8 ou 80 – 1o a 8 de outubro de 2001

por Mauro Beting em 08.out.2009 às 18:51h

O blag faz uma sessão de regressão. Volta oito anos aos meus textos publicados à época nos veículos onde trabalhava.

Em outubro de 2001, escrevia uma coluna diária no “Agora São Paulo” e uma coluna semanal no portal PSN.com. Também era comentarista da Band nos jogos da Seleção Brasileira e da Copa Mercosul.

Notas que contam um pouco da bola que rolava então, com palpites e pitacos de época. Com todos os erros e raros acertos deste que vos tecla.

Por que oito anos? No futebol, é o tempo exato entre duas Copas do Mundo. Tempo mais que suficiente para tentarmos entender onde erramos.

4 de outubro de 2001

Todas as cores do mundo na França

Trésor era o nome dele. Jeitão de Luís Pereira, meio torto, mas muito certo do ofício de zagueiro. Ao lado dele tinha Janvion, lateral-direito com a cara do Toninho Baiano, do Flamengo e da seleção. Eram os negros da França de 1977, que veio ao Maracanã empatar com o Brasil de Coutinho por 2 a 2, com o gol de empate do becão Trésor.

Foi o primeiro time francês que vi jogar. Foi a primeira equipe européia que vi atuar com jogadores negros. Antes dela teve Portugal com Eusébio de Moçambique, mas eu não havia nascido. Teve a Inglaterra, nesse mesmo 1977, com o lateral Viv Anderson. Teve a Holanda com o ponta Tahamata, de uma de suas “ilhas ocidentais”, a partir de 79. Mas, como a França, só ela.

Agora, no sub-17, contra os favoritos Nigéria e Brasil, os infantes da França conquistaram o mundo. Um time de argelinos árabes como Meghni (o melhor de todos, fã e clone de Zidane); negros das ex-colônias africanas (o líbero Faty e o artilheiro Pongolle, recordista de gols num Mundial, nascido numa ilhota a 800 quilômetros de Madagascar); negros do Caribe; brancos do leite da Provence (o atacante Le Tallec), morenos de todos os cantos da França. Um time multirracial. Uma equipe especial. Como um Brasil que – quando quer – pode escalar bisnetos de alemães no gol, de italianos na zaga, de portugueses nas laterais, de europeus no meio-campo, de africanos na criação, de índios nas pontas, de brasileiros no comando de tudo.

A França tem sido o que o Brasil foi não só pela organização da escola de Clairefontaine, centro de estudos e de prática de futebol. Também pela miscigenação racial que preenche os vários requisitos de um time de futebol, que precisa de todo tipo de técnica, de físico, de cor.

notas

5 de outubro de 2001

Animal irracional

Quando você contrata o Edmundo, você compra todo tipo de problema, e quase todas as soluções. O Cruzeiro sabia disso. Zezé Perrela, não.

Mas você não pode levar a sério tudo o que diz Edmundo. Nem pode demitir qualquer profissional por um pênalti perdido, sobretudo por um que sempre bateu mal essas cobranças.

Edmundo bate bola tanto quanto bate pino. É “louco” pra dizer o que disse sobre o Vasco na véspera de jogo decisivo contra o Cruzeiro dele. Mas não é insano de cantar a Hélton o canto do pênalti mal batido contra o Vasco do coração, que acabou levando a ser demitido pelo Cruzeiro que o pagava.

O candidato ao Senado Zezé Perrela já mandou dois técnicos embora no BR-01, e havia avisado que faria buraco negro das estrelas. Aproveitou a deixa e fez demagogia ao demitir Edmundo.

O Animal não deveria dizer o que disse, nem poderia ter batido o pênalti que atrasou. Mas pode menos ainda alguém demitir um jogador por tão pouco. Nem na várzea. Mais errado que certo, ao menos Edmundo é um que fala o que pensa, até quando deveria ficar calado. Melhor que muito craque pago com nota de três dólares.

8 de outubro de 2001

NOTA DO REDATOR-2009 – Brasil vence o Chile em Curitiba por 2 a 0 e segue com chances de se classificar para a Copa-02

Quase que tudo acabou como Cabul

Além de um tomahawk de Roberto Carlos, o goleiro do Chile só foi pegar na bola aos 23 minutos. Não com uma conclusão do inerme ataque brasileiro, mas depois de um chutão desorientado de Lúcio. Isso foi o primeiro tempo do Brasil contra o lanterna sul-americano (acredite, abaixo da Venezuela!): um bando chileno que dava chutão para um ataque sem centroavante; um meio-campo desgovernado por volantes desorientados, que não acertavam os passos e passes; uma “estratégia” de jogo baseada em lançamentos errados e chuveirinhos para um ataque sem comando, e para baixinhos mais frágeis de cabeça que a armação brasileira.

Uma seleção pobre de idéias e ideais, frágil de estratégia, bruta na tática acanhada de três zagueiros e dois volantes desgovernados, previsível na prática e na teoria. O que é pior: um time composto e escalado por quase todos os nossos melhores nomes. Tirando um ou outro zagueiro, um e outro atacante, esse é o time que temos. O time que tememos. E mais ninguém treme.

E só poderia o gol sair depois de um “lançamento” de Marcos. Um chutão do goleiro que Villaseca cabeceou para trás, Edílson ganhou da zaga e marcou um belo gol que caiu do céu, onde um torcedor ilustre ainda gosta da gente. Pena que a gente não esteja dando motivos para outros torcedores, para a bola, para o futebol gostar de nosso jogo. Mesmo depois do gol, rateamos em campo, recuamos, demos bola, espaço e tempo ao paupérrimo time chileno. Um adversário à nossa baixura.

Mas veio uma centelha com Cafu, que na raça cruzou, e na raça Rivaldo marcou. O placar ideal para um time longe dele, mesmo com a entrada de Denílson, um reserva de Felipão, uma reserva do que resta de Brasil na seleção brasileira.

Tags:

  • http://rivaisdorio.wordpress.com Bruno Guedes

    Caro Mauro, perdão por transgredir o post do blog, mas, gostaria de pedir uma ajuda sua.
    Sou estudante de Comunicação da Universidade Federal de Juiz de Fora e estou fazendo meu trabalho de conclusão de curso sobre a função do comentarista de futebol.
    Gostaria de saber se você poderia responder um questionário que estou fazendo com vários comentaristas de rádio e TV? Tentei te enviar um email por este endereço disponível no blog, mas, ele volta.

    Aguardo resposta.

    Grande abraço!

  • http://www.eliseogallery.com/Life-Insurance.html paragLett

    life quotes [url=”http://www.eliseogallery.com/Life-Insurance.html”]life quotes[/url] http://www.eliseogallery.com/Life-Insurance.html xiej