Era Dunga caminha bem



O olhar de Daniel Alves antes de marcar o gol brasileiro resume a Era Dunga na Seleção Brasileira. Tudo dá certo e dá a impressão de estar previamente escrito. Pois o Brasil teve dificuldades enormes mais uma vez ao encarar uma equipe limitada. E quem salvou foi a cartada derradeira do treinador. Daniel Alves entrou com a chuteira inclinada para a definição. E mais: dá sinais de que as tais teimosias de Dunga vão esfarelando. O intrépido Elano perdeu o posto fixo. Ramires, um clamor de todos, agora é titular absoluto. O Daniel Alves pode muito bem ser a solução para a esquerda capenga. Kleber e André Santos destoam do restante do time. Por que não tentar o jogador do Barça por aquele setor? Já vimos filmes parecidos antes.

O fato é que os resultados de Dunga são admiráveis até aqui. Mas se não ganhar a Copa tudo fará água. Mas se antes minguavam os sonhos, agora o hexa parece ser uma ambição das mais reais. Não há seleção no mundo com superioridade flagrante nos tempos atuais. O Brasil parece estar alguns degraus acima. Copa, como bem sabemos, enfeixa vários fatores. Tradição e aleatoridade também contam. Mas a um ano do Mundial, as esperanças são de outra dimensão.



MaisRecentes

Rica em talentos, França rompe com paradigma recente



Continue Lendo

Espanha morre abraçada ao ‘tiquitaca’ odiado por Guardiola



Continue Lendo

Em cartaz na Rússia: ‘El secreto de sus Rojos’



Continue Lendo