Palmeiras 2 x 0 São Paulo

por Mauro Beting em 21.fev..2010 às 5:01h

A partida era igual na segunda etapa até Xandão segurar Eduardo e receber o segundo amarelo, aos 6. Em dois minutos, Cleiton Xavier botou na cabeça de Robert (que tudo errava) e o placar foi aberto. Aos 23, Marquinhos (que não jogara em 2010) bateu o escanteio para Robert se antecipar a Renato Silva e Rogério Ceni, que deram as costas para o lance.

Mais uma estreia que mudou o astral de um grande que parecia perdido. Mais uma enorme interrogação: o Palmeiras estava indisposto com Muricy ou mal disposto pelo ex-treinador? O time que perdeu bovinamente para o Azulão venceu com autoridade um Tricolor que murchou com a expulsão (que há como discutir) de Xandão. O que mudou? Ou tudo continua igual no futebol?

Antonio Carlos mexeu em tudo. Em nomes, números e disposição. Eduardo foi titular pela primeira vez pela lateral esquerda, Wendel voltou à direita no lugar de Figueroa. Os dois volantes tiveram Cleiton Xavier criando por dentro, com Diego Souza como ponta pela direita, Lenny aberto pelo outro lado, e Robert, enfim, com companhia. Ricardo Gomes plantou uma linha de quatro na zaga, com Jean à frente deles, fez uma linha de três meias com Cicinho e Hernanes pelos lados, Cléber Santana pouco inspirado por dentro, Marcelinho Paraíba distante de Washington. Na primeira etapa, quatro chances verdes, três tricolores, muito calor, pouca luz e futebol.

O São Paulo poderia ter aberto o placar aos 2 do segundo tempo, com mais um lance mal concluído por Cléber Santana. Ricardo foi infeliz ao deixá-lo em campo depois do gol e sacar Washington, quando poderia recuar Marcelinho Paraíba. Antonio teve estrela e colocou antes da hora Marquinhos. Deu jogo. Deu gol. E uma vitória para tentar mudar o astral verde. E repensar algumas coisas no São Paulo lento e disperso demais.

Tags: