Expectativa na estreia do Surf na Austrália - Mundo Surf

Expectativa na estreia do Surf na Austrália



Com grande expectativa deve começar esta noite em Snapper Rocks na Austrália, a primeira etapa da primeira divisão do circuito mundial da WSL, a liga mundial dos surfistas. Os brasileiros agora são maioria na elite, os veteranos estão se aposentando, os novos talentos debutando, um novo chefe de juízes, formato novo sem o quinto round e para completar existe uma previsão de boas ondas, enfim, são vários ingredientes que vão nos deixar ligados durante os próximos dias em tudo que vai estar acontecendo no Gold Coast.

Os brasileiros são maioria pela primeira vez e podem ser protagonistas uma vez que com 11 integrantes eles representam quase um terço de todos os inscritos na prova. Gabriel Medina, Adriano de Souza e Filipe Toledo são nossas melhores apostas, mas outros surfistas como Italo Ferreira, Caio Ibeli e Ian Gouvea podem usar a experiência e também incomodar. Quanto aos estreantes ainda temos que esperar para ver como eles vão reagir na estreia.

Mick Fanning anunciou a aposentadoria, mas deve ainda compete nas duas primeiras provas do ano e deve querer sair com uma vitoria e vai ser osso duro de roer. Joel Parkinson e Kelly Slater também são outros veteranos que sempre são favoritos em Snapper Rocks e ainda podem surpreender a nova geração. No feminino vamos ver duas veteranas em forma, Stephanie Gilmore e Silvana Lima, mas estas ainda estão longe de se retirar da cena.

Gabriel Medina vertical no Gold Coast em 2017. Foto: WSL

Neste ano devemos ver alguma mudança na direção de julgamento devido a troca de comando. Richard Porta, que estava no cargo de Head Judge desde 2010, foi substituído pelo também australiano Pritamo Ahrendt, mas não sabemos como ele vai conduzir a interpretação do critério, principalmente como ele vai comparar o surfe moderno de acrobacias ao surfe tradicional de força e de sequência de manobras. Uma coisa é ser juiz e outra bem diferente é ter a responsabilidade de chefiar, interpretar o critério e orientar os juízes.

Foi decidido que não haverá mais o quinto round. A bateria do quarto round será de três surfistas e quem ficar em terceiro será eliminado. Esta mudança traz mais emoção e drama para a prova, pois as baterias de três surfistas muitas vezes perdem a graça quando alguém consegue se destacar ou se afundar em seu começo, e se comporta na bateria administrando as energias para uma outra chance.

Para completar o cenário, algumas boas ondulações estão previstas para esta semana prometendo um show de surf. Acompanhe a transmissão ao vivo no site da WSL.  www.worldsurfleague.com

 

 

 



MaisRecentes

Filipe Toledo mostrou em Saquarema estar pronto para ser campeão mundial



Continue Lendo

Ondas perfeitas e previsíveis na ” WSL Founders Cup”



Continue Lendo

Surfe na piscina marca uma nova era



Continue Lendo