logo lance
undo
Nacionais
Internacionais

BlogsL!

Colunistas

2 Pontos

por Rodrigo Borges e Fabio Chiorino

Blog da L!TV

Vídeos

Blog do Baldini

por Wilson Baldini

Blog do Bechler

por Marcelo Bechler

Blog do Kfouri

por André Kfouri

Blog do Garone

por André Schmidt

Blog do Gui Gomes

por Guilherme Gomes

Blog do Guilherme de Paula

por Guilherme de Paula

Blog do Janca

por João Carlos Assumpção

Blog do Mansell

por Eduardo Mansell

Blog do Marra

por Mário Marra

Blog do Salata

por Thiago Salata

Blog do Tironi

por Eduardo Tironi

Bulla na Rede

por Rafael Bullara

Crônicas do Morumbi

por Ricardo Flaitt

De Prima

por Fábio Suzuki e Igor Siqueira

Em Cima do Lance

por Bernardo Cruz e Igor Siqueira

Fora de Campo

O dia-a-dia dos atletas

Futebol & Ficção

por Valdomiro Neto

Futebol na Terrinha

por Thiago Correia

Gol de Canela FC

por Jonathan Oliveira

Humor Esportivo

Trollagem e zoação

Laguna Olímpico

por Marcelo Laguna

Lance! Livre

por Lucas Pastore

Made in USA

por Thiago Perdigão

Marketing & Economia da Bola

por Amir Somoggi

Números da Bola

por André Schmidt

O Mundo é Uma Bola

por Leonardo Pereira e Luiza Sá

Papo com Boleiro

por Luiz Otávio Abrantes

Planeta Fut

por Luiz Augusto Veloso

Press Start

por Lazlo Dalfovo, Pedro Scapin e Thiago Bicego

Quem Não Sonhou?

por Gabriel Carneiro

Saque

por Daniel Bortoletto

Segunda Pele

por Leonardo Martins, Rafael Bullara e Vinícius Perazzini

Super-Raio X

por Alexandre Guariglia

Tênis

por Fabrizio Gallas

Clubes

Doentes

Dunga comentarista – Copa-06 – Brasil 0 x 1 França | Blog Mauro Beting
logo lance
undo
Nacionais
Internacionais

BlogsL!

Colunistas

2 Pontos

por Rodrigo Borges e Fabio Chiorino

Blog da L!TV

Vídeos

Blog do Baldini

por Wilson Baldini

Blog do Bechler

por Marcelo Bechler

Blog do Kfouri

por André Kfouri

Blog do Garone

por André Schmidt

Blog do Gui Gomes

por Guilherme Gomes

Blog do Guilherme de Paula

por Guilherme de Paula

Blog do Janca

por João Carlos Assumpção

Blog do Mansell

por Eduardo Mansell

Blog do Marra

por Mário Marra

Blog do Salata

por Thiago Salata

Blog do Tironi

por Eduardo Tironi

Bulla na Rede

por Rafael Bullara

Crônicas do Morumbi

por Ricardo Flaitt

De Prima

por Fábio Suzuki e Igor Siqueira

Em Cima do Lance

por Bernardo Cruz e Igor Siqueira

Fora de Campo

O dia-a-dia dos atletas

Futebol & Ficção

por Valdomiro Neto

Futebol na Terrinha

por Thiago Correia

Gol de Canela FC

por Jonathan Oliveira

Humor Esportivo

Trollagem e zoação

Laguna Olímpico

por Marcelo Laguna

Lance! Livre

por Lucas Pastore

Made in USA

por Thiago Perdigão

Marketing & Economia da Bola

por Amir Somoggi

Números da Bola

por André Schmidt

O Mundo é Uma Bola

por Leonardo Pereira e Luiza Sá

Papo com Boleiro

por Luiz Otávio Abrantes

Planeta Fut

por Luiz Augusto Veloso

Press Start

por Lazlo Dalfovo, Pedro Scapin e Thiago Bicego

Quem Não Sonhou?

por Gabriel Carneiro

Saque

por Daniel Bortoletto

Segunda Pele

por Leonardo Martins, Rafael Bullara e Vinícius Perazzini

Super-Raio X

por Alexandre Guariglia

Tênis

por Fabrizio Gallas

Clubes

Doentes


Dunga comentarista – Copa-06 – Brasil 0 x 1 França

por Mauro Beting em 10.maio.2010 às 15:11h

 

Dunga pareceu gostar das mudanças de Parreira. Mas está preocupado com a França, que enfim fez uma boa partida contra a Espanha.

 

3min       Dunga não quer Juninho Pernambucano armando mais à frente no 4-3-1-2 proposto por Parreira, com os Ronaldinhos no ataque, Kaká como meia-atacante centralizado, Juninho e Zé Roberto marcando e armando pelos lados, e Gilberto Silva na cabeça da área.

14           Preocupado com Ribéry pela direita, entrando em diagonal entre Juan e Roberto Carlos. A França joga no 4-2-3-1.

15           Elogia mais Ronaldinho [Gaúcho] que o usual.

17           “Brasil tá perdendo muito rápido essa bola. O Juninho entrou para isso, para tocar mais a bola, mas não tá dando certo”.

22           Enfim Dunga acerta o conceito de pressa. “Brasil tem mais pressa que velocidade. Tá afobado”.

24           “Cafu está sozinho. O Brasil não se movimenta e nem se aproxima”. Ele começa a se preocupar que o time. E com inteira razão. Desde o primeiro lance, Zidane brilha e joga sozinho no gramado. Em todos os sentidos.

28           “Brasil não tá marcando bem, não está mais segurando a bola”.

30           “Brasil tem que ter velocidade, não pressa”.

32           “Tá todo mundo querendo resolvAr individualmente”. Dunga está muito preocupado com a Seleção, que não consegue jogar.

34           “Raciocínio tá lento, com a bola e sem a bola. A França domina o jogo”.

36           “Brasil tá lento na marcação, tá dando muito espaço, ninguém se aproxima. O Parreira precisa corrigir. Estamos mal individualmente e coletivamente. O Zidane tá muito livre, e a França sabe jogar”.

41           Dunga desabafa como nunca, e como todo brasileiro naquele momento: “Não vejo a hora que o jogo acabe logo. O que o Zidane tá fazendo é o que o Ronaldinho [Gaúcho] deveria fazer. O Brasil só tá assistindo!”

41           Dunga, como qualquer brasileiro naquela dureza de Frankfurt, mais torce e se contorce que consegue comentar. Dá para ouvi-lo, com o microfone fechado, pedindo para o Brasil sair mais rápido para o ataque. Palavras de Dunga captadas pelo microfone de Luciano do Valle: “Vamos, Roberto Carlos!”. E o lateral, como todo o Brasil, parecia travado, hipnotizado por Zidane.

43           “Brasil tá tomando as decisões erradas. Em vez de chutar, cruza. Em vez de cruzar, chuta”.

44           Dunga reclama do zagueiro Juan. “Ele tá toda hora na frente. Não é para sair toda hora”.

 

INTERVALO

 

Dunga demonstra enorme preocupação com o Brasil. Ele e o planeta.

 

SEGUNDO TEMPO

 

 

 

6min       “Se o Brasil continuar dando essa liberdade pro Zidane, ele vai continuar mandando no jogo como quiser”.

7            “Dois da França sozinho (sic)!!!” Ele reclama sempre da marcação na bola parada brasileira, desde o primeiro jogo.

8            “Jogadores do Brasil precisam ter mais decisão, mais atitude”.

11           “Ó, lá!!! Três sozinho (sic)!!! Três sozinho (sic) !!! Foi o que Dunga falou, com o microfone fechado, com a bola viajando da esquerda para a direita, antes de Henry aparecer sozinho, no segundo pau, e anotar o gol francês.

11min09s GOL. 1 X 0 FRANÇA. HENRY. ERAM CINCO FRANCESES CONTRA TRÊS BRASILEIROS DENTRO DA ÁREA, TRÊS RIVAIS SOZINHOS, COMO CANTOU A BOLA DUNGA.

19           “Tá tudo desorganizado. O Brasil não tem organização defensiva e nem ofensiva. Não tem cobertura…”

21           “A única chance do Brasil é se a França cansar”.

25           Em off, microfone desligado, dá para ouvir Dunga reclamando da desorganização brasileira. Ele fala “tá todo perdido. Tá deixando um contra um”. E ele tinha toda razão.

26           “O Brasil não marca. Só faz sombra”.

28           “O Brasil tá previsível. Estático. Ninguém se mexe”. Ele começou a comentar com o microfone desligado. Era o nervosismo de qualquer brasileiro. E, pela primeira vez, Dunga começa a criticar mais abertamente Parreira. Mas com imenso respeito.

30           Dunga só fala do Brasil. Nada comenta dos rivais, dos jogadores que entram e que saem. Só se preocupa com a Seleção. Como 99% dos comentaristas que foram atletas, e 90% dos jornalistas.

31           “O Brasil dá grande liberdade ao Zidane e ele dá uma aula de futebol”.

32           Dunga respeita demais Parreira. Não corneta nenhuma alteração feita. E dificilmente pede a entrada de um jogador.     

33           Dunga não dá um chilique. Não havia ninguém do Brasil na defesa. Todo mundo além do meio-campo.

43           Falta perigosa para o Brasil. O único jeito de a Seleção chegar à frente. Antes da cobrança, Dunga abre o bico: “Agora é hora de o gênio desequilibrar”. Mas Ronaldinho bate por cima. Textualmente, foi o maior elogio de Dunga a Ronaldinho. E na pior exibição dele na Copa.

 

 

FIM DE JOGO

 

Como já havia feito no intervalo, Robinho dá um imenso abraço em Zidane, colega de Real Madrid. Dunga dá a letra final:

 

 

“Brasil foi um time desorganizado. Deixou a França jogar, deixou o Zidane tomar conta do jogo os 90 minutos. Quando o coletivo não vai bem, a individualidade não vai bem. Nesta Copa, o Brasil se superou sempre pela individualidade. Hoje, o Zidane reuniu os jogadores e organizou a França. Ele foi o grande maestro que mereceu a vitória.

Tags: