Arena política do Trio de Ferro, ops, de Cimento

por Mauro Beting em 30.ago.2010 às 16:08h

A palavra “arena”, em política brasileira, remete aos piores anos do Brasil.

O termo arena, neologismo de antanho para os Coliseus do brioche & circo destes dias, comporta tudo. Tem cabimento para tantos. Mesmo que não tenham cabimento algumas atitudes e contas a serem pagas por nossos tataranetos. Ainda mais em ano de eleição de presidente. De governador. E até de presidente do Clube dos 13.

Resumindo: o chefe da delegação brasileira na África do Sul ganhou um alvará do presidente da CBF que não conhecia um dos três projetos de estádio do Corinthians; o maior desafeto do presidente da CBF (que coleciona desafetos sacrossantos como o presidente do São Paulo) teve todos os nãos de São Paulo e do Morumbi para os tantos projetos e remendos apresentados pelo clube tricolor.

Para resumir ainda mais: Ricardo Teixeira aprovou um projeto que não viu em Itaquera, e disse não a todos os Morumbis apresentados pela não menos arrogante, prepotente e desastrada direção são-paulina.

Os projetos são-paulinos tinham as suas falhas como tem o Morumbi desde a construção.
E, mesmo se fosse perfeito, se fosse a “casa sacrossanta” que Juvenal se jactancia, ainda assim teria o não rotundo dado pelo dono da CBF e da Copa de 2014.

O projeto corintiano (que originalmente é para 48 mil pessoas, e já foi mudado para acomodar as 65 mil previstas para a abertura da Copa) ainda é incerto e não sabido. Mas já está aprovado pelo prefeito do DEM, pelo governador do PSDB e, claro, pelo presidente do Brasil.
Ou melhor: pelo presidente honorário da República do Corinthians, como torcedor de berço, e conselheiro há anos.
Correligionário do presidente do Corinthians, chefe da delegação, e grande armador de toda a jogada, Andrés Sanchez.

Presidente corintiano coberto de méritos pelo chapéu que deu em Juvenal Juvencio, em termos de Copa.
Mas que levou a questão mais para o lado pessoal-clubístico, fazendo menor uma questão maior. Do tamanho da arena que receberá da Odebrecht. Do tamanho da paixão centenária corintiana.

Como se sabe há muito tempo neste canteiro de obras que é o Brasil, só o amor e a Odebrecht constroem. Pavimentando alianças neste governo que acaba, construindo pontes e um estádio para o novo e provável governo petista.

Faz parte do jogo e de algumas jogadas.

Só é de estranhar tanto mau humor com o São Paulo Futebol Clube.

E tantos freios com outra obra importante, inteiramente financiada pela iniciativa privada, que não consegue sair da prancheta por erros de todos os lados.

Também do Palmeiras que tinha dívidas a pagar. Também da oposição do clube (e ao clube) que criou e ainda vai criar todos os empecilhos de fato e sem muito direito.

E, agora, também do Cades (Conselho Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável) que entrou em campo para não reformar o Palestra.
Justamente nos dias em que São Paulo terá um grande estádio para a Copa.

Sou tão leigo em construção de estádios quanto Ricardo Teixeira é em futebol.

Mas o reprovado Relatório de Impacto de Vizinhança (RIVI) não faz parte da política de boa vizinhança. É uma declaração de guerra ao bom senso.

Um relatório de impacto sonoro com uso de vuvuzelas e fogos de artifício para liberar as obras do novo estádio palmeirense é de um absurdo incomparável. Melhor, de fato, ser surdo a ouvir os lamentáveis argumentos que impedem o início das obras.

Primeiro porque o estádio já existe. É Stadium Palestra Itália, desde 1933.
Segundo porque será coberto na área dos torcedores. O estádio é barulhento hoje. Será muito menos quando estiver pronto.
Terceiro porque fogos de artifício não são liberados nos campos. É tão ridículo exigir um relatório a esse respeito quanto seria um teste para saber qual seria o impacto sonoro de um rufar de canhões dentro do gramado.

E mais não é preciso dizer pelo risível argumento do Cades.
Aliás, o primeiro comunique-se do órgão em 2010.

E tem mais!

Foi cobrado um estudo para saber quantas pessoas iriam com veículo próprio em dias de shows.

Quem sabe?

Certamente não o mesmo departamento que liberou sem grandes problemas o Shopping Bourbon, vizinho da nova Arena.

Para atrasar ainda mais as obras palestrinas, falta ao clube o mesmo tipo de argumento que sobrou ao presidente corintiano.

Não é amizade com o presidente Lula, que isso Belluzzo tem de longa data, independente de carteirinha do partido, como tem Andrés desde o ano passado.

Faltam, talvez, os mesmos procedimentos, digamos, mais enfáticos.

Aqueles argumentos que liberaram o estádio corintiano a toque de caixa aberto.

E que emperram a arena palmeirense com freio ABS.

No frigir das bolas, o Corinthians cimentou muito bem a sua casa, para felicidade da empreendedora – e empreiteira – Fifa.
O São Paulo desabou sua Copa tanto por jogo político de porão quanto pela soberba de seu presidente encastelado em seu sótão.
O Palmeiras está pagando contas que não são dele. Mesmo que o baixo nível da oposição do clube (e ao clube) também ajude a atrapalhar o início das obras, que não têm a menor guarida dos órgãos públicos.

ADENDO – Aos que se manifestaram APENAS por motivos clubísticos, reitero que aqui não é o melhor local.
E aos que leram e não entenderam, ou não quiseram entender (a maior parte dos casos), ou leram com o fígado (alguns casos patológicos), escreverei em caixa alta:

1. O CORINTHIANS PODE E DEVE FAZER DE TUDO DENTRO DA LEI PARA TER O SEU NOVO ESTÁDIO.
2. O SÃO PAULO IDEM.
3. O PALMEIRAS IBIDEM.

Como cidadão, só não quero pagar pelo que não preciso pagar. Jogo político sempre teve, tem, e sempre terá. Mudam os nomes e meios, mas não os modos – ou a falta deles.

Parabenizo o Corinthians pelo que fez, lamento tudo que o São Paulo não conseguiu fazer, reunir e entender (e a perseguição que sofreu por parte da CBF), e reclamo do tratamento discriminatório que alguns órgãos públicos estão dando à reforma palmeirense.

Perdão aos que entenderam o texto. Pêsames aos que insistem em deturpar o que está escrito aqui.

Tags: , , ,