São Paulo mantém-se mal das pernas



O mau desempenho do São Paulo em confrontos diante de brasileiros nos últimos anos na Libertadores aumentou nesta quarta – perdeu para Internacional, Grêmio e Fluminense. A derrota por 2 a 1 para o Cruzeiro, no Mineirão, mostrou um time mais uma vez truncado e previsível. Para piorar, Muricy voltou a deixar seu melhor atacante, Borges, no banco de reservas. Às vezes a cabeça do técnico são-paulino é incompreensível. Sei que parece deselegante criticar um treinador que é o atual tricampeão brasileiro, mas os fatos berram.

O Cruzeiro teve mais iniciativa e mostrou um repertório maior de jogadas. Poderia ter feito um placar mais bojudo, mas a defesa do São Paulo ainda é um ponto sólido. E Miranda um zagueiro muito, mas muito acima da média. Eu o reputo como o melhor defensor brasileiro em atividade – estou falando no mundo, não apenas no Brasil. E o goleiro Denis deu sua primeira vacilada. O gol de Zé Carlos, aquele mesmo que deu uma importunada no último Paulistão pela equipe do Paulista de Jundiaí, era totalmente defensável. Mas o arqueiro foi com mão mole e permitiu o gol.

Mesmo com o domínio da Raposa, o São Paulo teve chances de sair com um bom resultado (já pensaram um empate de 2 a 2 a vantagem que seria?). Jean teve uma bola livre, leve e solto e chutou mal, dentro da área. A verdade é que a disputa ainda está em aberto. É totalmente possível o São Paulo fazer 1 a 0 no Morumbi e passar às semifinais. Mas não sinto nesse time do São Paulo a pujança de outros anos.  Nos últimos nove jogos, apenas duas míseras vitória – 2 a 1 no Defensor e no América de Cali, ambos no Morumbi. O Cruzeiro parece mais encorpado.



MaisRecentes

Cristiano Ronaldo, uma máquina de obstinação



Continue Lendo

As lições do ‘aspirante’ Carille no senso comum



Continue Lendo

Luxa vive um longo crepúsculo dos deuses



Continue Lendo