Vitória 2 x 0 Internacional

por Mauro Beting em 20.set.2009 às 19:34h

* O Vitória foi mais time no segundo tempo e ganhou o jogo que o Inter não soube definir quando pôde. Mais uma vez, quando o Colorado tem a faca e a bola nas mãos, dá para trás e entrega a liderança para quem quiser aproveitar.

* Pênalti? Aos 7 minutos, Leandro Domingues escapou pela esquerda e teve a camisa puxada por Danilo Silva, antes da bater cruzado, à esquerda de Lauro. Pela TV, pênalti. No estádio, muito difícil.

* Apodi continua apoiando como se fosse ala, e bem. Mas ele é agora lateral. E vai seguir deixando um rombo à direita.

* Não sei se Neto Berola vai ser o jogador reprovado ano passado por “insuficiência técnica” no Barradão ou se vai continuar sendo o que tem sido pelo Vitória. Só sei que tem valido a pena ver o atacante abusado e rápido.

* Alguns lances infantis demais para defesa tão experiente e para um time tão candidato ao título custaram mais três pontos ao Inter. É um resultado compreensível perder na Bahia para o redivivo Vitória. Mas não é natural o Inter mais uma vez perder pontos desse modo.

Tags:

  • Tiago Farias de São Leopoldo

    Mauro Beting, gostaria de utilizar esse espaço para agradecer aos eternos ídolos Fernandão e Iarley, que fizeram aquilo que todo Colorado queria desde 2005, e que esse time incompetente e pipoqueiro montado pelo Fernando Carvalho e o Tite não conseguirão três vezes: detonar o Corinthians, e ainda com juros e correção monetária, foi um chocolate, um convite a um baile que o Fernandão e o Iarley fizeram aos lentos Balbuena e Diego. Que gosto deu de ver o jogo do Goiás, aquilo que é um time de futebol, um time com toques rápido mas objetivos, sempre procurando o gol. Já o meu time, não sou daqueles torcedores idiotas que só usa a emoção, então não vou negar que meu time joga bem, mas é muito passezinho lateral, sem objetividade, o Inter até joga bem, mas não consegue matar o jogo. Meu time me lembra aqueles boxeadores que tonteiam o adversário mas que não sabem dar o último golpe, aí deixam o adversário se reabilitar e ele que acaba tomando o knockout. Dá para notar claramente que o Inter precisa de líderes, referências que também sejam treinadores dentro do campo, na verdade todo time precisa, e é duro ver que esses líderes foram desprezados e agora podem levar o Goiás a um inédito título brasileiro. Sinceramente acredito que o Goiás possa ser campeão, já o Inter estou com medo que nem classifique para a Libertadores, porque nosso ataque, que poderia ser Iarley e Fernandão, é formado pelo dispersivo Taison e pelo lento, enfeitado e sempre em posição de impedimento Alecsandro. Sei que vou ser nostálgico, mas sinto muita saudade daquele time liderado pelo Iarley e pelo Fernandão, era um time que dava segurança para o torcedor, a gente sabia que dificilmente perderíamos uma final, que ao menos teríamos garra e poder de decisão, e principalmente, sabíamos usar o fator Beira-Rio como ninguém. Agora é o contrário, todos os jogos importantes perdemos em casa, vide Estudiantes, LDU, Corinthians e por último o Cruzeiro, essa equoe conseguiu deixar a torcida insegura outra vez. Que saudade do criticado Abel Braga, que fazia nosso time crescer em jogos importantes e sabia como mobilizar como ninguém o torcedor, o time dele era pura luta e coração, agora temos que agüentar um técnico acadêmico que não sabe como motivar os jogadores para jogos decisivos, o time que ele monta até joga bem, mas o estilo não é o do Internacional, é só ver nossos melhores times, sempre tiveram técnica, mas também tinha muita pegada e crescia em partidas importantes, agora só temos uma equipe que joga bonito mas não ganha de ninguém, e por causa disso tenho que ficar ouvindo que o Inter é o time do quase, e o que mais dói é que isso é verdade. Obrigado Fernandão e Iarley, vocês como jogadores foram e serão sempre muito representativos na história vermelha, muito mais importantes que um certo dirigente que está se achando maior que o Inter, está muito auto suficiente, não escuta mais ninguém, ao invés de escutar seus torcedores, tão apaixonados ou até mais pelo clube, faz tudo pela opinião própria, deixando milhões de torcedores a mercê de suas idéias, sejam elas certas ou erradas, onde estão as contratações boas e baratas? Agora só contratamos medalhões com parceria, jogadores que não tem nenhum identificação com o Inter. Esse dirigente, talvez o mais representativo da nossa história, precisa resgatar algo essencial, a humildade, não pode esquecer que o Internacional é um clube do povo, com torcedores em sua maioria humildes, que às vezes sacrificam parte do seu salário para ver o Colorado jogar, e que merecem mais respeito dos seus representantes. Sou Colorado e nunca vou deixar de ser, mas pode ter certeza que atitudes tomadas com Fernandão, Iarley e Gabiru, desprezados pelo clube, entristecem e muito seus torcedores. Desculpe, Mauro, pelo post longo, mas tinha que escrever o que estou sentindo desde Junho de 2008, quando começaram outra vez a levar o Inter para o lado errado, e tenho medo que com essa forma de administração voltaremos a ser o time do quase, o que aconteceu durante longas duas décadas.