Fluminense 1 x 0 Guarani – Fluminense campeão de 2010

por Mauro Beting em 05.dez.2010 às 19:06h

 

Faltando uma rodada para o fim do Brasileirão passado, o Fluminense também enfrentava um adversário que acabaria rebaixado – o Coritiba. Em 2010, além de ter a vantagem de atuar no Rio (não necessariamente no lar do Maracanã), o Tricolor enfrentou um rival já rebaixado – Guarani. Porém, em 2009, o Fluminense jogava a própria salvação. Conquistada com o empate por 1 a 1. Gol de Marquinho, agora lesionado.

Em 2010, apenas uma histórica e histérica surpresa impediria o bi tricolor. Título merecido para a qualificada turma de Conca (maior candidato ao prêmio de Conca, ops, de craque do BR-10), Fred, Deco, Mariano, Emerson, Gum e Carlinhos. Prêmio igualmente merecido para o hoje goleiro reserva Rafael. E Dalton. Cássio. João Paulo. Digão. Dieguinho. Diogo. Diguinho. Alan. Maicon. Maurício. Adeílson. Equi González. Urrutia. Kieza. Ruy. Tartá. Fábio Neves. Nomes próprios (ainda que alguns impróprios para a grandeza tricolor) da impressionante arrancada, com sete vitórias e quatro empates nos últimos 11 jogos que salvaram um moribundo Fluminense no BR-09. Equipe que, ao mesmo tempo, ficou a um gol do título da Copa Sul-Americana, perdida para a LDU.

O Tricolor que deu a volta olímpica no próximo domingo no pan-americano Engenhão deveria mandar as faixas merecidas de 2010 para a turma de 2009. Não a “classe de 2009”, por falta de classe de muitos daqueles. Mas, certamente, para a patota do mestre Cuca, que recuperou um grupo perdido, numa das mais tocantes retomadas da história do futebol. O treinador cruzeirense que também merece um pouco da faixa que fica mais uma vez no ótimo peito franco, sincero e ético de Muricy. Um que não trocou o Fluminense pela Seleção Brasileira. Um que, como todos, precisa agradecer àquela turma que recuperou o Fluminense em 2009.

Não haveria o título de 2010 sem o esforço de 2009. Talvez não houvesse um time com a qualidade de Conca, Deco, Emerson e Fred se o Fluminense estivesse na Série B este ano. Um título que não foi “planejado” desde 2009. Ele foi salvo a partir de então.

E ficou nos melhores pés, mesmo que jogando pouco contra o frágil Guarani. Foi uma das piores partidas tricolores na reta de chegada. Absurdamente nervoso, travado pela necessidade e pelo peso de 26 anos sem título brasileiro, o Tricolor sentiu os passes errados desde a defesa. Valencia ficou mais atrás, entre Gum e Leandro Euzébio, para liberar Mariano e Carlinhos como alas. Mas eles não foram bem. Diguinho errou passes inacreditáveis. Nem Conca foi Conca. Fred lutou, mas brilhou pouco.

Emerson também não fez um bom jogo. Mas, aos 16min35s, 18h28 (horário brasileiro de verão), depois da entrada de Washington no lugar do pregado Júlio César (que tentou substituir Deco), Emerson emendou de canhota, entre as pernas do xará bugrino, um cruzamento de Carlinhos que Washington desviou na zaga.

Gol. O gol do título. O suficiente.

Foi muito pouco. Como ainda menos fez o Corinthians contra o esforçado catado goiano. Como só foi fazer na última bola o Cruzeiro vice contra os reservas e moleques palmeirenses.

Mas foi necessário para o campeão brasileiro de 2010. O bicampeão brasileiro (1984-2010). O tri, considerado o Robertão de 1970.

  • http://rumoatokyo.wordpress.com Alan Bezerra

    Toda vez que alguém fosse contar a história da conquista de 2010, deveria iniciar pela arrancada emocionante do BR 09. A torcida do Fluminense, que tanto sofreu com a perda da Libertadores 08 e naquele martírio que foi as últimas 11 rodadas finais do Brasileiro do ano passado, merecia um festa do tamanho da que foi feita no Engenhão.

    E não há palavras para descrever o tamanho da capacidade e integridade de Muricy Ramalho.

  • CARLOS SANTANGELO – LEIAM TODOS POR FAVOR

    Fez-se justiça, o apito não venceu:

    http://www.youtube.com/watch?v=hbzMuZP3B1Q