Culpados

por Mauro Beting em 05.jun.2009 às 16:55h

Não sei quem é mais culpado pela violência. Só sei que somos todos cúmplices.

Quando nos acovardamos. Quando nos calamos. Quando nos violentamos. Quando somos violentados. Quando delegamos. Quando delegados. Quando policiais. Quando promotores de Justiça ou de espetáculos. Quando mídia. Quando fazemos média. Quando fazemos merda.

Quando vamos parar? Onde vamos parar?

Não sei.

Quem deveria ter alguma ideia, nem ideal parece ter.

As uniformizadas, todas elas, começaram do bem comum para aterrorizar o mal incomum. As uniformizadas não apenas desuniformizaram estádios. Desuniformizaram as ruas, as marginais, até os marginais.

Incendeiam as pólvoras em cada um, pulverizam o bacilo da violência, infestam o vacilo da falta de autoridade das incompetentes e inermes e inertes autoridades.

Ateam fogo nos cada vez mais impróprios da municipalidade. Queimam o transporte público como ardem o público que só quer torcer por um time, não torcer para voltar para casa vivo – são e salvo é pedir para santos e deuses.

Mas demonizar as organizadas, as uniformizadas, as profissionais, é atirar alemães ao inferno por causa no nazismo. É matar porcos por causa da gripe. É a imagem que você quiser exagerar. A esmagadora maioria das gigantescas organizadas é gente do bem. Mas 171% dos coisas ruins estão lá dentro.

Aqueles que vão ao estádio armados de pau, de pedra, de molotov, de barra, de ferro, de o escambau. Gente que finge torcer. Como a polícia finge que protege, finge que policia, finge que escolta, finge que diz o que aconteceu no embate entre vascaínos, corintianos e provavelmente torcedores de outras torcidas. Com o perdão pelo termo torcedores para alguns dessa gente. Com o perdão do termo gente para alguns.

As versões para a morte do cidadão espancado vão do oficialismo policial ao contrário dos amigos escandalizados por um suposto erro estratégico de polícia de mentirinha. Quando não versão de mentirinha.

Por obra de Deus, eu não estava presente aos acontecimentos. Não sei quem tem razão na versão.

Mas tenho a impressão de que a versão oficial, como versão, como oficial, é dura de engolir.

A versão das ruas parece mais verossímil.

E, por tabela, chocante.

Gente que vai ao estádio para morrer e matar.

E gente paga para evitar isso que joga querosene na fogueira.

A polícia não protege e não serve.

E é paga para servir e proteger.

Tags:

  • http://sportrecife.blog-br.com/ Thales

    Olha Mauro, talvez seja até bairrismo meu, mas responda com toda sinceridade que lhe é peculiar. Se o fato tivesse ocorrido no Recife o que teria acontecido? Não teriam riscado minha cidade do cenário futebolístico nacional durante 200 anos? Ah , e essa é para cutucar os flamenguistas: domingo Adriano vai entrar com a camisa nº87 mas o Sport é que entrará com a Taça de Campeão, só para os urubus ficarem babando hahaha… Mauro o melhor blogueiro do Brasil! q=^D PST!!!

    THALES, não tenha dúvida.
    Se fosse a PM de Recife, a ONU já teria mandado tropas.
    Mas como é em Sao Paulo, a locomotiva da nação…

  • Jovaneli

    Assinado embaixo. Mauro. Muito bom texto.
    A meu ver, a solução é o torcedor de bem não ir ao estádio. Eu sou jornalista, amo futebol, mas fui apenas uma vez no estádio para ver futebol. Infelizmente.
    Assistir ao vivo, no campo, ajuda a enxergar melhor o jogo. Na tevê, isso não é possível.
    Então por que não vou? Porque me nego a aceitar participar desse show de horrores. Mas compreendo que o torcedor de bem ainda frequente os estádios. Paixão. Amor pelo clube.
    Só acho que se você vai se divertir e é desrespeitado (banheiro sujo, comida ruim, péssimo estado do assento, má organização na venda e na orientação do local onde vai assistir o jogo) e o dono do evento não é capaz de dar segurança, não há razão para ir a campo de futebol.
    É minha forma de protestar. Se a maioria boicotasse, como eu, talvez as coisas mudariam. Para melhor.
    Quantas pessoas mais precisarão morrer? Ou quanto tempo mais demorará para que haja organização no evento futebol? Não sei. E não estou disposto a mudar minha decisão de não ir aos estádios enquanto continuarem a tratar mal o torcedor/consumidor.

  • Ricardo Malagodi

    Caro Mauro,

    Essas pessoas não são torcedores, são gladiadores e querem brigar, querem matar e morrer. Então por que não instituir um evento onde eles possam ir e se matar, com algumas regras como não pode levar armas e nem bombas e caso se acidentem ou venham a falecer no evento ou em decorrência dele o governo não irá arcar com os custos de hospital e funeral.

    Tenho certeza que seria um sucesso e em pouco tempo eles se matariam todos e viveriam felizes em suas pós-vida.

  • http://bloguedotimao.wordpress.com/ Álvaro

    Bravo!

    O grande problema é o promotor utilizar uma versão “dura de engolir” para tentar medidas mais coercitivas.

    Ele chegou ao ponto de pedir “apoio da imprensa”. Deveria ser exemplarmente punido, mas acho que acabará deputado como o outro.

    Por outro lado, ninguém deveria brigar por causa de um time de futebol. Isso é doença.

    Minha campanha agora é: “seu amigo acha que torcedor adversário é inimigo? Salve uma vida: encaminhe o rapaz à unidade de psiquiatria do SUS mais próxima da sua casa”.

    Nada que um bom anti-depressivo não resolva!

  • Fábio Chamusca

    Belíssimo texto, Mauro. Um dos que mais gostei entre todos os que já li.
    E cá entre nós… UM ônibus fazer emboscada pra QUINZE fica ruim, né? Acho que nem a Luciana Gimenez acredita numa coisa dessas…

  • Marcelo

    Mauro, me desculpe, mas a PM de São Paulo só fica impune porque tem o aval dos promotores, dos juizes e, na maioria das vezes, da imprensa. Demorou três dias para que a imprensa esportiva começasse a perceber que a versão oficial era cheia de falhas, mesmo com inúmeros torcedores e testemunhas do ocorrido afirmando que não foi emboscada dos corintianos, mas que a PM tinha parado o ônibus dos corintianos momentos antes dos 15 ônibus com vascaínos passarem pelo local. Se houve emboscada foi da PM! Mas a imprensa esportiva tem uma mania estranha de desacreditar dos torcedores e acreditar em promotores. Acreditaram tanto no Capez que ajudaram o sujeito a se eleger deputado. Agora é a vez do Paulo Castilho, que não admitiu que a PM errou no jogo entre Corinthians e São Paulo na primeira fase do Paulistão e não vai admitir que o erro foi da PM neste caso. Ele vai sustentar esse absurdo de um ônibus emboscando 15 ônibus escoltados pela polícia. Absurdo dos absurdos, que a grande imprensa não vai questionar, infelizmente.

  • Felipe

    É óbvio que a imprensa acredita somente na PM, promotores e juízes: a resposta é simples: troca diariamente favores com eles! E além disso, tem a máxima, “quanto mais o salário do jornalista cresce mais ele se afasta da realidade e se torna dono da verdade”. Um rapaz foi espancado até a morte na Marginal e eu escutei coisas do tipo “bem feito pra ele…merecia…não deveria estar lá”. Isso sem saber de quem se tratava, se tinha família, como era com os amigos, etc. Essa é a nossa sociedade, doente, e a violência é apenas um dos sintomas desta enfermidade.
    abs

  • Marcio

    Sinceramente Mauro, nesse caso especifico eu nao consigo nem ver tanta culpa da PM. O problema da PM nao tem nada a ver com futebol tem a ver com violencia no País e ponto.

    O cara nao era inocente, ele nao tava no estadio andando e foi morto, ele nao tava com a camiseta do Corithians na rua inocente quando foi atacado por Vascainos…

    Ele se juntou a uma galera, para ir ao onibus dos Vascainos, para brigar em quem saber matar, e agora é culpa é do Estado ? Do Corithians?
    Nao tem como Estado fazer muito coisa nesse caso, nem o Corithians, o cara podia tar com uma camiseta de gangue indo atras de outra gangue, a unica diferenca é que viraria estatica e nao noticia. O cara procurou e achou, simples assim…

  • EMERSON

    Ótimo texto,Mauro.Mas discordo de vc em alguns aspectos.Primeiro,tenho vários defeitos,mas acho que não o de ser idiota.Matar e morrer por causa de um jogo de futebol,onde vinte e dois marmanjos de calção correndo ficam correndo atrás de uma bola…Bom,preferências sexuais a parte…
    Mas não me considero nenhum pouco culpado por esse tipo de acontecimento,e não acho que nem vc nem ninguém da imprensa,nem a sociedade tem nem um pouco de culpa muito menos temos que apontar soluções,a sociedade tem mais o que fazer do que se preocupar com marginais que vivem das torcidas organizadas,protegidos e subsidiados por dirigentes de clubes.O que acontece é que no Brasil ningu´rm da nome aos bois,esses caras são bandidos e ponto.Existem autoridades “competentes”,que são eleitas e muito bem pagas com nosso dinheiro
    para zelar pela segurança de quem levanta as 6 da manhã para trabalhar.Lamento pela família do rapaz que morreu,mas lamento muito mais quando num pai de família e assaltado ou morto quando volta pra casa levando o sustento da família.E muitas vezes esse pai de família não tem segurança porquê?Porque o efetivo policial tem que ser mobilizado para escoltar essa escória quando existem jogos importantes.Quanto a maioria serem pessoas de bem nas organizadas,isso foi num passado distante hoje talvez existam um ou dois,mas diga-me com quem andas e te direi quem és.Quem participa desse tipo de ambiente não pode ser totalmente santo(também estou bem longe de ser)e ninguém os forçou a estar lá.O que ninguém fala é o seguinte,ninguém toma uma atitude séria porque esses caras dão voto.Sou contra todas as organizadas,mas quando é a Gaviões da fIiel que apronta,onde está o sr.Fernando “Incapez”?

  • Marcel

    Sou Tricolor Paulista e nossa torcida tem se comportado bem, mas toda essa violência é fruto das atitudes muito brandas das autoridades Brasileiras e não estou falando da Policia não! De nada vai adiantar os Policiais se matarem em confronto com marginais se ao chegar na delegacia o Direito for favorável a eles e não ao bom trabalho e as prisões efetuadas pela Polícia!
    O cara é detido e liberado na Delegacia… adianta alguma coisa? Há mas no horário dos jogos ele terá que comparecer a uma delegacia e ficar lá até o final… Ora quando ocorrem a maioria das confusões? São dentro ou fora dos estádios? Acorda Brasil, a Anistia Internacional já alertou que confundimos Direitos humanos com Benefícios a Marginais e Bandidos, uma coisa não tem nada haver com a outra! Autoridades Judiciárias e Legislativas está na hora de acordar!!! Derrota em jogo algum justifica violência, aliás violência, roubos e etc não tem justificativa, ou ao menos não deveriam ter não é Governo?

  • taliban

    todo o escandalo é pq morreu um CUrintiano.

    a midia gamba sempre protege a galinhada.