Não robotizem o incrível Gabriel



– Eu bati com paradinha de novo. E o Rogério caiu de novo!

O autor da frase? Neymar. Logo depois da vitória por 3 a 0 do Santos sobre o São Paulo, nas semifinais do Campeonato Paulista de 2010. Aqueles tempos em que o maior ídolo do futebol brasileiro atual era só um moleque, uma promessa, um ponto de interrogação. Na época, muita gente interpretou como arrogância o discurso e o recurso do garoto santista. Mas o tempo passou e todos viram que não era arrogância. Era só personalidade forte.

Em tempos de futebol robotizado e bom mocismo dentro das quatro linhas, salta aos olhos o comportamento provocativo de quem quer que seja. E Gabriel, jovem do Santos agora com 18 anos, é o alvo da vez. No Campeonato Paulista, contra o São Paulo, já trocou farpas com Rogério Ceni, o que aconteceu outra vez no domingo passado. Em ambas, foi atacado pela opinião pública como sendo só um moleque, uma promessa, um ponto de interrogação.

Só esquecem que Gabriel não é mais promessa. É realidade. É artilheiro do Santos em toda a temporada 2014, tem o respeito da torcida, é o terceiro jogador que mais dá passes para gol, presença certa na base da Seleção Brasileira e sempre tem o nome apontado em pesquisas sobre o futuro da Seleção principal e a Copa do Mundo de 2018. É responsável taticamente, bom tecnicamente e versátil – por opção de Oswaldo de Oliveira já jogou mais em outras posições do que em seu próprio setor de origem.

Ah, e tem mais uma coisa. Ele completou 18 anos neste sábado. De-zoi-to! Um jovem de impulsos, de dúvidas, até de certezas sobre si mesmo. Um jovem que precisa de cuidado e paciência, sem afagos e nem cobranças abusivas. Um jovem que tem números iguais aos de Neymar com a mesma idade e não pode se empolgar por isso. Mas que nunca (repito: nunca!) deve ter tolhida sua personalidade.

Talvez tenha errado (até acho que errou) na partida contra o São Paulo, mas esse não é o mérito da discussão. Não robotizem o Gabriel.



  • O Gabriel é apenas mais uma promessa que a midia quer transformar em craque!!Está muito longe disto ainda!!Tem que se desenvolver muito e mostrar MUITO mais do que mostrou até agora para ser considerado diferenciado!!Vejo nele um bom atleta mas muito longe de ser diferenciado como o Neymar!!Nem Pensar!!

  • UBATUBARÃO

    O FATO DO GABRIEL SER APENAS UMA PROMESSA NÃO SIGNIFICA QUE ELE NÃO TERÁ EVOLUÇÃO TORNANDO-SE IGUAL OU ATÉ MESMO MELHOR QUE NEYMAR.
    LEMBRO QUE NEYMAR COM ESSA IDADE ERA CONSIDERADO UM FIRULEIRO E IRRESPONSÁVEL QUE AMADURECEU MUITO EXATAMENTE COM QUESTIONAMENTOS. É BOM O GABRIEL SER QUESTIONADO PRA QUE ELE SEMPRE BUSQUE PROVAR QUE SERÁ UM GRANDE CRAQUE DO SANTOS E DO FUTEBOL BRASILEIRO. VEJO QUE ALÉM DE RESPONSABILIDADE E VONTADE, ELE TEM NÚMEROS QUE MOSTRAM SEU VALOR E CONTRA NÚMEROS NÃO HÁ ARGUMENTOS.

  • sensato

    Não vai dar tempo do Gabriel se tornar ídolo, logo vai embora!!!

  • Thiago

    Bom dia, concordo com você no que diz que o futebol virou aquela falsidade de politicamente correto, de “bons moços”, isso está tirando a graça do futebol, fizeram isso com o Neymar, estão fazendo com o Gabriel, pois fora das câmeras e holofotes, os politicamente corretos fazem coisas que não da para mencionar aqui no comentário ou fazem coisas até piores, “LEMBRANDO O ROGÉRIO PROVOCOU O GABRIEL O JOGO INTEIRO” e quando um bom jogador mostra sua habilidade ficam de mimimi, por isso o futebol brasileiro está essa coisa horrível de ver os jogos. Quanto ao Gabriel ser craque, minha opinião nuca será, será um ótimo jogador, Comparativos com Neymar, finais de campeonato e clássicos era onde o Neymar mais jogava distribuindo dribles e gols, o famoso Gabigol ao contrario pipoca em jogos decisivos e clássicos(o gol de pênalti contra o são Paulo não o credencia como craque que desequilibra jogo, pois ficou apagado o jogo inteiro) apesar dos gols que qualquer atacante caneludo faz, Alberto foi artilheiro em 2002 com Diego e Robinho.

MaisRecentes

Pensem no contrário da razão



Continue Lendo

O Santos real deu as caras e tirou o título do Santos hipotético



Continue Lendo

Escalação contra o Vasco diz mais sobre 2016 do que sobre o presente



Continue Lendo