Internazionale 2 x 0 Bayern de Munique – Tricampeão europeia, tripleta 2009-10

por Mauro Beting em 23.maio.2010 às 15:52h

 

O Bayern teve uma posse de bola de Barcelona de Messi: 65% no primeiro tempo. Mas a Inter teve um futebol de time de José Mourinho, em 2009-10. Ou de Helenio Herrera, no bi europeu, em 1964 e 1965. Das quatro chances de gol do primeiro tempo mais marcado que jogado, três da Inter. Incluindo o gol do letal Diego Milito. Lançamento de Júlio César, o argentinho ganhou pelo alto da zaga alemã, tocou para o excelente Sneijder (o melhor interista na temporada) servi-lo pela direita. Então, com a frieza própria, Diego esperou Butt desabar e só tocar por cima, aos 33. Um a zero. Cirúrgio. Letal. Contragolpe. Contropiede italiano e interista.

 

Na segunda etapa, o Bayern se atirou. Mas pouco Robben se tirou da esquerda para dentro. Mesmo com o amarelado Chivu. não criou tudo que poderia –  e tudo que o suspenso Ribéry não conseguiu ajudar. Mourinho armou seu Airbus à frente da meta de JC, e nos poucos tiros bávaros, lá estava ele. E também esteve o múltiplo capitano Zanetti. Primeiro como volante pela direita, ao lado do incansável Cambiasso. Depois, para evitar o vermelho de Chivu, Zanetti foi à lateral, Stankovic entrou para lotar o meio. E, num contragolpe básico, Eto’o colocou para Milito para fazer o que muito bem sabe, e Van Buyten, nem tanto.

 

O gol plenamente interista, no contropiede, honrou a melhor equipe no Santiago Bernabéu. O melhor treinador – ou aquele em melhor fase. Ou aquele que soube aproveitar um grande Lúcio, um sistema defensivo rochoso e muito tático, além de técnico. E, mais que tudo, um time que sabe atacar como grande tricampeão que é. E sabe se defender como um gigante.

 

 (Mais da decisão do Santiago Bernabéu em O JOGO DO BETING, nesta terça-feira, no LANCE!)

Tags: