Azzurra em maus lençóis



A Itália conquistou o Mundial de 2006 com o estilo bruto que caracteriza seu futebol. Defesa sólida, fez de Cannavaro, um zagueiro, o melhor jogador do mundo naquele ano. Foi um título de time pragmático, que venceu a Austrália na conta do chá, assim como superou com sobras a Ucrânica de Shevchenko. É verdade que passou pelas poderosas Alemanha e França para chegar lá. Mas depois do tetracampeonato, a equipe não tem se portado como atual detentora do troféu mais cobiçado do planeta.

Na Eurocopa, foi eliminada nas quartas de final para a Espanha, futura campeã, nos pênaltis. Na primeira fase os resultados já haviam sido desalentadores: derrota por 3 a 0 para a Holanda e um empate por 1 a 1 com a Romênia. A vitória isolada veio sobre os franceses: 2 a 0. Agora, na Copa das Confederações, é a primeira campeã do mundo que cai na fase inicial desde que a Fifa tomou as rédeas do torneio.

Nas Eliminatórias europeias para o próximo mundial, o time de Marcelo Lippi (que saiu após a Copa e retornou depois do fiasco na Euro da equipe comandada por Donadoni) é líder do seu grupo com um ponto a mais que a Irlanda e um jogo a menos. Ainda não perdeu, mas a campanha também é bem limitada.

Isso tudo não significa que na África do Sul não possa brigar pelo penta. Afinal, em campanhas gloriosas, como em 82, ou quase, como o vice de 94, a Azzurra chegou aos trancos e barrancos. Basta lembrar que na Espanha empatou os três jogos na fase inicial – contra Camarões, Polônia e Peru – e obteve vaga no número de gols marcados. E em 94, perdeu para Irlanda, empatou com o México e venceu apenas a Noruega, também na primeira etapa. Mas o time atual é envelhecido e parece sem muitos recursos para brigar. Vai ter que ser na vontade e nos resultados sofridos mesmo.



MaisRecentes

Cristiano Ronaldo, uma máquina de obstinação



Continue Lendo

As lições do ‘aspirante’ Carille no senso comum



Continue Lendo

Luxa vive um longo crepúsculo dos deuses



Continue Lendo