A importância de se discutir a mulher no futebol



marta-comemora-gol-da-selecao-brasileira-no-mundial-feminino-1309725845025_615x300

A Seleção Brasileira Feminina busca estrutura para dar continuidade a uma geração de jogadoras marcantes (Foto: AFP Photo / Johannes Eisele)

O Dia Internacional da Mulher fez com que as pessoas discutissem mudanças no sistema, ou pelo menos expusessem seu ponto de vista acerca da maior inclusão delas no futebol. Ser mulher no esporte não é fácil, seja como jornalista, atleta ou sentada nas arquibancadas. Aturar e passar por cima de palavras maldosas, julgamentos sem fundamento e inúmeras outras situações é um exercício diário de paciência e só prova do tamanho do amor delas.

Precisamos fazer com que, assim como o racismo, o sexismo seja debatido e, melhor, combatido. Assim como todos os preconceitos que ainda fazem parte dos esportes. Não é brincadeira e seu comentário não será inofensivo. Machismo é assunto sério e a luta contra isso é diária, dura, cansativa e incrivelmente injusta.

Por mais que todos queiram destacar o quanto esse mundo se abriu para elas nos últimos anos – o que não é mentira –, campanhas como a do Atlético-MG com a Dry World nos mostram que ainda falta um longo caminho para percorrer. Não só no Brasil, mas no mundo todo. Não foi a primeira e, a menos que a mentalidade mude, não será a última vez que uma marca objetifica a mulher.

Um dos principais pontos a serem discutidos é o futebol feminino. Precisamos falar sobre nossas meninas. Marta é a maior artilheira da história da Seleção Brasileira, superando até Pelé, e nem isso é suficiente para que seja dada a devida atenção a elas. Os outros países, ainda que aquém do que poderiam, apostam mais na divulgação dos times femininos. No Brasil, as condições de competição são precárias e o investimento que poderia ser feito passa longe. A Seleção Feminina honra sua camisa em meio a tantas crises no masculino. Respeito e preocupação com o futuro são o mínimo.

Nesse 8 de março, fica o desejo para que as homenagens não sejam apenas hoje. Para que as discussões passem a ser contínuas e não apenas a pauta de um único dia. Fica a vontade de que em algum momento todos, independente de qualquer coisa, sintam-se confortáveis nesse universo mágico dos esportes. Não ficaremos apenas nos papeis secundários. Seremos o que quisermos ser.



MaisRecentes

Pique vira inspiração para empresa de cerveja de Barcelona



Continue Lendo

O lado bom (para o futebol) da saída do Reino Unido da União Europeia



Continue Lendo

Liverpool x Sevilla: algumas curiosidades da final da Liga Europa



Continue Lendo