Esqueçam Ronaldo no Brasileirão



Até mesmo os muros do Pacaembu estão convencidos de que Ronaldo não pode fazer mais de uma partida por semana. O corpo não aguenta. Quem tinha dúvidas sobre isso, pôde saná-las ao acompanhar o noticiário das últimas semanas. Contratura na panturrilha direita, molho para o Fenômeno e declarações do próprio referindo-se à maratona de jogos. O físico do atacante pede clemência. Aparentemente, escalá-lo contra o Botafogo, no Engenhão, na segunda rodada do Brasileiro, foi um erro que cobrou seu preço. Foi justamente colocá-lo em dois confrontos seguidos (teria o Fluminense quatro dias depois, quando as dores vieram à tona). O mais prudente, fica agora claro, é só voltar a botá-lo em campo pela competição nacional quando encerrar-se a participação corintiana na Copa do Brasil.

Ou seja, se o Timão for à final, obedecendo a lógica de uma partida por semana, Ronaldo só voltará a campo pelo Brasileiro contra o Atlético Paranaense, na Arena da Baixada, dia 28 de junho, pela oitava rodada do certame. Justamente palco e adversário da única derrota até agora do camisa 9 pela equipe – 3 a 2 nas oitavas de final da Copa do Brasil. Ele perderia três duelos, contra Coritiba (Pacaembu), Goiás  (Serra Dourada) e o clássico diante do São Paulo (Pacaembu). É um risco necessário, imperativo. Porque é óbvio que neste momento, se é preciso escolher, é melhor ter Ronaldo na reta final da Copa do Brasil.

Mas há um detalhe em toda essa sistemática de um jogo por semana. Findo o período de Copa do Brasil/Libertadores, o Brasileiro entrará numa fase de maratona também, com jogos fim e meio de semana. Serão nove rodadas seguidas, a partir do meio de julho sem refresco. Isso significa que Ronaldo, ao fim do primeiro turno, terá atuado em menos de 50% dos confrontos corintianos nessa fase do Nacional. Então, o Corinhians precisa se ver independente do atacante nesta metade da competição. É claro que se conquistar a Copa do Brasil os valores serão diferentes. A missão do ano estará cumprida e o que importa é a Libertadores do centenário. O resumo é: para ser campeão brasileiro pela quinta vez em sua história, o Timão precisará esquecer do Fenômeno.  



MaisRecentes

Cristiano Ronaldo, uma máquina de obstinação



Continue Lendo

As lições do ‘aspirante’ Carille no senso comum



Continue Lendo

Luxa vive um longo crepúsculo dos deuses



Continue Lendo