Santos, mire-se nos erros de 17 de agosto!



crusan1No Brasileirão, Cruzeiro fez 3 a 0 (FOTO: Ramon Bitencourt/ LANCE!Press)

  Decidir a vaga na final da Copa do Brasil em casa (Vila Belmiro ou Pacaembu?) aparenta ter sido uma ótima para o Santos. Mas há um alerta para o time que vem do primeiro turno do Brasileirão. No dia 17 de agosto último, ainda sob o comando de Oswaldo de Oliveira, o Peixe teve atuação audaciosa diante da Raposa, líder da competição com sobras. Fez um jogo franco, até com jogadas envolventes, e tomou uma traulitada de 3 a 0. A incrível ineficiência do ataque santista de então contrapôs-se à letalidade do grupo celeste. Na ocasião, o Alvinegro era a equipe que tinha uma das melhores defesas da competição e quase não pontuava fora de casa.

Os maus resultados como visitante (não confundir com mau rendimento) foram a justificativa número um da direção para demitir Oswaldo do comando. De lá para cá, o time acabou com a má sina fora de casa, em especial na Copa do Brasil, onde as vitórias sobre Grêmio (2 a 0, na Arena Grêmio) e Botafogo (3 a 2, no Maracanã) pavimentaram o caminho para chegar tão longe na Copa do Brasil – ressalte-se que contra os gaúchos o técnico ainda era Oswaldo e não houve jogo de volta por conta da punição aos gremistas pelos episódios racistas contra o goleiro. O Cruzeiro, por sua vez, embora esteja entre os quatro melhores do torneio mata-mata e siga com alguma tranquilidade na ponta do Brasileirão, teve queda de rendimento. Só passou pelo ABC-RN, time que luta contra o rebaixamento na Série B, por ter feito um gol fora (placar agregado de 3 a 3) e perdeu três das últimas seis partidas do Brasileiro.

A mudança do quadro não deve relativizar o alerta para a equipe de Enderson.  Pelo contrário. A Raposa é insidiosa. O passado recente e o perfil de decisão do duelo avisam que a equipe mineira, com o elenco que possui, tende a acordar. Ironicamente, no jogo de dois meses atrás o Santos não só foi goleado como não balançou a rede. Isso na Copa do Brasil pode ser fatal  pelo peso que o regulamento dá aos gols fora de casa.

Mais do que não repetir o catastrófico desempenho defensivo daqueles 3 a 0, a equipe precisa aproveitar as chances que tiver – uminha que seja!. Naquela ocasião, Robinho era recém-chegado e foi o maestro do time. Será novamente. Porém, peças ganharam tônus e outras foram caindo. O novo ataque, que vem funcionando melhor com Geuvânio e Gabriel, gera expectativas de que o filme não se repita. E Lucas Limas é hoje um meia mais embalado que naquela situação. Arrancar um bom resultado no Mineirão – um empate, se possível com gols, ou uma derrota magra também marcando – será um passo importante para a equipe chegar à final do torneio.



  • Nunca cai

    É só não se acovardar aqui em Minas, se precisar na volta jogar fechado é melhor levar pra Vila, se precisar de espaço joga no Pacaembu, tudo depende do jogo de ida!!!

    *sem Cicinho (treme), Damião e Thiago Ribeiro nesses jogos!!!

  • O Santos para tentar um resultado melhor contra o Cruzeiro precisa jogar MUITO mais compactado sem dar espaços nas laterais e sair rapido em contra ataques!!Atualmente o Santos dá muitos espaços para o adversario o que contra o Cruzeiro pode nos custar a eliminação já no jogo de ida!!Temos que jogar com MUITA velocidade e compactados o tempo todo!!

  • roberto

    tem condiçoes d ganhar mas p isso tem q jogar c velocidade e marcar na saida d bola do cruzeiro…tem q ir p o ataque tb senao nao vai suportar a pressao nao tem bicho papao isso ja foi comprovado

  • Bom dia Amigos Santistas

    O Santos precisa manter a mesma formação , com o melhor que tem até ao fim do Brasileiro e da Copa do Brasil. Experiências, com rodízio de atletas e variações táticas gritantes , na reta final destas competições , é simplesmente um absurdo.
    Com competência e pulso firme, o Sr. Enderson deve manter , doravante, Aranha , Victor Ferraz, Neto , David Braz, Mena , Alyson , Arouca , Lucas Lima , Robinho , Gabriel e Geuvânio . E no banco Vladimir, Edu Dracena, Jubal, Cicinho, Alan Santos, Serginho, Patito, Thiago Ribeiro e Stefan Yuri. Um banco razoável , para fazer as alterações necessárias na hora certa e manter a qualidade da equipe como um todo. De maneira ofensiva e inteligente.

MaisRecentes

Pensem no contrário da razão



Continue Lendo

O Santos real deu as caras e tirou o título do Santos hipotético



Continue Lendo

Escalação contra o Vasco diz mais sobre 2016 do que sobre o presente



Continue Lendo