logo lance
undo
Nacionais
Internacionais

BlogsL!

Colunistas

2 Pontos

por Rodrigo Borges e Fabio Chiorino

Blog da L!TV

Vídeos

Blog do Baldini

por Wilson Baldini

Blog do Bechler

por Marcelo Bechler

Blog do Kfouri

por André Kfouri

Blog do Garone

por André Schmidt

Blog do Gui Gomes

por Guilherme Gomes

Blog do Guilherme de Paula

por Guilherme de Paula

Blog do Janca

por João Carlos Assumpção

Blog do Mansell

por Eduardo Mansell

Blog do Marra

por Mário Marra

Blog do Salata

por Thiago Salata

Blog do Tironi

por Eduardo Tironi

Bulla na Rede

por Rafael Bullara

Crônicas do Morumbi

por Ricardo Flaitt

De Prima

por Fábio Suzuki e Igor Siqueira

Em Cima do Lance

por Bernardo Cruz e Igor Siqueira

Fora de Campo

O dia-a-dia dos atletas

Futebol & Ficção

por Valdomiro Neto

Futebol na Terrinha

por Thiago Correia

Gol de Canela FC

por Jonathan Oliveira

Humor Esportivo

Trollagem e zoação

Laguna Olímpico

por Marcelo Laguna

Lance! Livre

por Lucas Pastore

Made in USA

por Thiago Perdigão

Marketing & Economia da Bola

por Amir Somoggi

Números da Bola

por André Schmidt

O Mundo é Uma Bola

por Leonardo Pereira e Luiza Sá

Papo com Boleiro

por Luiz Otávio Abrantes

Planeta Fut

por Luiz Augusto Veloso

Press Start

por Lazlo Dalfovo, Pedro Scapin e Thiago Bicego

Quem Não Sonhou?

por Gabriel Carneiro

Saque

por Daniel Bortoletto

Segunda Pele

por Leonardo Martins, Rafael Bullara e Vinícius Perazzini

Super-Raio X

por Alexandre Guariglia

Tênis

por Fabrizio Gallas

Clubes

Doentes

HISTÓRIA EM JOGO – COPA-1982 – Brasil 4 x 1 Escócia | Blog Mauro Beting
logo lance
undo
Nacionais
Internacionais

BlogsL!

Colunistas

2 Pontos

por Rodrigo Borges e Fabio Chiorino

Blog da L!TV

Vídeos

Blog do Baldini

por Wilson Baldini

Blog do Bechler

por Marcelo Bechler

Blog do Kfouri

por André Kfouri

Blog do Garone

por André Schmidt

Blog do Gui Gomes

por Guilherme Gomes

Blog do Guilherme de Paula

por Guilherme de Paula

Blog do Janca

por João Carlos Assumpção

Blog do Mansell

por Eduardo Mansell

Blog do Marra

por Mário Marra

Blog do Salata

por Thiago Salata

Blog do Tironi

por Eduardo Tironi

Bulla na Rede

por Rafael Bullara

Crônicas do Morumbi

por Ricardo Flaitt

De Prima

por Fábio Suzuki e Igor Siqueira

Em Cima do Lance

por Bernardo Cruz e Igor Siqueira

Fora de Campo

O dia-a-dia dos atletas

Futebol & Ficção

por Valdomiro Neto

Futebol na Terrinha

por Thiago Correia

Gol de Canela FC

por Jonathan Oliveira

Humor Esportivo

Trollagem e zoação

Laguna Olímpico

por Marcelo Laguna

Lance! Livre

por Lucas Pastore

Made in USA

por Thiago Perdigão

Marketing & Economia da Bola

por Amir Somoggi

Números da Bola

por André Schmidt

O Mundo é Uma Bola

por Leonardo Pereira e Luiza Sá

Papo com Boleiro

por Luiz Otávio Abrantes

Planeta Fut

por Luiz Augusto Veloso

Press Start

por Lazlo Dalfovo, Pedro Scapin e Thiago Bicego

Quem Não Sonhou?

por Gabriel Carneiro

Saque

por Daniel Bortoletto

Segunda Pele

por Leonardo Martins, Rafael Bullara e Vinícius Perazzini

Super-Raio X

por Alexandre Guariglia

Tênis

por Fabrizio Gallas

Clubes

Doentes


HISTÓRIA EM JOGO – COPA-1982 – Brasil 4 x 1 Escócia

por Mauro Beting em 10.fev.2010 às 20:22h

A Escócia não era um mau time. Não era tão boa quanto a URSS de Blokhin. Certamente, não era como o Brasil de 1982. Nas palavras de Michel Platini à revista Placar, um ano depois da conquista do tetra, em 1994:

– Do time campeão mundial nos Estados Unidos, só lembro de Romário, Bebeto, Aldair… Como é mesmo o nome daquele goleiro? Sim, Taffarel. Posso até escalar o time todo, com mais calma. Já a seleção de 1982, essa eu tenho na ponta da língua. Assim como a de 1970.

Foi o Brasil de 1982. Um time que não ganhou a Copa, mas conquistou o mundo. Desde a excursão em 1981, quando a Seleção venceu Inglaterra, França e Alemanha, lá na Europa. Jogando o fino. Até mais do que apresentou na Espanha, um ano depois.

Para a segunda partida, em Sevilla, Telê já tinha Toninho Cerezo para escalar no meio-campo. Dirceu pouco jogara contra a URSS, torto pela direita. Paulo Isidoro entrara muito bem, na segunda etapa. Mas não havia como não jogar com o volante atleticano. Muito menos sacar Falcão, Sócrates e Zico. Éder jogara muito na estreia, pela esquerda. Serginho, nem tanto. Sacar o centroavante do São Paulo e adiantar Sócrates era um jeito de manter Paulo Isidoro quase como um ponta, com Éder do outro lado. Mas Telê queria uma referência na área. E um rodízio entre Sócrates, Zico, Falcão e Cerezo pelo lado direito.

Mais dessa história gloriosa você pode ler no livro de MILTON LEITE, “AS MELHORES SELEÇÕES BRASILEIRAS DE TODOS OS TEMPOS” (Editora Contexto), que será lançado em 16 de março, terça-feira, a partir das 18h30, na Saraiva do Shopping Eldorado, em São Paulo. Lá também estarei, autografando meu novo livro, primo daquele, chamado “As Melhores Seleções Estrangeiras de Todos os Tempos”.


Lançamento em 16 de março, na Saraiva do Shopping Eldorado, em São Paulo


No blag, na sessão HISTÓRIA EM JOGO, vamos contar o que vi então, e o que estou revendo agora, com a inestimável ajuda de Gustavo Roman (www.futebolpitacos.blogspot.com), que disponibilizou as imagens, e de André Rocha (http://blogs.abril.com.br/futebolearte), que inspirou a série.

PARA VER MELHORES MOMENTOS, com Luciano do Valle, pela Globo –

http://www.youtube.com/watch?v=bOpo6O1UT6M

ONDE? QUANDO? QUANTOS? POR QUÊ? – Estádio Ramón Sánchez Pizjuán, Sevilla. 18 de junho de 1982. 21h15 locais. 32º. Segundo jogo do Brasil na Copa-82. Grupo 6. 47.379 presentes.

PLACAR VIRTUAL 1o. TEMPO – BRASIL 3 X 1 ESCÓCIA

PLACAR VIRTUAL 2o. TEMPO – BRASIL 7 X 1 ESCÓCIA

PLACAR VIRTUAL FINAL – BRASIL 10 x 2 ESCÓCIA

BRASIL

4-1-4-1

4-2-3-1

Telê Santana

Valdir Peres-1

Oscar-3

Luisinho-4

Leandro-2

Júnior-6

Cerezo-5

Falcão-15

Zico-10

Sócrates-8

Éder-11

Serginho-9

ESCÓCIA

4-4-2

Jock Stein

Rough-1

Narey-14

Miller-6

Hansen-5

Gray-3

Wark-10

Strachan-7

Souness-4

Hartford-16

Archibald-18

Robertson-11

COMEÇOU – Brasil ataca à esquerda do televisor. E já começa cavando escanteio com Éder. Júnior vai bater fechado, pela esquerda, com Zico na primeira trave, Chulapa na segunda. Mas o lateral do Flamengo não consegue bater rapidamente porque, mais uma vez, os fotógrafos estão quase em cima da linha de fundo…


O time do Brasil em Sevilla: na formação clássica de foto, Sócrates era o ponta-direita. Não foi.

2min – O primeiro drible muito bonito, rente à lateral, é de Wark. A Escócia sabia jogar. E o Brasil estava tentando aprender a marcar. De início, Zico ocupava mais o lado direito, aberto, com Sócrates um pouco mais atrás, por dentro.

3min – Cerezo chega pela meia direita e bate forte, à direita de Rough. Belo lance com Chulapa, com Falcão se oferecendo para o jogo. Teoricamente, os dois volantes apareceram na área como atacantes. Na prática, o Brasil começa num 4-1-4-1: Cerezo é o volante, Falcão se junta por dentro à armação. O problema é que Zico começa muito aberto à direita, distante da meta rival.

4min – O ótimo Souness dá o troco, mandando à direita de Valdir. Chegou fácil, e por dentro, sem marcação.

7min – Impressiona a movimentação brasileira. Zico sai da direita e articula por dentro, com Cerezo passando. Éder recua e é seguido pelo lateral Narey. A Escócia também quer jogo, e o ótimo meia Strachan causa problemas.

8min – Cerezo isola a bola. Mas é muito boa a dinâmica brasileira. Zico fechou por dentro, Sócrates abriu pela ponta, fazendo parceria com Leandro. Do meio para frente, e com a chegada constante dos laterais Leandro e Júnior, é um time que se assemelha ao holandês, de 1974. Mérito também da exaustiva preparação física, a cargo de Gilberto Tim.

11min – Éder bate a falta da meia esquerda. Bem de longe. Mas ela passa perto ao travessão escocês. Rivais sentem a pressão brasileira.

13min – Cerezo arranca por dentro, tabelando com Zico. O volante do Galo dá grande velocidade ao time. Sobretudo quando o Galinho deixa o lado direito e roda mais o campo. Melhor seria abrir o Sócrates por ali, em vez de prender tanto Zico. Leandro e o Doutor parecem melhor ambientados. E o poder de fogo do Galinho precisa ser melhor explorado, próximo ao gol, não à linha lateral.

13min – Sócrates aparece sozinho, no segundo pau, e cabeceia na rede lateral escocesa, falta magistralmente cobrada por Zico. PLACAR VIRTUAL – BRASIL 1 X 0.

14min – Rough se antecipa a Falcão e evita o primeiro gol, depois de lindo lançamento de Zico. De novo, o Brasil criou mais com o craque flamenguista por dentro. E só não consegue mais porque Júnior também é seguido pelo ótimo winger-direito Wark. Falcão fica um pouco mais plantado, pela esquerda. Agora, é praticamente um 4-2-3-1.

Valdir Peres-1

Oscar-3

Luisinho-4

Leandro-2

Júnior-6

Cerezo-5

Falcão-15

Zico-10

Sócrates-8

Éder-11

Serginho-9

17min49s – GOOOOOOOL. 1 X 0. ESCÓCIA. NAREY. PÉ DIREITO. MEIA DIREITA. Souness lançou da esquerda para a direita para Wark ajeitar de cabeça para a chegada do lateral. Mesmo acompanhado por Éder, e à frente de Falcão e Luisinho, ele conseguiu esticar a perna e bater no ângulo esquerdo de Valdir. Belo gol. PLACAR VIRTUAL – BRASIL 1 X 1.

19min – Cera dos diabos dos escoceses, já vaiados pelo estádio de Sevilla. Eles conseguem dar uma esfriada trocando bem a bola, seguindo a tradição secular do jogo de passes escocês. Brasil joga como se não tivesse levado o gol. Archibald fica mais isolado. Dá para dizer que Escócia também passa a atuar num 4-2-3-1. Como bem explicado em ESQUEMAS CLÁSSICOS –

http://images.google.com.br/imgres?imgurl=http://1.bp.blogspot.com/_bd9qkB1ubUA/Sm6NLtACb4I/AAAAAAAAAcs/4LwuHeA9YUw/s400/Brasil-Escocia-1982-2.png&imgrefurl=http://esquemasclassicos.blogspot.com/2009/07/esquemas-classicos-brasil-4×1-escocia.html&usg=__ZN0rBVkNKs01VnXb8BqGiTvWDRg=&h=400&w=286&sz=67&hl=pt-BR&start=1&um=1&itbs=1&tbnid=ZWLZ_CV4W-DDBM:&tbnh=124&tbnw=89&prev=/images%3Fq%3Dbrasil%2Besc%25C3%25B3cia%2Bcopa%2B82%26hl%3Dpt-BR%26rlz%3D1T4GFRE_pt-BRBR366%26sa%3DN%26um%3D1

Rough-1

Narey-14

Miller-6

Hansen-5

Gray-3

Strachan-7

Souness-4

Wark-10

Hartford-16

Robertson-11

Archibald-18

24min – Éder cruza (ou teria chutado?) e encobre a meta escocesa. Lance de perigo. Mas é pouco. Brasil começa a errar passes e afunilar demais o jogo. Zico fecha, como deveria, mas ninguém dá opção pelo lado direito. Nem Leandro.

26min – Lindo chapéu de Zico na intermediária inicia grande lance com Leandro e Júnior, desarmado na entrada da área rival. Entrosamento do Flamengo ajuda demais o Brasil. Mas ainda estamos chutando pouco. E Serginho sente ainda mais a boa marcação escocesa.

32min – Arrancou Cerezo por dentro até cavar ótima falta na entrada da área. Para Zico. Para Éder. Para Sócrates. Qualquer um deles.

33min07s – GOOOOOOOOOOL. 1 X 1 BRASIL. ZICO. PÉ DIREITO. QUASE NA MEIA-LUA. GOLAÇO. Zico, com a tradicional qualidade, jogou no ângulo esquerdo de Rough, que só olhou a bola ainda bater na parte interna da trave. Belo e merecido gol brasileiro. PLACAR VIRTUAL – BRASIL 2 X 1


Zico, na TV, celebra o empate. Cortesia de Esquemas Táticos

34min – Serginho cabeceia para fora, à esquerda, depois de precioso passe de Éder, em contragolpe criado pela retomada de bola de Cerezo. O jogo é esse. E o time, também. Ainda falta um rodízio melhor pela direita. Apenas isso. PLACAR VIRTUAL – BRASIL 3 X 1

35min – Outro desarme de Cerezo e uma arrancada sensacional do volante brasileiro. Como seria bom se os volantes de hoje soubessem sair para o jogo como o do Atlético Mineiro… Não é só desarmar. É também jogar com o time.

36min – Escócia ataca. Só Chulapa no campo de ataque. Era um time que sabia se defender. Ou ocupar espaços.

39min – Serginho também se mexe e dá opções. Mas está jogando muito abaixo do normal. Questão técnica.

40min – Valdir se antecipa bem e defende aos pés de Archibald. Pelo lado esquerdo do Brasil, a Escócia tem ganho todas pelo alto.

45min00 – Apita o árbitro. Fim de um primeiro tempo abaixo da excelente média brasileira. Também pelo mérito escocês na marcação. Brasil precisa melhorar o rodízio pela direita e centralizar mais Zico, aproximando-o de Serginho. Ainda assim, a Seleção segue favorita em campo.

RECOMEÇOU –

3min- GOOOOOOOOOL. 2 X 1 BRASIL. OSCAR. CABEÇA. Escanteio da esquerda batido por Júnior e criado em belo lance de Sócrates. Bola no primeiro pau, o zagueiro do São Paulo se antecipa à zaga escocesa e vira o placar, em lance muito ensaiado pelo Brasil. PLACAR VIRTUAL – BRASIL 4 X 1.

5min – Brasil merece a vantagem e busca ampliá-la. Cerezo sai mais, pela direita, e Falcão fica como primeiro volante. Zico inverte mais de posição com Sócrates, que passa a abrir também pela esquerda, como no lance que originou o gol de Oscar.

6min – Torcida canta “Olé, olá, o Brasil tá botando pra quebrar”. Saudade do jogo, desse jogo brasileiro, e até desse canto. Pode me chamar de saudosista.

11min – Sensacional lançamento de Éder para a entrada de Zico, que divide com o goleiro Rough. Bela troca de bola brasileira tira um pouco a Escócia do nosso campo. Serginho recua para armar o time, e, por vezes, deixa o ataque sem ninguém. PLACAR VIRTUAL – BRASIL 5 X 1.

12min – Zico, de canhota, em lance rápido bate rente à trave esquerda. Belo contragolpe brasileiro. PLACAR VIRTUAL – BRASIL 6 X 1.

14min – Zico pega um rebote de uma atarantada zaga escocesa e manda rente à trave direita. Grande jogada de Éder com Cerezo. O entrosamento do Galo ajuda o Brasil. Cheira à goleada. PLACAR VIRTUAL – BRASIL 7 X 1.

15min – Cerezo, pela enésima vez, passa como um trem pela direita e dá opção de jogo ao Brasil. Ele vai ao fundo como ponta e cruza para a zaga escocesa aliviar. Bela troca de bola brasileira. Dribles, toques de primeira, inversão de bola… A Seleção joga o fino. E não para fazer firula. Apenas para fazer gol.

19min – GOOOOOOOOOOOL. 3 X 1 BRASIL. ÉDER. CANHOTA. DENTRO DA ÁREA. GOLAÇO. ASSISTÊNCIA DE SERGINHO. Falcão saiu com a bola sem ser molestado pelos escoceses. Achou Sócrates livre. O Dr. avançou, tocou par Chulapa que deu belo passe à esquerda para Éder. Livre, viu o goleiro escocês saindo, e tocou por cobertura, com imensa categoria. Golaço. PLACAR VIRTUAL – BRASIL 8 X 1.


A celebração de Éder, na imagem da TV Globo, com a assinatura do ponta-esquerda.

20min – MUDA ESCÓCIA – DALGLISH-8 X Strachan-7. Entra, enfim, um dos maiores jogadores da história do futebol escocês, o meia-atacante do Liverpool, inexplicavelmente na reserva. Dalglish encosta mais em Archibald.

21min – Um show. Leandro e Júnior fintam como querem os rivais e a equipe só toca de primeira.

22min – Telê chama a atenção do time que exagera na saída de bola na entrada da área, arriscando desnecessariamente alguns lances. Se eles tivessem ouvido…

23min – MUDA ESCÓCIA – McLEISH-13 X Hartford-16. Entra para dar um pouco mais de agressividade.

27min – Linda jogada do ótimo Robertson, que passa por dois e arrisca de longe, raspando o travessão. PLACAR VIRTUAL – BRASIL 8 X 2

29min – Serginho cabeceia torto para fora. Seleção tira o pé do acelerador. Mas ainda se mexe bem, fazendo melhor o rodízio pela direita.

30min – Éder, em vez de cruzar da ponta, bate direto. Luisinho, como se fosse um centroavante, chega um tanto tarde. PLACAR VIRTUAL – BRASIL 9 X 2

32min – O chapéu de Falcão em Dalglish… Não há dúvida. Paulo Roberto Falcão é um dos 11 jogadores mais elegantes da história do futebol mundial.


Falcão mata no peito depois de chapelar o melhor jogador da Escócia desde 1960

34min – Falcão vai até a linha de fundo, desarma sem fazer força um rival, finta o outro, e é aplaudido. Não só está jogando muito o Brasil. Não está deixando jogar a cansada Escócia.

35min – MUDA BRASIL. PAULO ISIDORO-7 X Serginho. O meia gremista vai atuar aberto pela direita. Sócrates vira o atacante isolado do 4-2-3-1 brasileiro. Zico faz a de Sócrates.

Valdir Peres-1

Oscar-3

Luisinho-4

Leandro-2

Júnior-6

Cerezo-5

Falcão-15

P.Isidoro-7

Zico-10

Éder-11

Sócrates-8

38min – Pela trilionésima vez, Oscar ganha um lance de cabeça na área. Já foi assim em 1978, na Argentina.

41min – GOOOOOOOOOOOL. 4 X 1 BRASIL. FALCÃO. MEIA DIREITA. PÉ DIREITO. ASSISTÊNCIA DE SÓCRATES. GOLAÇO. Linda trama brasileira. Éder para Xerezo, que tocou a Sócrates, que rolou atrás para o inesgotável Rei de Roma, que bateu de primeira a bola que bateu na trave direita e entrou. Belo gol. PLACAR VIRTUAL – BRASIL 10 X 2

44min59s – APITA O ÁRBITRO. Se não foi bom o primeiro tempo brasileiro, abaixo da excelente média da equipe, o segundo fez jus à fama que até hoje perdura. Um concerto de bola.

Nota partida – 7

Nota Brasil – 8

Escócia – 5

Nota partida – 7

Nota Brasil – 8

Escócia – 5

NOTAS

BRASIL

[1] Valdir Peres – Nada poderia fazer no gol. Atuação tranqüila [nota 6]

[2] Leandro – Desarmes com técnica excedente, apoiou menos que o usual. Mais seguro defensivamente, menos notável [7]

[3] Oscar – Além do gol, notável no jogo aéreo e nas antecipações, com posicionamento e velocidade [8]

[4] Luisinho – Mais técnico que Oscar, mas menos eficiente. Liberado por Telê, avançou bem [6]

[6] Júnior – Menos ofensivo que contra a URSS, ainda assim técnico e vistoso. Uma ala poderosa com Éder [7]

[5]Toninho Cerezo – Mais atrás no primeiro tempo, mais ofensivo no segundo, vibrante, inesgotável e brilhante [9]

[15] Falcão – Mais solto no primeiro tempo, mais preso no segundo, elegante, inesgotável e brilhante. O melhor [9]

[10] Zico – Sacrificado taticamente no 4-2-3-1 de Telê, ficou muito distante da meta no 1o. tempo, aberto à direita. Melhorou no segundo. Mas ainda abaixo do que pode [7]

[8] Sócrates – Mais solto por dentro que na estreia, caiu bem pelos lados, e conduziu a equipe com inteligência [7]

[9] Serginho – Luta, sai da área, tenta abrir espaço, finaliza. Mas está mal tecnicamente. Destoa da equipe [5]

[Paulo Isidoro-7 – Entrou e deu mais gás ao time [6]

[11] Éder – Armou, cruzou, passou, driblou, marcou, assumiu a criação, pediu a bola. Fez de tudo, e um gol magnífico [9]

TELÊ SANTANA – Acertou ao escalar Cerezo. Poderia ter adiantado Sócrates e aberto Paulo Isidoro. E não foi feliz ao deixar Zico muito preso à direita. Ainda assim, tudo que professava naquele time estava em campo. E brilhando [8]

ESCÓCIA

[1] Alan ROUGH – Partick Thistle, 30 anos – Atrapalhado. Meio louco. Mas nada poderia fazer [5]

[14] David NAREY – Dundee, 26 – Um belo gol. Mas foi duuuuuro marcar Éder [6]

[6] Willie MILLER – Aberdeen, 27 – Bom duelo com Serginho. Mas perdeu [5]

[5] Alan HANSEN – Liverpool-ING, 27 – No mesmo nível do companheiro de zaga [5]

[3] Frank GRAY – Leeds-ING, 27 – Melhor quando apoiou que quando marcou [6]

[10] John WARK – Ipswich-ING, 24 – Muito bom jogador, melhor quando pela direita [6]

[7] Gordon STRACHAN – Aberdeen, 25 – Ótimo armador, cansou no fim [6]

[8] Kenny Dalglish – Liverpool, xx – Entrou tarde. E mal. Sem nota

[4] Graeme SOUNESS – Liverpool-ING, 29 – Bom organizador de jogo, foi engolido pelo Brasil [5]

[16] Asa HARTFORD – Manchester City-ING, 31 – Ajudou atrás, mas não à frente [5]

[13] McLeish – Sem tempo. Sem nota.

[11] John ROBERTSON – Nottingham F.-ING, 29 – Ponta abusado, foi o mais perigoso escocês [6]

[18] Steve ARCHIBALD – Tottenham-ING, 25 – Isolado e apagado [4]

Árbitro – Luís Paulino Siles (Costa Rica) – [5] Jogo não foi difícil de ser apitado. Mas ele não se impôs disciplinarmente