Alemanha 2 x 1 Inglaterra – AO VIVO

por Mauro Beting em 27.jun.2010 às 11:52h

PRIMEIRO TEMPO

O melhor jogo da Copa. Alemanha teve 5 chances contra 3. E um bandeirinha a favor. O uruguaio Mauricio Espinosa repete a história de 1966. Abaixo, o trecho do meu último livro que conta um pouco da história que, por ora, se repete como revanche alemã.

“Russian Linesman”. “Bandeirinha russo”. No anedotário das arquibancadas inglesas, um “árbitro amigo”. Como Tofik Bakhramov. Mesmo que não fosse russo – nasceu e morreu em Baku, capitão do Azerbaijão. Então, uma das repúblicas socialistas da União Soviética.

Bakhramov foi o auxiliar número um da estreia inglesa na Copa. Foi o número um na final contra a Alemanha Ocidental, que escalava três titulares que seriam campeões mundiais em 1974; Beckenbauer, Overath e Höttges poderiam ter sido bi, na Copa na Alemanha, se o bandeirinha soviético tivesse visto melhor a bola que Ball (um monstro na final) cruzou para a virada de Hurst, aos 10 minutos da prorrogação: ela bateu no travessão e fora do gol, antes de ser desviada a escanteio pelo zagueiro alemão Weber.

Foram 13 segundos entre a batida de bola no gramado e a confirmação de “gol”de Bakhramov para o árbitro suíço Gottfried Dienst. Boa parte de Wembley não celebrou o gol depois do chute no travessão. Só o atacante Hunt saiu celebrando sem tentar “confirmar” o gol no rebote. O que reforça a tese inglesa de que, bem colocado, teria visto a bola “entrar”. Como viu Bakhramov. Morto em 1993. O primeiro árbitro do planeta a ser homenageado com um nome de estádio. O nacional do Azerbaijão.

Reduzir, porém, o mundial inglês ao erro do bandeirinha na prorrogação é desmerecer um título que caiu nos melhores e mais fortes e competentes pés. A Inglaterra também foi prejudicada pela arbitragem. A tabela deu um dia a menos de descanso para a final. Bateu e apanhou quase do mesmo jeito durante a Copa. E foi melhor que a Alemanha na decisão. No tempo normal teve oito chances contra sete da equipe alemã.

Alemanha melhor e mais incisiva na meia hora inicial, com Ozil mais próximo a Klose. Nos 15 finais, Inglaterra chegou ao empate no Kick & Rush, mas a arbitragem devolveu o troco de 1966

SEGUNDO TEMPO

Um 4 a 1 espetacular. Se o gol inglês fosse concedido, que seria o de empate por 2 a 2, no primeiro tempo, talvez mudasse a história de uma partida histórica. Não apenas pelo erro absurdo do bandeirinha uruguaio. Também por mais uma atuação excelente alemã, na melhor partida da Copa. No segundo tempo, com o contragolpe cedido pela busca do empate, com a enorme lentidão da defesa, com a ridícula participação de Rooney, Lampard e, vá lá, de Gerrard, os jovens Ozil, Muller e Khedira fizeram o serviço alemão. Um time que, enfim, parece pronto para honrar a brilhante história alemã.

No contragolpe, uma senhora vitória alemã, contra uma indenfesável armada inglesa. Terry, pela direita da zaga, não funcionou