Robinho nas arábias



Na madrugada do último domingo, assistindo ao ótimo "Altas Horas", na Rede Globo, deparei com uma entrada ao vivo do atacante Robinho. Fazia parte de homenagem ao Santos, quando uma banda só com músicos que torcem pelo time se formou improvisadamente (Toni Tornado com Zeca Baleiro, imaginem a antropofagia). Quando perguntado se voltaria ao Santos, o jogador deu uma risada enigmática e respondeu: "Ah, precisa pedir pro xeique liberar…" O ex-camisa sete da famosa Vila referia-se ao dono do Manchester City, o multimilionário de Abu Dabi Mansur. Essa fala me deixou com um punhado de pulgas atrás da orelha e matutei se náo estaria mesmo Robinho com água na boca ao contemplar os espelhos de Ronaldo e Adriano.

E ocorreu o tal encontro com o presidente do Santos, revelado pelo próprio Marcelo Teixeira. Talvez Robinho viva angustiado. Escolheu trocar o Real Madrid, sonho até de Cristiano Ronaldo, por um Manchester City que tenta copiar o modelo Chelsea e virar grande. Mas a primeira temporada caseira foi um fiasco. O time chegou a brigar contra o rebaixamento e tem jogadores apenas medianos, tais como Ireland, Shaun Wright-Phillips e Bellamy. Além do amigo de Santos e Seleção Brasileira Elano. No continente o naufrágio também se deu. Caiu nas quartas de final da Copa da Uefa. O "rei das arábias", ao que consta, prometeu montar um time fortíssimo para a temporada 2009/2010. E nisso Robinho deve estar apostando.

Um retorno de Robinho para o time que o formou seria romântico e ótimo para o Brasil. Mas estou cético. Mesmo porque acho que náo há comparação com os casos de Ronaldo e Adriano, e os cogitados Ronaldinho Gaúcho e Juninho Pernambucano. Esses são jogadores que já tem longa estrada européia. Os Ronaldos já conquistaram Copa do Mundo e títulos fartos no Velho Continente. Juninho é praticamente um mártir em Lyon. Quando chegou por lá o time náo sabia o que era ser campeáo nacional. Sai com sete troféus. E Adriano é um caso à parte por conta do extracampo, esse vira-latas que atinge alguns boleiros. Mas Robinho não. Tem mercado flamejante por lá.



MaisRecentes

Guttman, uma bela e vitoriosa trajetória



Continue Lendo

Palmeiras x São Paulo: rivais contra o vexame



Continue Lendo

Neymar, entre a guilhotina e ‘la vie en rose’



Continue Lendo