Cruzeiro goleia o Potosí

por Mauro Beting em 03.fev.2010 às 10:51h

* Re-Hamebus Kléber na Toca da Raposa. O Cruzeiro pode atacar com o Gladiador, e com Pedro Ken e Bernardo armando por dentro, Jonathan e Diego Renan apoiando pelos lados. É time para ganhar sem problemas da fraca equipe boliviana, que reclama do calor de BH como a Raposa chiou da altitude andina.

Faz sentido. E pode prejudicar ainda mais o time que já prejudicado pela natureza técnica de sua equipe. Muito inferior ao Cruzeiro que só pode lamentar os dois jogos a mais em calendário tão atribulado como o de 2010.

* “Fácil fica depois do jogo”. Pedro Ken, não sem razão. O torcedor celeste precisa ter paciência para facilitar o trabalho do time de Adilson.

* O carinho da torcida organizada azul facilita demais o retorno sem ida de Kléber. Ótima notícia para a china.

Tags:

  • Gleyton

    Não tenho dúvida de que o Cruzeiro passará hoje. Na fase de grupos, ao lado de Velez e Colo Colo, aí sim a Libertadores começará de verdade para a China Azul.

  • Luiz

    Mauro, acho que uma goleada contra um adversário tão fraco poderá ser até ruim para o Cruzeiro, pois apesar do time do Cruzeiro ser bom, o elenco é muito fraco, e o Perrela está demorando demais a contratar (ainda contrata o Roger para depois de Maio), se sair uma goleada pode parecer que o time está preparado para uma Libertadores, mas não está.

  • Marco

    Isso mesmo 5×0 pra nós.

  • Joao Henrique

    Mauro, vc acredita que esse time do Cruzeiro baterá de frente com os outros brasileiros na libertadores, na vinda de Roger e mais um reforço ainda?
    Grato

  • Alexandre

    PAC DO MORUMBI :

    http://contasabertas.uol.com.br/WebSite/Noticias/DetalheNoticias.aspx?Id=17

    Copa: obras em estádios e de mobilidade urbana custarão R$ 17,2 bi

    Vinte dias depois de ter firmado a matriz de responsabilidade com as cidades-sede da Copa do Mundo de 2014, o governo federal divulga, enfim, os documentos com valores e quem conduzirá as obras, que consumirão um total de R$ 17,2 bilhões apenas nos projetos de “mobilidade urbana e estádios”. Também estão previstos a data inicial e o prazo de conclusão dos empreendimentos, conforme antecipou ontem o Blog do Cruz, no UOL.

    Os dados são do Ministério do Esporte e, apesar de o órgão citar que os recursos destinam-se também a obras em aeroportos, hotelaria e portos, os documentos consolidados pelo Contas Abertas revelam que a matriz se refere, exclusivamente, à mobilidade urbana e estádios, a cargo dos estados, municípios e clubes de futebol. Por mobilidade urbana entenda-se a construção ou melhorias de vias de transportes públicos.

    Os documentos disponíveis para consulta no portal do Ministério do Esporte são assinados pelo ministro da pasta, Orlando Silva, pelo ministro das Cidades, Márcio Fortes, e por 11 prefeitos e 12 governadores. Neles, governos estaduais, municipais e federal – por meio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e Caixa Econômica Federal (CEF) – firmam os compromissos para a realização do evento. Os envolvidos são responsáveis por executar os 60 projetos distribuídos em todo o país

    . R$ 240 milhões para reformar Morumbi

    São Paulo será o estado com maior montante a ser aplicado: R$ 3,4 bilhões. Apenas as obras do monotrilho “Linha Ouro”, pagas com recursos dos governos estadual e municipal, além de financiamento da CEF, custarão quase R$ 2,9 bilhões. A reforma do Morumbi, que será realizada com recursos do São Paulo Futebol Clube, está orçada em R$ 240 milhões.

    O Rio de Janeiro é o segundo na lista dos que mais terão verba para receber os jogos da Copa: R$ 2,2 bilhões. São apenas dois projetos na cidade, que também irá sediar os Jogos Olímpicos de 2016. A reforma do Maracanã (R$ 600 milhões) e obras do “corredor T5” (R$ 1,6 bilhão), que ligará o aeroporto internacional à Barra da Tijuca, passando pela Penha.

    Porto Alegre é a cidade que menos precisará desembolsar para sediar a Copa. De acordo com a matriz de responsabilidades, a capital gaúcha necessita de R$ 524,7 milhões para a execução de sete projetos. Também entre os menos necessitados está Curitiba, no Paraná, onde deverão ser investidos R$ 630,6 milhões até, no máximo, junho de 2014. Ao todo, serão dez projetos na capital paranaense.

    O maior aporte financiador, segundo levantamento produzido pelo Contas Abertas, sairá da Caixa, responsável por R$ 6,4 bilhões, ou 37%, dos R$ 17,2 bilhões listados na matriz de responsabilidades. Em seguida, aparece o BNDES, que financiará mais R$ 4,9 bilhões. Juntos, os gigantes financeiros abarcarão 66% de todo o investimento previsto de mobilidade urbana e estádios para a Copa de 2014.

    O restante ficará por conta dos governos estaduais e municipais (R$ 5,1 bilhões), governo do Distrito Federal (R$ 348,3 milhões), além dos clubes de futebol Atlético Paranaense, Inter e São Paulo (R$ 333 milhões). No total, R$ 5,3 bilhões serão destinados exclusivamente a reformas, ampliações e construção de estádios.

    . Orçamento

    Também não estão contabilizadas nos documentos divulgados pelo Ministério do Esporte eventuais obras de mobilidade urbana diretamente ligadas à Copa existentes no Orçamento Geral da União. Apesar da promessa por parte do governo, ainda faltam indicações específicas nas rubricas orçamentárias se o empreendimento faz parte ou não do projeto do evento.

    Leandro Kleber e Milton Júnior

    Do Contas Abertas

    03/02/2010