logo lance
undo
Nacionais
Internacionais

BlogsL!

Colunistas

2 Pontos

por Rodrigo Borges e Fabio Chiorino

Blog da L!TV

Vídeos

Blog do Baldini

por Wilson Baldini

Blog do Bechler

por Marcelo Bechler

Blog do Kfouri

por André Kfouri

Blog do Garone

por André Schmidt

Blog do Gui Gomes

por Guilherme Gomes

Blog do Guilherme de Paula

por Guilherme de Paula

Blog do Janca

por João Carlos Assumpção

Blog do Mansell

por Eduardo Mansell

Blog do Marra

por Mário Marra

Blog do Salata

por Thiago Salata

Blog do Tironi

por Eduardo Tironi

Bulla na Rede

por Rafael Bullara

Crônicas do Morumbi

por Ricardo Flaitt

De Prima

por Fábio Suzuki e Igor Siqueira

Em Cima do Lance

por Bernardo Cruz e Igor Siqueira

Fora de Campo

O dia-a-dia dos atletas

Futebol & Ficção

por Valdomiro Neto

Futebol na Terrinha

por Thiago Correia

Gol de Canela FC

por Jonathan Oliveira

Humor Esportivo

Trollagem e zoação

Laguna Olímpico

por Marcelo Laguna

Lance! Livre

por Lucas Pastore

Made in USA

por Thiago Perdigão

Marketing & Economia da Bola

por Amir Somoggi

Números da Bola

por André Schmidt

O Mundo é Uma Bola

por Leonardo Pereira e Luiza Sá

Papo com Boleiro

por Luiz Otávio Abrantes

Planeta Fut

por Luiz Augusto Veloso

Press Start

por Lazlo Dalfovo, Pedro Scapin e Thiago Bicego

Quem Não Sonhou?

por Gabriel Carneiro

Saque

por Daniel Bortoletto

Segunda Pele

por Leonardo Martins, Rafael Bullara e Vinícius Perazzini

Super-Raio X

por Alexandre Guariglia

Tênis

por Fabrizio Gallas

Clubes

Doentes

Antonio Carlos treina o Palmeiras | Blog Mauro Beting
logo lance
undo
Nacionais
Internacionais

BlogsL!

Colunistas

2 Pontos

por Rodrigo Borges e Fabio Chiorino

Blog da L!TV

Vídeos

Blog do Baldini

por Wilson Baldini

Blog do Bechler

por Marcelo Bechler

Blog do Kfouri

por André Kfouri

Blog do Garone

por André Schmidt

Blog do Gui Gomes

por Guilherme Gomes

Blog do Guilherme de Paula

por Guilherme de Paula

Blog do Janca

por João Carlos Assumpção

Blog do Mansell

por Eduardo Mansell

Blog do Marra

por Mário Marra

Blog do Salata

por Thiago Salata

Blog do Tironi

por Eduardo Tironi

Bulla na Rede

por Rafael Bullara

Crônicas do Morumbi

por Ricardo Flaitt

De Prima

por Fábio Suzuki e Igor Siqueira

Em Cima do Lance

por Bernardo Cruz e Igor Siqueira

Fora de Campo

O dia-a-dia dos atletas

Futebol & Ficção

por Valdomiro Neto

Futebol na Terrinha

por Thiago Correia

Gol de Canela FC

por Jonathan Oliveira

Humor Esportivo

Trollagem e zoação

Laguna Olímpico

por Marcelo Laguna

Lance! Livre

por Lucas Pastore

Made in USA

por Thiago Perdigão

Marketing & Economia da Bola

por Amir Somoggi

Números da Bola

por André Schmidt

O Mundo é Uma Bola

por Leonardo Pereira e Luiza Sá

Papo com Boleiro

por Luiz Otávio Abrantes

Planeta Fut

por Luiz Augusto Veloso

Press Start

por Lazlo Dalfovo, Pedro Scapin e Thiago Bicego

Quem Não Sonhou?

por Gabriel Carneiro

Saque

por Daniel Bortoletto

Segunda Pele

por Leonardo Martins, Rafael Bullara e Vinícius Perazzini

Super-Raio X

por Alexandre Guariglia

Tênis

por Fabrizio Gallas

Clubes

Doentes


Antonio Carlos treina o Palmeiras

por Mauro Beting em 18.fev.2010 às 22:21h

Quando começou, no São Paulo, em 1990, primeiro como lateral, depois como zagueiro-direito de Telê, não passava confiança. Um tanto afoito, pouco seguro. Mas se firmou. E à seleção de Parreira chegou, em 1991. Como campeão brasileiro e paulista. Em 1992, Telê bolou um jeito de Adilson cobri-lo quando avançava como líbero. Foi campeão da Libertadores. Jogando muito.

Foi para o Albacete. Fez mau negócio. Em janeiro de 1993 já estava no Palmeiras. Onde ganhou quase tudo até sair, em 1995. Voltou ao país, foi campeão pelo Corinthians. Pelo Santos. Fato raro. E ainda mais rara a sensibilidade para saber se levantaria a taça ou não.

Desde 1992, é um senhor analista de futebol. Não só daquilo que se vê. Também do que se sente. Não raro pedia a ele prognósticos dos times em que jogava. A pergunta, no último treino antes de uma decisão:

– E aí, Tonhão, vai ser campeão?

Nunca errou. Até quando perdeu títulos. Até quando, uma vez, disse que o ambiente não era legal. Mas o time era bom. E seria o que acabou sendo, em 1997, pelo Corinthians. Com a mesma convicção que dissera, em 1993, que o jejum de 16 anos do Palmeiras acabaria no dia seguinte. E com grande atuação. Com um 4 a 0 no Corinthians, quando ele foi soberbo. Mesmo deixando um cotovelaço no rosto do amigo Neto, em mais um erro de José Aparecido de Oliveira.

Esse é o Antonio Carlos inteligente e que sempre pintou como treinador que chega ao Palmeiras. Ainda verde no banco. Mas tecnicamente capaz de ser um grande técnico num clube que gosta, que conhece, que respeita, que sabe quanto é difícil.

Não será fácil. Ele sabe, e pinta saber bastante.

E será menos complicado se ele tiver mais paciência. E o ambiente entender que Antonio Carlos Zago também não é fácil de lidar. Ele pode ser combustível perigoso no elétrico Palestra. Mas, se der a liga que Muricy não deu, pode botar fogo num clube com não poucos problemas.

É uma aposta que vale. Mas, como toda aposta, não pode ser ainda analisada.

Tags: