MENU DO DIA – Internacional x Corinthians

por Mauro Beting em 01.jul..2009 às 12:46h

O maitre Mendes me avisa que o colorado Trotstchê e o corintiano Comanda-Cheia assistirão à grande decisão juntos, no boteco. Como se espera aos torcedores de boa paz de duas grandes equipes prontas para o título

Mário Betti, vamos fazer o X-Men que você faz no bloc, no Adolpho Bloch, no bloco, no blablablá?

– Ah… o “Raio X” dos confrontos entre Inter x Corinthians no meu blag? Vamos lá: Felipe x Lauro. O melhor momento da carreira de ambos. Mas o Felipe é melhor e está melhor. Já foi determinante no Pacaembu. Acho que será novamente. Até pela final da Ilha do Retiro engasgada.

Eu gostava do pai do Bolívar lá na minha Lusa... Fazia boa dupla com o Alexandre Cravo.

– Pimenta… Alexandre Pimenta. E o interessante é que o Bolívar era lateral-esquerdo que virou zagueiro. Diferente do filho, que, porém, não vai bem na lateral. Num eventual duelo com o André Santos, vantagem para o corintiano. Que vem animado e não tão cansado da África do Sul. Embora terá de marcar mais, a sua principal deficiência. Mas como o apoio ao ataque não é grande qualidade do Bolívar…

– O Kléber vai sentir a falta de ritmo, seu Mário? O banco só faz bem a banqueiro, né?

– Ainda mais o da Seleção, Mendes. Até porque o Kléber não vinha bem. E, na outra lateral, num possível confronto direto, o Alessandro vive o melhor momento da carreira. O Kléber é muito mais jogador. Ou foi muito melhor. Hoje, o corintiano está num nível superior.

– Gosto muito do Índio. Mas eu prefiro o Ronaldo. Aliás, só alguns da imprensa que parecem esquecer o que ele faz, né, seu Mário? Como é que podem achar mau negócio um femônemo, um ferônimo, um Jerônimo, um cardamone como ele?

– O Ronaldo decidiu no Pacaembu. E pode fazer o mesmo contra o Índio – um zagueiro que cresce em decisão. Mas segurar o Ronaldo, no contragolpe…

– Seu Mário, o Danny Morais honra o avô dele, o professor Valdir. Acho ele bom zagueiro e tem um bom passe. Está melhor que o Álvaro. Mas a experiência do Sorondo não contaria?

– Gosto muito do Danny. Também na área rival, e pela qualidade do passe, essencial para o Colorado reverter considerável vantagem corintiana. A questão é saber com quem ele vai precisar bater mais de frente: normalmente o Mano coloca o Jorge Henrique em cima do lateral que sai mais do rival – no caso, o Kléber. Por outro lado, como o André Santos está voltando, talvez o JH fique mais à esquerda, também de olho no Andrezinho. O fato é que o Dentinho é quem vai chegar um pouco mais próximo ao Ronaldo. O Timão deve manter o 4-2-3-1. Mas não pode isolar o Fenômeno.

Seu Mário, acabei de ver você com a gracinha da Renata Saporito, no “Beting & Beting”, no Bandsports. Você tava falando do tal do engate, do Watergate, do Loco Gatti…

Do tal do “encaixe” da marcação no meio. Pois é: com o Andrezinho armando com D’Alessandro, em vez do losango do 4-3-1-2 que vinha usando o Tite, ele deverá ter um quadrado no 4-2-2-2. Como não deu certo contra a LDU – muito mais por questões técnicas. Andrezinho e D’Alessandro se mexem muito. Mas, normalmente, o argentino fará o lado esquerdo, e o André, o direito. Melhor para Mano será Cristian, em grande fase, mais próximo ao argentino, com Elias de olho em Andrezinho. Mas, para tanto, o excelente corintiano teria de atuar mais à esquerda, onde não atua normalmente… Claro que deve ser uma marcação por zona. Mas, mesmo assim, ela pode ficar menos encaixada. A não ser que Jorge Henrique dê um pé pela esquerda para ajudar a evitar a saída por ali.

– Legal, seu Mário. Não entendi nada… Só sei que, para meio entendedor, boa palavra basta. E eu acho que o Douglas não tem jogado tudo que sabe. Hoje, ele precisa não só jogar e dar bolas para o Ronaldo, como também marcar. Ele não pode deixar os caras do Inter jogarem.

– Mendes, você tem razão. Mas, numa bola, o Douglas pode decidir. Não apenas, ele, claro. Só que hoje é a típica partida que ele precisa mostrar muito mais. Sobretudo sem a bola. O Magrão deverá estar de olho nele se cair pela esquerda. Pela direita, a tarefa do Guiñazú. Dois que costumam jogar mais em partidas decisivas. Mas dois como tantos colorados que não têm jogado o que sabem. Antes de a bola rolar na partida do Pacaembu, eu apostava pouco mais no Inter. Tipo 51% a 49%. Hoje, inverteu. Não apenas pela vantagem. Também pelo momento paulista.

– Adora o Olifild. Ele é demais o guri. Joga muito. É mérito do Tite tudo que ele tem feito, Como atacante joga melhor que na meia. Ele pode fazer pelo Inter o que o Ronaldo faz do outro lado. Ainda mais com o Nilmar do lado dele. Pena para o Colorado é que o atacante também vai sentir o banco na África do Sul…

– É, Mendes. O Taison é demais. Gosto muito dele. Para sorte paulista quem vai marcá-lo mais vezes é o Chicão, outro corintiano que está no auge da forma. Um dos méritos do Mano é conseguir trazer a base do time atuando muito bem. Alguns, como Felipe, Alessandro, Chicão, André Santos, Cristian, Elias e Jorge Henrique jogando o máximo. É o que faz um pouco mais favorito.

– Mas o Nilmar pode desequilibrar como o Ronaldo. O William também é bom, e está jogando bem. Mas se o Nilmar jogar o que sabe… Aliás, seu Mário, se o Corinthians não estivesse tão bem, o Inter não teria todo o trabalho que terá à noite. Para mim, ainda dá para o Colorado. Vai ganhar nos pênaltis! Mas, se sou o Mano, eu faria um paralamas, uma blitz, um bliss, um bis, um sonho-de-valsa para marcar um gol logo de cara e jogar ainda mais pressão no Inter.

– Mendes, repito: antes do jogo do Pacaembu, eu era Inter – 51%. Agora, sou Corinthians – 51%. Só sei que não haverá zebra alguma – a não ser um 17 x 17. Qualquer outro placar é possível. Teremos um grande campeão. E um baita vice.

Tags: