Os meus campeões

por Mauro Beting em 25.set.2009 às 19:06h

Não há paixão coletiva mais individual que o futebol. Quase uma orgia onanista. Não é o “nosso time”, é o “meu” time. Celebramos esse ato de amor em conjunto. Mas, no fundo, é a nossa, ops, a minha vitória.

Por isso nos apoderamos do sucesso alheio. “Somos” pentacampeões mundiais. Embora apenas 94 jogadores sejam de fato campeões. E, cada um deles, no fundo, se acha “o” campeão. Mas eles podem. Eles são. E foram tantos. Dos 94 atletas que levantaram os cinco canecos, 16 foram bicampeões. Só Ele, Pelé, é tri. Só “nós”, quer dizer, “eu”, pentacampeões.

Estiveram no Museu do Futebol, no Pacaembu, 28 deles, no lançamento das réplicas das camisas da Athleta tricampeãs mundiais. Cópias perfeitas de campeões inigualáveis. Um paradoxo próprio do futebol. Tive o prazer de ofício de apresentar o evento. De citar nominalmente cada um dos “nossos” campeões. Dos meus campeões. Sem aspas. Porque eles são meus. São seus. E não são apenas “nossos”, dos brasileiros. São campeões mundiais. E do mundo. Eles trouxeram o mundo ao Brasil por cinco vezes. E levam para sempre o Brasil ao mundo que se orgulha de ser vencido por um canarinho.

Nenhum brasileiro fez melhor ao país que cada um dos 94 campeões. E mais ainda fazem aqueles tantos que não foram o que eles foram. Craques e ídolos que não ganharam o mundo, mas conquistaram os corações planetários.

Esses meus campeões vão receber da venda de cada réplica das camisas de 1958, 1962 e 1970 um dinheiro que irá ajudá-los a viver não só das glórias passadas, mas das contas pesadas dos nossos dias. É pouco para o tudo que fizeram.

Devo a eles 19 anos jornalistando atrás da bola. Devo 43 anos de vida ao futebol: meus pais se conheceram numa rádio onde ele trabalhava para ajudar a ganhar o dinheiro que pouco ganhava como repórter esportivo.

Minha vida não é só o futebol. Mas eu devo minha vida a ele. Quase que o futebol me matou do baixo dos meus três ano: meu pai esqueceu que estava no colo dele, quando Jairzinho vazou Banks, e o Brasil ganhou da Inglaterra, em 1970. Fui parar na frente da TV, chorando esbodegado. Vai ver que por isso fui parar dentro da televisão, do jornal, do rádio, da revista e da internet. Fiquei ainda mais pancada. Ainda mais louco por essa loucura.

Que me deixou insano ao poder abraçar 28 dos meus campeões. Só não foram mais porque muitos ainda trabalham pelo mundo da bola. Alguns já não têm a saúde campeã. Treze estão no campo dos sonhos. Mas são todos imortais.

Parabéns, pentacampeões Marcos, Dida e Rogério Ceni; Cafu e Belletti, Roberto Carlos e Júnior; Lúcio, Edmilson, Roque Júnior e Anderson Polga; Gilberto Silva, Kleberson, Vampeta, Juninho Paulista e Ricardinho; Ronaldinho Gaúcho, Rivaldo, Ronaldo, Denilson, Edilson, Luizão e Kaká .

Só pode ser penta quem foi tetracampeão mundial.

Parabéns, Taffarel, Zetti e Gilmar; Jorginho, Cafu, Leonardo e Branco / Aldair, Márcio Santos, Ricardo Rocha e Ronaldão; Mauro Silva, Dunga, Mazinho, Zinho, Raí e Paulo Sérgio; Bebeto, Romário, Muller, Viola e Ronaldo.

Só pode ser tetra quem foi tricampeão mundial.

Parabéns, Félix, Ado e Leão; Carlos Alberto Torres, Zé Maria, Everaldo e Marco Antonio; Brito, Piazza, Baldocchi, Joel Camargo e Fontana; Clodoaldo, Gérson, Rivellino, Jairzinho, Tostão e Pelé; Edu, Paulo César Caju, Roberto e Dario.

Só pode ser tri quem foi bicampeão mundial.

Parabéns Gilmar e Castilho; Djalma Santos, Jair Marinho, Nilton Santos e Altair; Mauro, Zózimo, Bellini e Jurandir; Zito, Zequinha, Didi e Mengálvio; Garrincha, Jair da Costa, Vavá, Coutinho, Pelé, Amarildo, Zagallo e Pepe.

Só pode ser bi quem foi campeão mundial.

Parabéns, Gilmar e Castilho; Djalma Santos, De Sordi, Nilton Santos e Oreco; Bellini, Orlando, Mauro e Zózimo; Zito, Dino Sani, Didi e Moacir; Garrincha, Joel, Vavá, Mazola, Pelé, Dida, Zagallo e Pepe.

Parabéns Feola, Aymoré, Zagallo, Parreira e Felipão.

Parabéns, Brasil.

Quem puder ajudar, as camisas estão à venda na loja “Roxos e Doentes”.

http://camisadoscampeoes.roxosedoentes.com.br/

Tags:

  • http://blogdojaovitor.blogspot.com/ João Vitor Dias de Sousa – 17 anos – Santo André/SP

    Mauro,texto lindo e emocionante,principalmente pelo assunto,pelos personagens!Eu fico triste porque alguns não tem ajuda de quem eles ajudaram,e muito,fico com pena deles,sem ter como ajudar…se o preço fosse mais acessível,ajudaria sem problemas,mas…o máximo que posso fazer é torcer para que seja um sucesso e ajude aos seus,aos meus e aos nossos campeões!
    Devo também eu gostar e querer seguir carreira relacionada ao futebol a eles,que começaram a nos mostrar esse esporte e nos fazer apaixonar por ele.

    Abração!
    Saudações andreenses…
    João Vitor – “Maurista Juramentado”

  • Daniel

    Mauro, as camisas estão sendo vendidas por R$ 1050,00???

    é isso mesmo?

    DANIEL, isso mesmo.

  • Humberto

    Aplaudo a idéia, mas faço uma (possível) objeção. A renda é toda revertida para os jogadores, certo? Então, quanto mais render, no total, melhor, certo? O custo unitário de produção é mais ou menos constante, certo (ou, por exemplo, alguém vai me dizer que, a cada camisa produzida, a segunda é 2 vezes mais cara?)? Então, queria saber quem foi o gênio que calculou o preço das camisas… Ou ele acha que a demanda é BEM inelástica (no que estaria completamente errado), ou, me desculpe, mas os jogadores homenageados são a menor de suas preocupações, posto que ele fica longe do resultado ótimo maximizador da receita…

  • Gérson

    Ótima homenagem e ajuda para os nossos campeões.

    Mas cobrar 1.050 reais é explorar o amante do futebol. E vai vender menos, nem sei se compensa pra eles um preço tão alto assim.

    Abraços.

  • Flávio

    Mauro,
    Belo texto… uma pena que grandes campeões do passado estejam vivendo a míngua hoje em dia…
    Realmente, o futebol é a coisa mais individual e coletiva que há no mundo…
    Imagino sua emoção ao abraçar cada um destes atletas… para quem é apaixonado pelo esporte deve ser um momento único!

    Visitem o meu blog:

    http://semfirulaesporteclube.blogspot.com

  • jefferson

    pela primeira vez, q entro no seu blog, e qro dize q adorei, ja conhecia seu trabalho na tv, você é o melhor jpornalista esportivo do brasil, valeu!!!!!

  • Guilherme Gios

    Mauro,

    Você é um dos meus ídolos.

    Tens o dom de transformar sentimentos, sensações, experiências e momentos em palavras. Além de ser um dos caras que comentam futebol mais imparciais que conheço.

    Parabéns e obrigado.

    Um abraço

  • Rodrigo Linhares

    Grande Mauro!
    Tudo bem?
    Sou leitor assíduo do seu blog, mas lhe escrevo de vez em nunca.
    A última vez que me manifestei foi quando você postou algo relativo ao Oswaldo Brandão, e registrei que o primeiro jogo de futebol a que assisti foi um São José x Corínthians, em 1983, aos 7 anos de idade, quando tive oportunidade de apertar a mão do velho Mestre, à época comentarista da TV Record, no Estádio Martins Pereira.
    O seu texto sobre os campeões mundiais foi simplesmente brilhante.
    Parabéns mesmo!
    Quando você diz que ficou insano ao poder abraçar 28 campeões mundiais, todo verdadeiro amante do futebol certamente se colocou no seu lugar.
    Perto dos nossos ídolos, independentemente da idade, sempre nos sentimos insanos ou crianças.
    O futebol tem esse poder e, por isso, fascina tanto.
    Linda a iniciativa de ajudar essa brava gente brasileira!
    Imortais, sim, mas que se deparam com os mais diversos e corriqueiros problemas do dia-a-dia.
    Exatamente como nós, cidadãos comuns e meros mortais…

    Um forte abraço a você,

    Rodrigo Linhares, de Londrina-PR.