O professor Luxa



E os boleiros bradam: Professor Luxa! Sim, Luxemburgo é professor. Na saída de campo, Marcos, sempre enaltecido pela sinceridade, preferiu se abster:

– O Vanderlei consegue enxergar o jogo que a gente não consegue. Por essa capacidade, ele ja ganhou muitos títulos – disse São Marcos. E palavra de Santos a gente…

A gente contesta, meu amigo internauta. Mas Luxemburgo é professor! Vamos contestá-lo? Ele é pentacampeão brasileiro. Vamos questioná-lo? Títulos internacionais lhe escasseiam, mas vamos argui-lo? Ele é professor! Ontem ensinou à torcida palmeirense como deve se comportar. O torcedor tem que incentivar, não deve vaiar. Mesmo que ele saque um atacante (Keirrison) e coloque um volante (Jumar) quando a equipe vence e domina a partida, sem sofrer pressão de uma adversário limitado. Afinal, o torcedor paga para ficar cantando apenas. Viu, o professor deu exemplos da torcida do Internacional, que usa música dos saudosos Mamonas Assassinas para alegrar o Beira-Rio. Entenderam, torcedores? O professor falou.

O professor já tinha dado uma aula em Recife, no jogo de volta das oitavas de final, contra o Sport. Vocês se recordam? Ele tirou Diego Souza e Keirrison. O time ficou infértil no ataque, dependendo do limitadíssimo Ortigoza. Coincidentemente, tanto contra os pernambucanos como contra os uruguaios o Palmeiras levou gol após as modificações. Mas não se deve censurar um professor. Mesmo porque ele já disse que criticá-lo é inútil, afinal ganha títulos há mais de dez anos. Pelo raciocínio luxemburguesco só se deve criticar os perdedores. Jamais questione um talento se ele coleciona triunfos. É uma espécie de imunidade que o sujeito ganha.

Enfim, irônia à parte, Luxemburgo já provou inúmeras vezes ser um técnico de ponta. Montou timaços, já deu nós táticos e coisas afins. Mas também erra, escorrega, tropeça. Só que raramente admite. E ainda culpa torcedores. Fazia o mesmo no Santos. Queixava-se da ausência da torcida. Em vez de fazer mea-culpas sempre joga as responsabilidades nas costas de outros. E um treinador com sua rodagem já deveria ter mudado.



MaisRecentes

Um Dérbi sob o signo da invencibilidade



Continue Lendo

Ceni e Mancini, vítimas de cartolas inconvictos



Continue Lendo

Cristiano Ronaldo, uma máquina de obstinação



Continue Lendo