Pontapé inicial – BR-10

por Mauro Beting em 10.maio.2010 às 14:08h

 

O campeão de 2010

 

Não sei. Não tenho a menor ideia quem será o título desta coluna, láááááááá em dezembro… E tenho menos ainda a pretensão de tentar descobrir quem pode ser o que o Flamengo foi em 2009 – e quando poucos esperavam o que foi. Tem a janela de transferências a ser aberta. Tem a Copa do Mundo para obrigar uma intertemporada. Tem o campeão da Copa do Brasil eventualmente tirando o pé do BR-10. Tem o eventual campeão da Libertadores-10 pensando no Mundial. Tem o que fez o Flamengo em 2009, no returno. Tem o que fez o Fluminense para escapar nas últimas rodadas no ano passado. Tem o que o Palmeiras deixou de fazer na reta de chegada. Tem o que o futebol tem feito demais nos últimos tempos – ser ainda mais imprevisível, ainda mais aberto a qualquer tese e teoria, da mais estapafúrdia à mais lógica. Como, hoje, apontar o favoritismo do Santos.

 

Não há time mais vistoso e bonito que o Santos. No Brasil e na América do Sul. Porém, nestes trópicos, há como apontar o Cruzeiro como mais forte, equilibrado e entrosado – apesar de um sistema defensivo preocupante como o do Santos, mas por outros motivos.

 

Hoje, ficaria com o Santos como favorito. Em dezembro, nem Pelé sabe. Robinho não fica. E, mesmo sem ele, vai dar um ótimo time. Com o elenco atual. Dificilmente Ganso e Neymar deixarão o clube nesta janela. Aumentam demais as chances santistas. Também pelo empate conquistado no Engenhão, quando um time modificado conseguiu segurar o campeão do Rio.

 

O Cruzeiro, a princípio, é outro que não deve ter grandes perdas – embora os Perrellas estejam sempre abertos a negócios. A única pedra rumo ao título seria a eventual reconquista da América. O que é pedregulho perto do sonho mundial. A força demonstrada com o misto celeste (contra o ainda mais desfalcado Inter, porém no Beira-Rio) mostra que os dois anos e meio de Adilson Batista dão resultado.

 

No mais, é tudo mais ou menos parecido. O Grêmio, no último mês, tem se mostrado confiável. Silas enfim achou um time, ainda que perdendo gente importante. Se faturar a Copa do Brasil, passando por esse grande Santos, pode eventualmente não ter o mesmo pique. Mas vai depender do fator Internacional. Se o Colorado achar o futebol perdido em algum ponto de 2009, pode ir além na Libertadores. Se não der, ainda tem elenco para se recuperar. Embora, da minha parte, já não tem mais o favoritismo que costumava dar. E, daí, talvez cresça. Começo a achar que eu tenho alguma parte nesse time que não engrena desde o Mundial.

 

Hoje, aposto no G-4 final em Santos, Cruzeiro, Grêmio e… Sei menos ainda. Mas vou chutar Atlético Mineiro. Tem um baita treinador. Louco para reconquistar um espaço perdido. Um elenco de bom nível e experiente. Não deve ter perdas consideráveis para a Europa. Deve ser mantido. E tem uma massa a sustentá-lo impressionante. Vai longe. Com esse belo contragolpe que venceu bem o Vasco, na estreia.

 

No mesmo nível, quem sabe até melhor, Flamengo, São Paulo e Corinthians, com o Fluminense querendo chegar. O Timão começa bem depois da ressaca centenária pela Libertadores mais uma vez perdida. Manteve o rumo, elenco e comissão técnica. Pode crescer, e jogar muito mais do que contra os nove bravos atleticanos. O São Paulo é sempre forte. Mesmo errando mais que o costume, com um time ainda mais desfalcado que o Flamengo, voltou com empate do Rio. O Flu promete se reforçar. E deve fazer campanha muito melhor que 2009, apesar da derrota para o Ceará, em jogo de arbitragem discutível. O Flamengo, sempre, merece respeito. Por mais que faça muitas coisas erradas, ainda consegue vencer os rivais e o próprio Flamengo. Se não for para o Mundial, continua forte. Mesmo que perdendo Vágner Love.

 

Dos demais grandes, preocupações para Vasco, Botafogo e Palmeiras. O Verdão se pressiona e se complica enormemente. Até quando vence com justiça se enerva e irrita além da conta. O Botafogo não pode se iludir com o estadual brilhantemente conquistado. Falta elenco. O Vasco, como o Palmeiras, ainda não acertou o pé. E tem carências visíveis no grupo. Os três vão sofrer com rivais que crescem como o ajustado calouro Atlético-GO. Uma das tantas incógnitas da competição, semifinalista da Copa do Brasil, e que só parou nas mãos de Victor.

 

Na turma do funil, hoje, apostaria no rebaixamento de Ceará, Guarani e Grêmio Prudente. Não por serem ruins. Mas porque quatro têm de cair. É muita gente para um torneio de 20 clubes. E tão difícil e nivelado. Avaí, Atlético-PR, Goiás e Vitória também devem lutar pela permanência. Mesmo com elencos que possam se superar. Ou serem menos piores que outros.

 

P.S.: Sim. Apostei em três que caem em quatro possíveis. Deixei uma vaga aberta. Que pode ser preenchida por um grande. Só não sei qual.

 

 

Tags: