Italo Ferreira domina em Bells Beach - Mundo Surf

Italo Ferreira domina em Bells Beach



O brasileiro Italo Ferreira escreveu definitivamente seu nome na história do esporte ao conquistar a segunda etapa do circuito mundial de surfe, ontem em Bells Beach na Austrália. Ele foi sem dúvida o melhor surfista durante toda semana e na final derrotou simplesmente o australiano tricampeão Mick Fanning, maior vencedor deste evento e que fazia a última bateria de sua brilhante carreira.

Com esta vitória ele entra para o seleto grupo de vencedores desta prova e divide a liderança do ranking com o australiano Julian Wilson. Entre as meninas, a australiana Stephanie Gilmore levou a melhor sobre a havaiana Tatiana Weston Webb e assume a liderança do ranking.

Esta etapa também foi marcada por um começo monótono e por grandes surpresas, muitos dos favoritos foram eliminados logo nas primeiras fases. Surfistas como o havaiano John John Florence e Julian Wilson, o brasileiro Adriano de Souza e sul-africano Jordy Smith não surfaram o que se esperava e outros como o americano Patrick Gudauskas, tahitiano Michel Bourez e o próprio Italo surpreenderam. Gabriel Medina fez uma ótima semana conseguindo um importante terceiro lugar e só foi parado pelo campeão nas semifinais. A brasileira Silvana Lima também foi muito bem nesta etapa e ficou em terceiro lugar sendo superada pela havaiana Tatiana Weston Webb.

As ondas difíceis de Bells Beach foram um grande obstáculo e encontrar o equipamento ideal e o posicionamento na água se tornaram decisivos nesta prova. Nos primeiros dias as marés muito amplas devido a Lua cheia e estavam fazendo as ondas ficarem muito cheias e sem parede, não proporcionando oportunidades para manobras mais verticais. Ontem o mar melhorou e o reflexo desta melhora apareceu com as maiores notas da semana.

O potiguar Italo aprendeu a surfar em Baia Formosa, uma direita perfeita, porém limitada em espaço e tamanho, e parece ter encontrado em Bells Beach as dimensões apropriadas para sua técnica e abordagem nas ondas. Ele já havia conquistado um terceiro lugar em 2016 e neste ano mostrou que está em grande forma e com uma intimidade e “leitura de onda” perfeita nesta onda peculiar e difícil de surfar. Seu surf impressionou a todos e ele literalmente atacou as ondas com manobras fortíssimas de ‘backside’, de costas para as ondas. Principalmente nas quartas de final e na semifinal, quando ele fez as suas maiores notas e somatórias do evento.

Parece mentira que estamos vivendo estes momentos, ver um brasileiro ganhar na Austrália, na prova mais tradicional do circuito mundial, derrotando na final de um dos maiores surfistas australianos da história e ainda por cima em sua bateria de despedida. Estavam todos esperando a vitória de Fanning para fechar com chave de ouro a sua carreira. Pode ser que isso não signifique nada, mas para quem vem acompanhando o surfe mundial desde os anos 70 esta vitória realmente mostra que os brasileiros estão sendo os novos protagonistas.

Mick Fanning vai fazer falta, pois ele fez uma excelente carreira e foi um exemplo para a nova geração. Sem dúvida  deixará um grande legado, mas quem esteve ontem em Bells Beach vai lembrar que em sua despedida, ele bateu na trave e não conseguiu superar o garoto da Baia Formosa.

Pelo que vimos nas duas primeiras etapas de 2018, este vai ser um ano bem equilibrado e que além do Gabriel Medina, Filipe Toledo e Adriano de Souza, nós também vamos ter o Italo Ferreira brigando pelo titulo mundial. A próxima etapa vai ser na semana que vem em Margareth River e estou ansioso para ver quem vai sair com a camisa amarela da perna australiana.

Italo balança o famoso sino de Bells na comemoração do título da etapa australiana (Foto: WSL)



MaisRecentes

Uma nova ordem no surfe mundial



Continue Lendo

Filipe Toledo mostrou em Saquarema estar pronto para ser campeão mundial



Continue Lendo

Ondas perfeitas e previsíveis na ” WSL Founders Cup”



Continue Lendo