Arsenal 2 x 2 Barcelona

por Mauro Beting em 31.mar.2010 às 17:51h

 

As duas equipes empataram um jogo de 14 chances catalãs e quatro londrinas, com quatro gols, e a vitória do futebol bem jogado, objetivo, vistoso, ofensivo, abusado.

 

Ao final de uma partida sem vencedores a não ser os que gostam de futebol, o velho chavão brasileiro traduzido para o espanhol  – sim, também existe a versão hermana do “quem não faz, toma”: los goles que no se hacen en un arco, se hacen en el otro.

 

O Barça teve oito, repito, oito chances de gol nos primeiros 20 minutos. Só não fez porque Almunia fez a partida da vida dele, e o time de Guardiola perdeu os gols que não costuma perder, até porque Messi não foi o de sempre – E, GUARDIOLA, PELO AMOR DE MARADONA, POUPE O CRAQUE DO BARCELONA QUANDO PUDER PARA QUE ELE NÃO ESTOURE NO ESPANHOL, NA LIGA E NA COPA DO MUNDO.

 

E mesmo com o gênio abaixo do nível habitual, o Barça flanou no gramado. O Arsenal marcou mal, é fato, na primeira etapa. Song e Diaby não fecharam a entrada da área, e deram muito mole a Messi e a Ibra, sem contar a criatividade do imenso Xavi, e a excelente fase de Busquets. Mas o demérito não era inglês (até porque, de inglês, no Arsenal, só entrou Walcott, com imenso atraso, e, ainda assim, em dois minutos, fez o primeiro dos Gunners). O mérito era todo blaugrana. O melhor time do mundo nos últimos tempos. Disparado.

 

 

A segunda etapa foi mais equilibrada, mesmo com o primeiro gol aos 22 minutos, na indecisão de Song, novamente improvisado na zaga, pelas contusões de Gallas e Arshavin. O Barça amplicou com Ibra, aos 18. O Arsenal só crescia com Nasri para cima de Daniel Alves. E foi num lance com ele e Bendtner, e o passe às costas de Maxwell, que o Arsenal diminuiu, aos 23.

 

 

Quando o jogo parecia definido, cruzamento para Bendtner ajeitar para Fábregas se enrolar com Puyol. Pênalti a expulsão do capitão catalão. O próprio craque revelado pelo Barça beteu e empatou, aos 40. E como acontece com o clube mais zicado da história por contusões, Fábregas saiu de campo machucado, e as equipes acabaram com 10.

 

 

Sem saber como foi o jogo, o torcedor blaugrana pode e deve celebrar o empate com gols. Mas, pela partida, fica a sensação de que poderia ter sido uma goleada. O que deixou o torcedor do Arsenal feliz por buscar o empate. E ainda esperançoso.