logo lance
undo
Nacionais
Internacionais

BlogsL!

Colunistas

2 Pontos

por Rodrigo Borges e Fabio Chiorino

Blog da L!TV

Vídeos

Blog do Baldini

por Wilson Baldini

Blog do Bechler

por Marcelo Bechler

Blog do Kfouri

por André Kfouri

Blog do Garone

por André Schmidt

Blog do Gui Gomes

por Guilherme Gomes

Blog do Guilherme de Paula

por Guilherme de Paula

Blog do Janca

por João Carlos Assumpção

Blog do Mansell

por Eduardo Mansell

Blog do Marra

por Mário Marra

Blog do Salata

por Thiago Salata

Blog do Tironi

por Eduardo Tironi

Bulla na Rede

por Rafael Bullara

Crônicas do Morumbi

por Ricardo Flaitt

De Prima

por Fábio Suzuki e Igor Siqueira

Em Cima do Lance

por Bernardo Cruz e Igor Siqueira

Fora de Campo

O dia-a-dia dos atletas

Futebol & Ficção

por Valdomiro Neto

Futebol na Terrinha

por Thiago Correia

Gol de Canela FC

por Jonathan Oliveira

Humor Esportivo

Trollagem e zoação

Laguna Olímpico

por Marcelo Laguna

Lance! Livre

por Lucas Pastore

Made in USA

por Thiago Perdigão

Marketing & Economia da Bola

por Amir Somoggi

Números da Bola

por André Schmidt

O Mundo é Uma Bola

por Leonardo Pereira e Luiza Sá

Papo com Boleiro

por Luiz Otávio Abrantes

Planeta Fut

por Luiz Augusto Veloso

Press Start

por Lazlo Dalfovo, Pedro Scapin e Thiago Bicego

Quem Não Sonhou?

por Gabriel Carneiro

Saque

por Daniel Bortoletto

Segunda Pele

por Leonardo Martins, Rafael Bullara e Vinícius Perazzini

Super-Raio X

por Alexandre Guariglia

Tênis

por Fabrizio Gallas

Clubes

Doentes

Bom filho à casa entorna? | Blog Mauro Beting
logo lance
undo
Nacionais
Internacionais

BlogsL!

Colunistas

2 Pontos

por Rodrigo Borges e Fabio Chiorino

Blog da L!TV

Vídeos

Blog do Baldini

por Wilson Baldini

Blog do Bechler

por Marcelo Bechler

Blog do Kfouri

por André Kfouri

Blog do Garone

por André Schmidt

Blog do Gui Gomes

por Guilherme Gomes

Blog do Guilherme de Paula

por Guilherme de Paula

Blog do Janca

por João Carlos Assumpção

Blog do Mansell

por Eduardo Mansell

Blog do Marra

por Mário Marra

Blog do Salata

por Thiago Salata

Blog do Tironi

por Eduardo Tironi

Bulla na Rede

por Rafael Bullara

Crônicas do Morumbi

por Ricardo Flaitt

De Prima

por Fábio Suzuki e Igor Siqueira

Em Cima do Lance

por Bernardo Cruz e Igor Siqueira

Fora de Campo

O dia-a-dia dos atletas

Futebol & Ficção

por Valdomiro Neto

Futebol na Terrinha

por Thiago Correia

Gol de Canela FC

por Jonathan Oliveira

Humor Esportivo

Trollagem e zoação

Laguna Olímpico

por Marcelo Laguna

Lance! Livre

por Lucas Pastore

Made in USA

por Thiago Perdigão

Marketing & Economia da Bola

por Amir Somoggi

Números da Bola

por André Schmidt

O Mundo é Uma Bola

por Leonardo Pereira e Luiza Sá

Papo com Boleiro

por Luiz Otávio Abrantes

Planeta Fut

por Luiz Augusto Veloso

Press Start

por Lazlo Dalfovo, Pedro Scapin e Thiago Bicego

Quem Não Sonhou?

por Gabriel Carneiro

Saque

por Daniel Bortoletto

Segunda Pele

por Leonardo Martins, Rafael Bullara e Vinícius Perazzini

Super-Raio X

por Alexandre Guariglia

Tênis

por Fabrizio Gallas

Clubes

Doentes


Bom filho à casa entorna?

por Mauro Beting em 26.jan.2010 às 13:36h

Maravilhoso para nossos olhos o retorno de Robinho. Excelente para Dunga. Ótimo para ele. Muito bom para o clube brasileiro que o contratar. Ruim para os brasileiros pelo mundo e com o desejo de conquistá-lo. É cedo o retorno de quem ainda não foi o que pode ser. Porque ele não quis ser.

Robinho é diferenciado. Não é desses que batem e voltam. Mas poderia ter batido menos e voltado ainda menos. Poderia ter feito menos força para deixar o Santos. Poderia ter forçado menos a saída do Real Madrid. Poderia ter conduzido melhor a situação no Manchester City. Enfim, poderia ter feito diferente. Muita coisa parecida com Tévez, o argentino mais brasileiro, que largou Boca, Corinthians, West Ham e Manchester United com a mesma facilidade com que as torcidas por ele se apaixonam.

Não é demérito só de nossos craques e bagres o pouco comprometimento com compromissos. É cada vez maior a tendência. Contratos estão sendo feitos para serem rompidos mais que cumpridos. As cláusulas de rescisão passarão a ser os primeiros artigos dos documentos e (dis)tratos.

Não sou um que pode falar de cumprir contratos até o fim. Já mudei bastante de empresas e empregadores. Mas, a eles, jurei lealdade profissional. Não cardíaca. Vesti a camisa do trabalho, não do emprego. Não prometi o que sabia que não entregaria. Não joguei para a galera. Não joguei com a torcida.

Fiz o quer deveria, dentro de meus limites. Algo que, alguns, de tanto lutarem em campo pela superação, parecem achar que não existem limites no mundo real.

UM TANTO DIFERENTE PENSA UM CARO COLEGA…

Quando só o talento não basta

ESCREVE WAGNER SARMENTO

Quando a cabeça não pensa, a carreira padece.


Robinho tinha tudo pra ser um dos maiores jogadores de seu tempo. Tem futebol pra bater de frente com Messi e Cristiano Ronaldo. O problema é que, enquanto o argentino sempre deu aula de caráter e o português sempre se mostrou um profissional fora de série que treina à exaustão, o brasileiro tem feito de tudo pra jogar a carreira no lixo e desperdiçar um raro potencial.E, ao que parece, Robinho tanto fez que conseguiu. Do Real Madrid, maior clube do mundo, a uma frustrante volta ao futebol brasileiro. No time da capital espanhola, onde envergou a camisa 10 e foi titular absoluto no bicampeonato nacional, o atacante já não teve o desempenho esperado, muito por seu temperamento e personalidade, traços de caráter que se revelam em campo. Não raro ele se omite, se esconde, se preguiça.

Arrogante, displicente, incontido, inconformado e deslumbrado, usou a infelicidade como desculpa e se transferiu para o Man City. Depois de uma boa temporada, quando fez 14 gols e brigou pela artilharia da Premier, Robinho novamente se acomodou. E o futebol de hoje não permite esse tipo de comportamento. O talento, só, é incapaz de sobrepujar o profissionalismo. Robinho é um talento sem rumo. O descaminho, chamado novamente de infelicidade, o traz de volta ao Brasil.

Esse retorno não é o fundo do poço, mas é quase. É uma renúncia à carreira, aos grandes desafios. É o auge da acomodação de um jogador que, se tivesse afã e direcionamento, estaria decerto entre os maiores. Mais que recomeço, a iminente volta ao Santos é a continuação de uma linha descendente na carreira.

Aliás, foi a personalidade de Robinho que atrapalhou, e muito, sua ida para o Barcelona. O que esse Barça menos precisa, hoje, é de um jogador com esse perfil. Não foi falta de futebol. No caso de Robinho, o problema nunca será esse.

A única coisa que pode recuperar a carreira de Robinho é a seleção brasileira. É com a amarelinha que ele brilha, se realiza. É no time de Dunga que Robinho chega mais perto de ser o que esperamos e o que ele pode ser. E ele já não é mais o moleque da Vila. Tem 26 anos e, na metade da carreira, chega a um ponto crítico, ingressa cedo na pátria dos renegados. A Copa do Mundo pode ser a última grande chance de um menino que teve todas as chances do mundo pra estar no topo e que, até então, jogou tudo pro alto por pura fraqueza.

ESCREVEU WAGNER SARMENTO

Tags:

  • Paula

    Nossa! Não vou dizer que o Wagner Sarmento está errado mas penso bem diferente dele com relação ao futebol do Robinho. Nem de longe chega perto de Messi e Ronaldo. Não tem potencial para ser melhor do mundo e a galera tem q parar de falar isso que ele acredita! E se ele mostra tudo isso na Seleção então não tem discussão, não fica nem entre os 10 do mundo. Robinho na seleção é muito ruim! Ou melhor ESTÁ a bastante tempo, muito ruim. As vezes ele acerta, mas prefiro um pior q ele que acerte mais.

  • http://www.jogoseternos.blogspot.com/ Rafael Silveira

    Olá Mauro, a volta de Robinho só poderá ser benéfica para ele mesmo, já que para o São Paulo e para o Santos não será o mesmo. Para o tricolor, apesar das boas vindas declaradas pelo elenco, ele iria mais destruir do que construir, o SPFC tá com um elenco bem formado e realmente precisa de um atacante, mas não de um “bad-boy” ou algo parecido… Esse atacante que o tricolor precisa deve ter a agilidade do Robinho, os dribles de Robinho, mas NÂO A CABEÇA de ROBINHO.
    Já o peixe que aparenta um time modesto realmente deve ser o destino do jogador, tem fama e reciprocidade na casa, porém, o presidente do clube e o técnico Dorival precisam ser umas super babás para cuidar daquele que pelo jeito ainda se vê como uma Revelação….
    Talvez fôsse melhor ele desembarcar no Rio de Janeiro, lá ele vai fazer 15 gols por jogo, e é claro, está mais perto da CBF…. e assim terá vaga garantida na Copa de 2010, seu real interesse…
    Abraço

  • Castro

    Seria ótimo a volta do Robinho´para o futebol Brasileiro !!! Sugiro a Diretoria do Mengão , que tente a contratação do Ronaldinho Gaúcho…Imagine Adriano -Vagner Love – Ronaldinho Gaucho !!!

  • Fabio de Castro

    Fui pesquisar… o tal de Sarmento é um MOLEQUE de Pernambuco que torce para o Sport, para o Corinthians e para o São Paulo (pois é…) e pensa que é escritor (!!). Vá saber por que se mete a dar pitaco sobre futebol… É simplesmente DESQUALIFICADO para a função. Destila IGNORÂNCIA por todos os poros. Boçal.

  • Carlos Eduardo

    Esse pedaleiro é o jogador mais mal carater dos ultimos tempos…

    Era oqeu faltava o Dunda deixar de convocar o Ronaldinho pra levar esse saco de bosta pra copa… era só oque faltava…

  • Carlos Eduardo

    Castro, desculpa a sinceridade.

    Mas o flamengo deve mais de 500 Milhoes e atrasa todo ano o salarios dos jogadores.. ou seja, é disparado o time mais falido do Brasil…

    tu acha mesmo que o Ronaldinho Gaucho viria jogar num time desses??

  • Carlos Eduardo

    AUGE DA CARREIRA é a reserva do Manchester City????? aí eu larguei de mão…..

  • Douglas

    Mauro,

    Comparar as passagens do Robinho com a de Tevez não faz sentido. Tevez cumpriu seu ciclo no Corinthians e não forçou a saída, era inevitável pela trincada negociação anterior. No West Ham ele salvou o time do rebaixamento (sim, sem ele o West Ham caíria) e foi inevitável a saída dele novamente…. aposto que os torcedores do West Ham torcem por ele até hoje e entenderam que ele era maior do que o time. No Manchester United mesmo sempre atuando bem (ao contrário de Robinho no City), o técnico pouco aproveitava ele e mesmo sendo brilhante preferia ter o Berbatov (por ter características parecidas com de Nylsteroy acredito eu) ao Tevez. Abre aspas: Quando se tem 3 atacantes do naipe de Crisitano Ronaldo, Rooney e Tevez.. .velozes, dribladores, com visão de jogo, que se doam e ainda sabem fazer gol… não sei se precisaria de um matador… esses 3 introsados seria o ataque quase perfeito.. teve a chanve de provar a teoria q dá pra jogar sem o matador. Fecha Aspas. O técnico do United disse q não tinha planos pra Tevez, e jogando o que ele estava jogando, a melhor coisa era sair… e está lá agora, brilhando no City. Sinceramente, esse jogador deixou saudade por onde passou, sempre foi muito bem…e espero que um dia seja escolhido ainda o melhor do mundo. Juro que acho ele tão útil (não tão brilhante) para o time quanto o Messi. Dito isso, peço que não compare o comportamento de Robinho com Tevez… Robinho tem talento mas não virou homem ainda.

    DOUGLAS, embora discorde da conclusão, você defendeu MUITÍSSIMO BEM o seu ponto de vista. Parabéns.

  • Maurício

    Não há comparação das saídas de Tevez pelos seus times com as saídas de Robinho com mimo hahaha
    É uma pena, Robinho não precisava jurar lealdade cardíaca ao Santos, mas forçou faltando aos treinos. Ok é o real Madrid, da pra entender.

    No Real, n aceitou ser “moeda” na troca do CR. Uma pena, ele tem o direito de não querer, só não aceitou o fato de ser “usado” dessa forma. Pobre menino.

    Faz força pra sair do Real Madrid para ir para o Man City e… hoje ja pede pra voltar de novo…

    Voltará e terá um grande caráter, como o do imperador

  • Pingback: Aprende, Robinho! « Opiniões em Campo()