logo lance
undo
Nacionais
Internacionais

BlogsL!

Colunistas

2 Pontos

por Rodrigo Borges e Fabio Chiorino

Blog da L!TV

Vídeos

Blog do Baldini

por Wilson Baldini

Blog do Bechler

por Marcelo Bechler

Blog do Kfouri

por André Kfouri

Blog do Garone

por André Schmidt

Blog do Gui Gomes

por Guilherme Gomes

Blog do Guilherme de Paula

por Guilherme de Paula

Blog do Janca

por João Carlos Assumpção

Blog do Mansell

por Eduardo Mansell

Blog do Marra

por Mário Marra

Blog do Salata

por Thiago Salata

Blog do Tironi

por Eduardo Tironi

Bulla na Rede

por Rafael Bullara

Crônicas do Morumbi

por Ricardo Flaitt

De Prima

por Fábio Suzuki e Igor Siqueira

Em Cima do Lance

por Bernardo Cruz e Igor Siqueira

Fora de Campo

O dia-a-dia dos atletas

Futebol & Ficção

por Valdomiro Neto

Futebol na Terrinha

por Thiago Correia

Gol de Canela FC

por Jonathan Oliveira

Humor Esportivo

Trollagem e zoação

Laguna Olímpico

por Marcelo Laguna

Lance! Livre

por Lucas Pastore

Made in USA

por Thiago Perdigão

Marketing & Economia da Bola

por Amir Somoggi

Números da Bola

por André Schmidt

O Mundo é Uma Bola

por Leonardo Pereira e Luiza Sá

Papo com Boleiro

por Luiz Otávio Abrantes

Planeta Fut

por Luiz Augusto Veloso

Press Start

por Lazlo Dalfovo, Pedro Scapin e Thiago Bicego

Quem Não Sonhou?

por Gabriel Carneiro

Saque

por Daniel Bortoletto

Segunda Pele

por Leonardo Martins, Rafael Bullara e Vinícius Perazzini

Super-Raio X

por Alexandre Guariglia

Tênis

por Fabrizio Gallas

Clubes

Doentes

MENU DO DIA – Kaká, Felipão, bota-teima | Blog Mauro Beting
logo lance
undo
Nacionais
Internacionais

BlogsL!

Colunistas

2 Pontos

por Rodrigo Borges e Fabio Chiorino

Blog da L!TV

Vídeos

Blog do Baldini

por Wilson Baldini

Blog do Bechler

por Marcelo Bechler

Blog do Kfouri

por André Kfouri

Blog do Garone

por André Schmidt

Blog do Gui Gomes

por Guilherme Gomes

Blog do Guilherme de Paula

por Guilherme de Paula

Blog do Janca

por João Carlos Assumpção

Blog do Mansell

por Eduardo Mansell

Blog do Marra

por Mário Marra

Blog do Salata

por Thiago Salata

Blog do Tironi

por Eduardo Tironi

Bulla na Rede

por Rafael Bullara

Crônicas do Morumbi

por Ricardo Flaitt

De Prima

por Fábio Suzuki e Igor Siqueira

Em Cima do Lance

por Bernardo Cruz e Igor Siqueira

Fora de Campo

O dia-a-dia dos atletas

Futebol & Ficção

por Valdomiro Neto

Futebol na Terrinha

por Thiago Correia

Gol de Canela FC

por Jonathan Oliveira

Humor Esportivo

Trollagem e zoação

Laguna Olímpico

por Marcelo Laguna

Lance! Livre

por Lucas Pastore

Made in USA

por Thiago Perdigão

Marketing & Economia da Bola

por Amir Somoggi

Números da Bola

por André Schmidt

O Mundo é Uma Bola

por Leonardo Pereira e Luiza Sá

Papo com Boleiro

por Luiz Otávio Abrantes

Planeta Fut

por Luiz Augusto Veloso

Press Start

por Lazlo Dalfovo, Pedro Scapin e Thiago Bicego

Quem Não Sonhou?

por Gabriel Carneiro

Saque

por Daniel Bortoletto

Segunda Pele

por Leonardo Martins, Rafael Bullara e Vinícius Perazzini

Super-Raio X

por Alexandre Guariglia

Tênis

por Fabrizio Gallas

Clubes

Doentes


MENU DO DIA – Kaká, Felipão, bota-teima

por Mauro Beting em 09.jun.2009 às 13:14h

Trotschê, o colorado mais que vermelho, apresenta Mede-se, imortal tricolor, amigo de berçário em Porto Alegre.

– Prazer, Medici. O teu amigo colorado Trotstchê disse que você é Grêmio só por pensar sempre o oposto dele. Você é parente distante da família florentina ou do ex-presidente da ditadura militar?

– De fato, tudo que aquele vermelhinho gosta eu penso diferente. Não sei se é por isso que sou Grêmio ou se apenas não gosto das ideias dele. Meu nome de batismo é Wolfgang Gunther Mertesacker. E só porque não sou comunista, e gosto das coisas em ordem, de tudo direitinha, ops, direireitinho, eles me chamam de Mede-se. Porque, de fato, eu gosto tudo dento de ordem e disciplina muito rígidas. Diria até mesmo matemática. E gostava muito de presidentes como o Medici. Que era gremista. Como o Scolari, nosso comandante-em-chefe.

– Uma pena um treinador como o Felipão parar no Uzbequistão. Por mais que os caras tenham muuuuuito dinheiro, por mais que ele vá ganhar muuuuuuito dinheiro, por mais que o projeto seja ambicioso como as intenções do clube, gostaria de vê-lo num banco mais qualificado – embora, na quantidade, não há como recriminar esse banco quase ilimitado.

– Uzbequistão? Era república da União Soviética? Só o Trotstchê para achar que é bom negócio. Aliás, nem isso, porque, para ele, tudo é coletivo, tudo é de todos… Ele deve ser contra a ida do Kaká para o Real Madrid. “Onde já se viu ganhar dinheiro com futebol”? Bahhhh… Aliás, amigo, tu é um que disse no LANCE! que o Kaká estava certíssimo em não ir para o Manchester City, que ele “preferiu ser mais feliz a ser mais rico”, que ele teve “coragem e caráter” para dizer não ao cheque do xeique do City, blábláblá… Um imenso baaaaah pra ti. Em cinco meses ele já saiu da “casa” dele.

Mede-se, o Kaká mandou muito bem ao não aceitar a proposta de janeiro. Até porque era apenas o City, um “wannabe” a Chelsea. Agora, não. É o Real Madrid, o maior campeão mundial, o clube com maior potencial de crescimento, com grana e planejamento para reconquistar tudo. Mais que isso, o Milan deixou claro que não queria perder Kaká. Mas não queria perder 65 milhões de euros. Foi o ideal para o Real, o ideal para o Kaká, e o possível para o Milan. Uma pena ele não ter ficado mais tempo no clube rossonero. Mas é a vida. E ele merece tudo isso e muito mais.

– Baaaah, amigo. Vocês que se dizem de esquerda não podem ver umas verdinhas… Eu iria falar do teu bota-teima, mas vou deixar pra lá… Depois que eu vi que o seu Palmeiras é um dos mais “prejudicados”, desisti. Precisamos intervir na imprensa. Vocês não podem ter essa liberdade para escrever o que bem entendem. Se é que entendem…

– Mede-se, em 2008, no Brasileirão, eu quase fui excomungando pela torcida do Palmeiras por causa desse mesmo bota-teima. É um exercício cansativo que não visa jogar querose na ogiva nuclear. A intenção é exatamente oposta, para evitar o chororô. Mas não tem jeito. Sempre vai ter quem acha que eu faço algo com segunda intenção. Faz parte. Paciência.

Paciência temos de ter com vocês da mídia. É sempre a mesma coisa. Quando um time não joga nada, o juiz ajuda, e faz um gol no fim com um rabo daquele tamanho, vocês dizem que é a “vitória da raça”, do não-sei-quê. Ahhh, bons eram os tempos em que não havia tanta mídia, tanto assessor de imprensa e tanto perna-de-pau. Bons eram os tempos em que o jogador vestia uma só camisa a carreira toda. Quando o juiz poderia errar numa boa e não tinha um milhão de câmeras para mostrar que houve pênalti porque o zagueiro mostrou a língua pro atacante. Hoje só tem maricas em campo e nas tribunas de imprensa! Precisamos fazer alguma coisa! Essa pouca vergonha não pode continuar! Essa desfaçatez tem hora para acabar!!!!

Calma, Mede-se. Você tem razão em relação a muitos de nossos erros, e muitos dos meus erros. Mas não exagere. Não está tudo perdido. Nem tudo de antes era melhor que o de hoje. Por exemplo, antigamente você não poderia comer esta maravilha do Mendes. Olha só: “Mosley de spa-francochamps assado no azeite de paillard no depailler de prost no minardi de brambilla com óleo de valvoline quattro-formaggi no red bull com einsbein de sauber no carcioffini de fortcorsi gratinado, untado numa base de cuzcuz de timoglock com chicane de franquitti frito numa danica de toro rosso shiraz”. Deve ser bom…

– Melhor que jornalista de esquerda deve ser…

Tags:

  • http://www.91rock.com.br/blog/futebolecoisaseria/ Cleverson Bravo

    Eu me contentava com uma porção de danica!
    Acho que só faz quem faz o que o Felipe fez, quem tem muita coragem
    mas eu fico pensando: será que algum clube brasileiro fez proposta pra ele?! o desenrolar dos fatos me faz ter cada vez mais certeza de que não! duvido que ele não trocaria o papel de gênese no futebol uzbeque por uma chance de ser campeão da América, do Brasil, do Mundo, onde nasceu e onde é feliz, mesmo com menos dinheiro no bolso
    convenceram até o Parreira a largar o come-dorme na Traffic, depois de tudo o que aconteceu na Alemanha?
    Agora, se o futebol brasileiro tem menos dinheiro, ou se tanto, menos condição de atração de investimento que o Uzbequistão, vamos parar e pedir concordata; e dar a Copa-14 pra eles…

  • Fabio Reis

    Opa Mauro tudo bom?
    Olha esses posts que vc faz com o titulo “Menu do dia”,eu não gosto muito,pra mim são muitos rodeios pra chegar no assunto especifico.
    Gosto de uma opnião direta ao ponto.
    Mais é só uma opnião.
    Admiro seu trabalho.
    Abraços

    FÁBIO, valeu, amigo. é que papo de bar é assim. e sempre vale tentar colocar um molho na questao. mesmo que não seja bom.

  • Fernando Miller

    Mauro,indo para o Uzbequistão o Scolari não corre o risco de ,aos poucos,se tornar um “Falopão” ?? (a rima não foi de propósito…)

  • Ricardo

    Mauro, se voçê tivesse postado um pouquinho mais acrescentava que a Espanha humilhou a pobre seleção do Azerbaijão, parecia até pelada, a Espanha fazia gol na hora que queria.

  • luis flavio

    Ola Mauro,prazer em falar com vc. Gostaria que passasse essa informaçao verídica adiante, inclusive em suas participaçoes televisivas. Muito falou-se da contrataçao de Felipao para o futebol do Uzbequistao. Isso é fato. Porém, sempre noticiou-se Zico e Felipao serem os “tecnicos brasileiros pioneiros” em solo uzbeque. Verdade seja esclarecida: O primeiro treinador brasileiro em terras do Uzbequistao foi BIRA VEIGA, que treinou o Pakhtkor e posteriormente assumiu a seleçao do Uzbequistao (1997-1998). Entre seus resultados, levou o ate entao desconhecido país às semifinais da Copa da Asia. BIRA VEIGA, ficou ainda conhecido por levar o modesto ASA de Arapiraca eliminar o Palmeiras pela Copa do Brasil. Atualmente BIRA VEIGA, mora em Maceio, retornando de uma temporada em Trinidad e Tobago. Estuda propostas de clubes brasileiros e do exterior. Fone de contato BIRA VEIGA: (82) 9965-5188…abraços e que essa verdade seja dita….