Dunga comentarista – Copa-06 – Brasil 2 x 0 Austrália

por Mauro Beting em 07.maio.2010 às 9:56h

 

Antes de começar o jogo, Dunga abre o coração: “Quando cheguei ao estádio aqui em Munique, fiquei com vontade de entrar em campo. Em Berlim [contra a Croácia, na estreia], não. O ambiente está diferente, está melhor para jogar com a vibração da torcida”.

 

 

8min            “Brasil joga com muita rapidez”. Aqui, não há como saber se ele quis dizer que o time está afobado ou se está realmente veloz. Mas parece que é realmente uma crítica.

9                   “O Brasil continua jogando com duas linhas de quatro”. De fato, era quase um antigo e antiquado 4-2-4.

15                Reclama que quando um dos quatro da frente recua, é o Adriano. “Ele é que tem que ficar lá no ataque”. Também não gosta do Kaká tão aberto pela direita.

19                 “O Brasil quer ser veloz, mas não troca a bola”. Dunga tem razão, mais uma vez.

20                Critica quando o Brasil quer chegar ao gol em “dois, três toques na bola”. Ele prefere que o time trabalhe mais os lances: “Quando  o Brasil faz bem a jogada, nós demos uns 12, 13 toques na bola”.

22                 Dunga reclama da ligação direta para o contragolpe brasileiro. Por ironia, uma das melhores virtudes do Brasil de Dunga, desde 2007.

22                Vai se irritando com o Brasil e com a língua: “Adriano pega as bola (sic) de costa (sic). Um dos meia (sic) tem que aproximar!”

23                Elogia a melhora no toque de bola e, por tabela, na paciência brasileira. “Mas precisa jogar com mais rapidez”. Agora, “rapidez” é velocidade, mesmo.

25                Insiste ao reclamar da cobertura dada e Cafu. Diz que é confusa a questão entre Emerson e Lúcio.

29                Reclama do zagueiro Lúcio que sai muito da área para tentar armar jogadas de ataque.

35                Segue reclamando reclama do esquema que faz Adriano sair da área para armar.

37                “Ronaldinho e Kaká precisam ajudar na armação das jogadas. Time precisa ser mais organixado na marcação’

40                “Brasil está muito estático”. Ele vai usar o termo e a expressão bastante no jogo, e em quase toda a Copa.

42                Em muitas faltas laterais e em vários escanteios, Dunga vai comentar e chamar a atenção de algum adversário que esteja “sozinho”, desmarcado, na área do Brasil. Neste lance, ele fala do “14 que está sozinho”. Era Chipperfield.

45                “O Ronaldinho está muito lento”, reclama Dunga, na crítica direta mais contudente ao gaúcho. Ele elogia-criticando Lúcio e Kaká, os “únicos que estão correndo e criando”.

 

 

INTERVALO –

 

Dunga pede mais iniciativa na criação, e que o Brasil arrisque mais os dribles. “Driblando, a Seleção cria espaços, e fica com uma vantagem numérica nos lances”. Pede melhor definição na cobertura a Cafu. “A marcação está desorganizada. O Brasil está jogando e deixando jogar”. Sobram mais críticas – justas – a Ronaldinho Gaúcho: “Ele precisa ter mais movimentação e velocidade”.

 

 

 

SEGUNDO TEMPO

 

2min            Dunga pede para o Brasil “se mexer mais. O time está muito estático”.

 

3min31s       GOL. 1 X 0 BRASIL. ADRIANO, BELO GOL, em lance de RONALDO.

Dunga comenta: “É só a bola chegar ao Ronaldo Nazário que ele desequilibra! Ele sozinho chama três jogadores em cima dele e facilita pro Adriano receber livre.” Dunga elogiou a mudança tática brasileira, com Ronaldinho Gaúcho mais recuado, pela meia esquerda, para articular o time.

5                   Primeiro elogio de Dunga a Ronaldinho Gaúcho: “Ele precisa se soltar mais. Não precisa guardar a posição na esquerda. Precisa ser mais moleque, mais atrevido, sorrir mais do jeito que ele faz na Espanha”.

7                   “Brasil precisa ser mais paciente. Não precisa atacar toda hora, não precisa furar a Austrália”.

16                “Brasil joga e deixa jogar. Precisa marcar melhor”.

17                 Zé Roberto perdeu uma bola no meio, mas se recupera brilhantemente. Dunga detona:  “Ninguem ajudou ele! Ele teve de se virar sozinho”. Sem citar nominalmente, Dunga mais uma vez criticou o pouco comprometimento tático dos dois meias e dos dois atacantes. Não sem razão.

18                “[Os atacantes e os meias] não seguram a bola na frente, e os zagueiros já estão cansados”. Dunga está preocupado com o Brasil. Mais uma vez com razão.

20                Dunga elogia Ronaldinho. Mas no sentido de cobrá-lo para jogar mais, criar mais. E Dunga não exagera.

26                Parreira faz duas mudanças. O comentarista Dunga não critica a escalação inicial, não sugere mudanças, e não detona as mexidas feitas. Mas aproveitou para elogiar Ronaldo, um dos sacados: “Ele está se movimentando e armando as jogadas pelos homens do meio, que não estão armando”.

27                Elogia Kaká, que ao menos tem criado um pouco mais, “tem buscado as jogadas individuais”. Sem citar Gaúcho, enaltece o companheiro de armação, e deixa no ar a crítica a Ronaldinho.

43min45s     GOL. 2 X 0 BRASIL. FRED.

Dunga não comenta o bom contragolpe brasileiro. Apenas relata: “Na comemoração, pelo visto, deu para entender que a entrada do Fred foi uma sugestão do Zagallo”. Ela aproveita para dar a primeira cornetada na escalação: “O Brasil tem de usar mais o banco. Alguns titulares estão rendendo pouco”.