Corinthians 4 x 3 São Paulo

por Mauro Beting em 28.mar.2010 às 18:33h

 

O SP-10 não é bom. Mas os clássicos são ótimos. Se as equipes não se repetem, a história foi respeitada no Pacaembu.

 

 

Ricardo Gomes só repetiu a escalação uma vez em 2010. Mas há cinco jogos mantém o Tricolor no 4-1-3-2: Rodrigo Souto esteve à frente dos zagueiros, Cléber Santana ajudou um pouco mais atrás que o normal, Hernanes (mais) e Leo Lima (nada) tentaram armar contra uma zaga remendada. Porém protegida com Ralf e Jucilei no meio-campo, e Elias (o melhor), mais combativo e veloz, ora mais atrás, quase sempre um meia, com Danilo encostando em Dentinho em Ronaldo. (Não é preciso dizer que Mano não repete o Timão desde janeiro – de 2009).

 

 

O São Paulo tinha mais a bola quanto o Corinthians chegou primeiro. Em um só lance, duas bolas na trave e uma grande defesa de Ceni. Cinco minutos depois, aos 20, Jucilei roubou no meio para Dentinho, que armou belo lance com Ronaldo, que rolou para um golaço de Elias. O Corinthians, mais uma vez, recuou demais. Mas o São Paulo pouco criava. Até que uma infelicidade de Miranda ofereceu a bomba (de direita!) de Danilo, aos 34. Outro golaço.

 

 

Outra confusão de Dentinho com Washington, na saída de bola. Era para amarelo, no máximo, para o corintiano. Foi vermelho direto para os dois. Ainda deu tempo para Jean diminuir, aos 42, em belo lance de Dagoberto, pela esquerda.

 

 

No intervalo, Gomes fez a mudança óbvia: Fernandinho na frente no lugar de Leo Lima. O São Paulo ficou num 4-3-2, com o atacante bem pela esquerda, mas um tanto fominha. Mano preferiu segurar Ralf na cola de Dagoberto, adiantar Danilo, e deixar os incansáveis Elias e Jucilei fazerem de tudo.

 

 

Aos 7, de falta, Roberto Carlos mandou a bomba usual, cheia de efeito, no meio do gol. Ceni é que não foi o de sempre, e não segurou a bola molhada. 3 x 1. Rogério ainda se redimiria com duas boas defesas. Aos 28, Rafael Santos retribuiu a falha alheia, largando a falta que Souto diminuiu. Aos 37, na terceira saída errada da meta, o goleiro não chegou e Souto empatou.

 

 

Mano e Gomes foram infelizes antes disso, sacando os melhores em campo – Elias e Hernanes -, aos 29 minutos. O jogo se arrastava para o empate até Iarley (que entrou aos 42 no lugar do Ronaldo que ainda está loooonge da forma) arriscar um chute forte (que ele assumiu se tratar de um cruzamento) que desviou na cabeça de Alex Silva e matou o clássico que deixa vivo o Corinthians. E pode acordar o São Paulo.

 

 

Foi um placar enorme. Um jogo emocionante. Mas as equipes ainda fazem as torcidas sofrerem além da conta. Ainda devem futebol.

 

 

 

(Escalado pela Rádio Bandeirantes e pelo LANCE!, estou na cabine do Pacaembu. Mais tarde atualizo o blog, pedindo perdão por não ter visto os demais jogos).