Misto corintiano vence no sofrimento



E o Corinthians venceu a primeira no Brasileirão. E Souza finalmente marcou seu segundo gol com a camisa alvinegra (sim, acredite se quiser!!!). O segundo cobrando pênalti, diga-se. Mas vá lá, pênalti vale a mesma coisa. Agora, o triunfo por 2 a 1 sobre o Barueri deve ser creditado em grande parte ao goleiro Felipe. Mais uma vez ele fechou o gol. A fase do camisa 1 corintiano é exuberante. Renderia até um lobby para a Seleção Brasileira, embora agora pareça tarde demais.

O Timão acertadamente poupou Ronaldo e um punhado de titulares. Afinal, neste momento a Copa do Brasil é prioridade. E no próximo fim de semana tem clássico contra o Santos. É melhor frear contra o Barueri, mesmo correndo riscos. E foi o que fez Mano. Mas ficou claro também que quando monta um mistão o time sofre. Ou seja, o elenco é deficitário – como de grande parte dos times! O Barueri pressionou bastante. Chegou a ter sete escanteios em dez minutos.

Em tempo: Ao contrário da maioria dos meus amigos de redação, não vi pênalti em Jorge Henrique no lance que redundou no primeiro gol corintiano. Realmente o marcador fez uma alavanca na frente do atacante, mas a minha sensação é de que ele imediatamente projetou seu corpo para a frente. E um lance que não dá para crucificar o árbitro, e até um outro ângulo pode me convencer do contrário. Mas a princípio acho que não foi falta.

Em tempo 2: O Internacional tá acumulando uma gordura neste início de campeonato que pode deixá-lo numa condição inédita para conquistar um título brasileiro depois de 30 anos de jejum. Sei que é cedo, mas o fato de ter vencido os três primeiros jogos mesmo poupando atletas com vistas à Copa do Brasil é alvissareiro para os gaúchos. Depois, apenas dedicado à competição e com o time que tem vai ser difícil alcançá-los. Luz amarela para os outros concorrente, inclusive o quarteto de grandes paulistas.

 

 



MaisRecentes

Zé e Oliveira merecem os vivas de admiração!



Continue Lendo

Para que servem os títulos estaduais?



Continue Lendo

Galeano e o espírito do hooliganismo na Libertadores



Continue Lendo