foram os embates em solo argentino nas duas últimas Eliminatórias.

Quer dizer então que as declarações enfáticas do treinador e do atacante têm cabimento? Claro que não! É puro lance, charme emocional. Claro que a Argentina tem uma legião de ótimos jogadores, em especial do meio para a frente. Sem dúvidas, o clima no Gigante do Arroyito será fervente. E lá times brasileiros já passaram por maus bocados, como o Santos, que conquistou a Copa Conmebol de 98 na chamada Batalha de Rosário. Mas calma lá com a trupe de andores! A campanha brasileira nos últimos anos, os bicampeonatos das Copas América e das Confederações, as seguidas surras aplicadas no rival… Há uma coletânea de fatos que indica superioridade da equipe canarinho nos últimos anos. E por mais que a panela tremule de pressão, os jogadores brasileiros estão mais do que acostumados a isso. Robinho e Luis Fabiano, por exemplo, já experimentaram as condições rastaquera de jogos pela Libertadores. Os principais jogadores têm, em sua maioria, experiência internacional de sobra. Lembram da goleada por 4 a 0 sobre o Uruguai, no Centenário, há dois meses? A pressão era imensa e de nada adiantou.

As frases serviram para render manchetes a jornais e sites. Mas são fragéis quando postas diante do espelho. Foram cusparadas sob holofotes. No sábado o jogo será é bem jogados (tomara!!!).



MaisRecentes

Cristiano Ronaldo, uma máquina de obstinação



Continue Lendo

As lições do ‘aspirante’ Carille no senso comum



Continue Lendo

Luxa vive um longo crepúsculo dos deuses



Continue Lendo