logo lance
undo
Nacionais
Internacionais

BlogsL!

Colunistas

2 Pontos

por Rodrigo Borges e Fabio Chiorino

Blog da L!TV

Vídeos

Blog do Baldini

por Wilson Baldini

Blog do Bechler

por Marcelo Bechler

Blog do Kfouri

por André Kfouri

Blog do Garone

por André Schmidt

Blog do Gui Gomes

por Guilherme Gomes

Blog do Guilherme de Paula

por Guilherme de Paula

Blog do Janca

por João Carlos Assumpção

Blog do Mansell

por Eduardo Mansell

Blog do Marra

por Mário Marra

Blog do Salata

por Thiago Salata

Blog do Tironi

por Eduardo Tironi

Bulla na Rede

por Rafael Bullara

Crônicas do Morumbi

por Ricardo Flaitt

De Prima

por Fábio Suzuki e Igor Siqueira

Em Cima do Lance

por Bernardo Cruz e Igor Siqueira

Fora de Campo

O dia-a-dia dos atletas

Futebol & Ficção

por Valdomiro Neto

Futebol na Terrinha

por Thiago Correia

Gol de Canela FC

por Jonathan Oliveira

Humor Esportivo

Trollagem e zoação

Laguna Olímpico

por Marcelo Laguna

Lance! Livre

por Lucas Pastore

Made in USA

por Thiago Perdigão

Marketing & Economia da Bola

por Amir Somoggi

Números da Bola

por André Schmidt

O Mundo é Uma Bola

por Leonardo Pereira e Luiza Sá

Papo com Boleiro

por Luiz Otávio Abrantes

Planeta Fut

por Luiz Augusto Veloso

Press Start

por Lazlo Dalfovo e Pedro Scapin

Quem Não Sonhou?

por Gabriel Carneiro

Saque

por Daniel Bortoletto

Segunda Pele

por Leonardo Martins, Rafael Pereira e Vinícius Perazzini

Sua Saúde

por Fabiano de Abreu

Super-Raio X

por Alexandre Guariglia

Tênis

por Fabrizio Gallas

Clubes

Doentes

Santos-2010 x Palmeiras-1996 – Duelo virtual | Blog Mauro Beting
logo lance
undo
Nacionais
Internacionais

BlogsL!

Colunistas

2 Pontos

por Rodrigo Borges e Fabio Chiorino

Blog da L!TV

Vídeos

Blog do Baldini

por Wilson Baldini

Blog do Bechler

por Marcelo Bechler

Blog do Kfouri

por André Kfouri

Blog do Garone

por André Schmidt

Blog do Gui Gomes

por Guilherme Gomes

Blog do Guilherme de Paula

por Guilherme de Paula

Blog do Janca

por João Carlos Assumpção

Blog do Mansell

por Eduardo Mansell

Blog do Marra

por Mário Marra

Blog do Salata

por Thiago Salata

Blog do Tironi

por Eduardo Tironi

Bulla na Rede

por Rafael Bullara

Crônicas do Morumbi

por Ricardo Flaitt

De Prima

por Fábio Suzuki e Igor Siqueira

Em Cima do Lance

por Bernardo Cruz e Igor Siqueira

Fora de Campo

O dia-a-dia dos atletas

Futebol & Ficção

por Valdomiro Neto

Futebol na Terrinha

por Thiago Correia

Gol de Canela FC

por Jonathan Oliveira

Humor Esportivo

Trollagem e zoação

Laguna Olímpico

por Marcelo Laguna

Lance! Livre

por Lucas Pastore

Made in USA

por Thiago Perdigão

Marketing & Economia da Bola

por Amir Somoggi

Números da Bola

por André Schmidt

O Mundo é Uma Bola

por Leonardo Pereira e Luiza Sá

Papo com Boleiro

por Luiz Otávio Abrantes

Planeta Fut

por Luiz Augusto Veloso

Press Start

por Lazlo Dalfovo e Pedro Scapin

Quem Não Sonhou?

por Gabriel Carneiro

Saque

por Daniel Bortoletto

Segunda Pele

por Leonardo Martins, Rafael Pereira e Vinícius Perazzini

Sua Saúde

por Fabiano de Abreu

Super-Raio X

por Alexandre Guariglia

Tênis

por Fabrizio Gallas

Clubes

Doentes


Santos-2010 x Palmeiras-1996 – Duelo virtual

por Mauro Beting em 07.ago.2010 às 18:25h

A ideia é do mais que considerado ANDRÉ ROCHA:

Que tal um confronto entre este grande e belo Santos om aquele grande e belo Palmeiras do primeiro semestre de 1996?

Acesse o blog do André, no Globo.com, e veja melhor nosso papo.

Os times, completos, perfilariam desse jeito.

O papo de boteco você vê neste link.

http://globoesporte.globo.com/platb/olhotatico/

Incluindo o meu palpite para um jogo só. E que jogo!

Santos no 4-2-3-1, Palmeiras no 4-2-2-2: pela maior experiência, técnica e melhor sistema defensivo, o time de Luxemburgo era melhor

O papo:

ANDRÉ ROCHA- Quem ganharia, Mauro: Santos de 2010 ou o Palmeiras do primeira semestre de 1996?

MAURO BETING – Que jogo, André. A resposta mais certa é que o vencedor seria o futebol. A maldosa diria que seria o Cruzeiro do Levir Culpi, que venceu o Palmeiras sem o Muller, na final da Copa do Brasil, no Palestra, e de virada, por 2 a 1. Mas aquele trem-bola palmeirense era lindo de ver. E, posso dizer, como este Santos, um orgulho de torcer. Pena que durou um só semestre. O Rivaldo saiu para o La Coruña, como prometido pela parceira que bancava o Palmeiras – a Parmalat. O Muller nem a decisão da Copa do Brasil jogou, acertando com o São Paulo, que pagou uma fortuna. Mesmo com o retorno do Rincón e a contratação do Viola, era outro time, outro momento, outra característica. E o Luxemburgo ainda saiu em dezembro de 1996, indo para o Santos.

ANDRÉ ROCHA – Com o ótimo suporte financeiro, Vanderlei reuniu ótimos jogadores mesclando experiência e juventude, planejou, treinou, ensaiou na Copa Euro-América com uma goleada sobre o Borussia Dortmund por 6 a 1, e montou um esquadrão efêmero, mas encantador e irresistível. Atuando em um 4-2-2-2 simples, mas eficiente, o time alviverde tinha uma volúpia ofensiva impressionante. Cafu e Júnior voavam pelos lados, com a devida cobertura de Flávio Conceição e Amaral; Djalminha pensava o jogo e Rivaldo era quase um terceiro atacante, fazendo companhia a Luizão e Muller. Sandro e Cléber também apareciam no ataque e até o goleiro Velloso devia pensar em participar da festa. A equipe marcava mais à frente e não parava de agredir os adversários, sempre em alta velocidade. O time forçava o jogo pela esquerda com Júnior, Rivaldo e Muller e, quando a jogada não começava e terminava por aquele lado, a bola era invertida por Djalminha para Cafu, que chegava ao fundo e tinha pelo menos três opções dentro da área para concluir.

MAURO BETING – E olha, André, que o Djalminha chegaria ao auge logo depois, quando ganhou mais liberdade, com a saída do Rivaldo. De fato, foi um time de um futebol impressionante. Fez 102 gols no SP-96. Ganhou 27 jogos, empatou dois, e perdeu só um, para o Guarani, em Campinas. Na Copa do Brasil, goleou por 5 a 0 o Atlético Mineiro. Na decisão da Copa do Brasil, logo depois de garantir por antecipação o título estadual, criou ao menos 245 chances de gol em dois jogos sensacionais contra o ótimo Cruzeiro. O time mineiro, em duas partidas, teve cinco chances. Mas fez os três gols do título. Acontece. Nada contra o Cruzeiro. Mas foi uma pena todo aquele futebol ter conquistado apenas um título – embora o estadual, em 1996, valesse muito mais do que hoje. Naquele Paulistão, o Palmeiras fez das maiores partidas que já vi em um clássico: 6 a 0 no Santos, na Vila. E ainda foi pouco.

ANDRÉ ROCHA – Mauro, confesso que invejava os palmeirenses. A imagem mais marcante daquele momento inesquecível para mim foi o Luxemburgo à beira do campo na Vila Belmiro pedindo para que o time não parasse de atacar, mesmo com 4 a 0 sobre o Santos, e ainda sairiam mais dois gols. Segundo o técnico, a melhor forma de demonstrar respeito pelo oponente é jogar sério, buscando os gols durante os noventa minutos. Nem o então campeão mundial Ajax jogou mais que o Palmeiras naquele primeiro semestre de 1996.

MAURO BETING – Fato. Lembro de ter jantado com o Luxemburgo depois do primeiro jogo na temporada, um amistoso contra o Grêmio. Dois a um Palmeiras. Elogiei a partida que a equipe fizera. E ele disse que vinha mais. Que o fato de ter começado a trabalhar aquele elenco ainda em novembro, com as chegadas de Djalminha e Luizão, do Guarani, ajudara demais. E, de fato, deu tudo mais que certo ao Palmeiras. Foi o melhor time montado pelo Luxemburgo. No sentido do futebol mais bonito e eficiente que vi.

ANDRÉ ROCHA – Sem dúvida. Já o Santos de 2010, dos 134 gols em 48 partidas, recordista da Copa do Brasil com 39, é um time tão inconstante e irregular quanto arrebatador.

MAURO BETING – Concordo, André. Também porque aquele Palmeiras foi montado com um pouco mais de tempo. E por gente muito mais experiente.

ANDRÉ ROCHA – O 4-3-3 do Dorival Júnior é funcional pela movimentação de Robinho e Neymar pelas pontas entrando em diagonal buscando André como a referência na área adversária e as tabelas com Ganso, o craque do time que acelera e desacelera o jogo com a maturidade dos seus 20 anos e facilita as jogadas com a simplicidade e a precisão dos antigos meias-armadores. Os volantes saem para o jogo com rapidez e qualidade e a equipe de Dorival Jr ocupa o campo ofensivo com incrível naturalidade. A facilidade para chegar às redes também impressiona, muito pela fúria de Neymar e André, os artilheiros santistas.

MAURO BETING – Ainda acho, André, que o Santos atua mais no 4-2-3-1, com o Robinho e o Neymar mais atrás, mas encostando mais, por exemplo, que Dentinho e Jorge Henrique, no 4-2-3-1 de Mano, no Corinthians, e bem mais que D’Alessandro e Taison, no 4-2-3-1 do Roth. Mas o resto é isso mesmo. Para o futebol que hoje se pratica no Brasil, para não dizer no planeta, é um timaço que honra o nosso futebol. E, também a própria história e escola santista.

ANDRÉ ROCHA – Fato. E o trabalho de Dorival Jr. foi fundamental para conter, dentro do possível, a euforia e a ansiedade de um time que brinca de jogar futebol, mas soube ser responsável em momentos importantes da temporada. A variação tática para o 4-2-3-1 sempre deu certo por aproximar os talentos e agrupar melhor a equipe. Mas, Mauro, não fuja da pergunta: quem ganharia um jogo entre o Palmeiras-96 e o Santos-10?

MAURO BETING – Empate ultratécnico, André. Mas entendo que a experiência do Palmeiras, à época, e do próprio Wanderley, também, contribuiriam para o sucesso verde.

ANDRÉ ROCHA – No confronto imaginário, Wesley ou Arouca teria que ficar mais plantado na marcação de Rivaldo e Robinho voltar acompanhando Júnior.

MAURO BETING – Isso ele aprendeu na Europa e manteve no Santos. Ponto para o Robinho.

ANDRÉ ROCHA – Porque Muller, com sua incrível rapidez de raciocínio, daria um nó em Pará e Dracena deixando Luizão no mano a mano com Durval. Do outro lado, valeria a tentativa de deixar Neymar mais fixo à frente para conter Cafu, a única válvula de escape pela direita, já que o canhoto Djalminha sempre procurava o centro para as tabelas e lançamentos.

MAURO BETING – Como também seria difícil o encaixe do Djalminha na marcação santista. O cada vez melhor Arouca teria de conter o Rivaldo. O Wesley ficaria meio torto na cola do Djalma.

ANDRÉ ROCHA – Ofensivamente, a receita para o alvinegro praiano seria buscar as jogadas pelos lados com toques curtos para garantir a posse de bola diante de um adversário que só quer atacar. Juntar Pará, Wesley e Robinho pela direita e Alex Sandro, Ganso e Neymar do lado oposto poderia desequilibrar a marcação palmeirense e permitir ao Santos ficar mais tempo no campo adversário, um antídoto interessante para a fúria verde.

MAURO BETING – Os volantes palmeirense, Amaral e Conceição, viviam grande momento. O Cléber, então, até gols fazia. Mas o Sandro Blum, mal comparando, era o Pará do time. Só jogou naquele semestre. Era pesado. Lento. Contra André e com a técnica do Ganso, do Robinho e do Neymar entrando em diagonal, ficaria difícil para o Palmeiras sem a bola.

ANDRÉ ROCHA – Verdade. Outro problema palmeirense seria a pouca combatividade de Rivaldo e Djalminha que daria campo a Arouca e Wesley na saída de bola. Considerando que provavelmente Luxemburgo colaria Amaral em Ganso, Flávio Conceição sobraria para fechar as descidas de Arouca e ainda ajudar Cafu pela direita.

MAURO BETING – Fato. Com a bola, o Palmeiras era melhor. Mas o Santos faria muitos estragos.

ANDRÉ ROCHA- Mauro, vamos direto ao ponto: Apesar do 4-2-2-2 que hoje soa retrógrado, o Palmeiras era mais equilibrado em todos os setores e poderia se aproveitar do buraco entre o quarteto ofensivo e o resto do time santista para impor o volume de jogo avassalador e a volúpia ofensiva que marcaram um time de menos de seis meses e um Estadual. Com Amaral colado em Ganso, retaguarda mais atenta e qualificada, e Muller girando em cima de Dracena ainda mais rápido que Júnior do Vitória para servir Luisão, Rivaldo e Djalminha…Palpite: Palmeiras 3 a 1.

MAURO BETING – André. O Santos faria uns dois gols. O Palmeiras jogava demais, marcava demais, encantava demais. Mas pegando um Santos dessa qualidade, era jogo para dois gols alvinegros. Para não dizer três. Para o bem do futebol, e pela maior experiência de Rivaldo, Muller, Luizão e Djalminha, sem contar os alados Cafu e Júnior, acho que daria Verdão. Um time que tinha pentacampeões mundiais como Rivaldo, Cafu, Luizão, Júnior (e o reserva que estreava Marcos), outro tetra como Muller, um quase tetra como Cléber (quase foi chamado para o lugar de Ronaldão). Um senhor time. Contra um Santos encantador. Com Ganso e Neymar que são demais, são craques, e podem ser além disso. Com Robinho que é demais. Com André que é ótimo. Com Arouca e Wesley que têm jogado tudo. Mas com muito menos defesa. E muuuuito menos goleiro. Enfim…Palpite: Palmeiras 3 x 2.

Tags: , ,