logo lance
undo
Nacionais
Internacionais

BlogsL!

Colunistas

2 Pontos

por Rodrigo Borges e Fabio Chiorino

Blog da L!TV

Vídeos

Blog do Baldini

por Wilson Baldini

Blog do Bechler

por Marcelo Bechler

Blog do Kfouri

por André Kfouri

Blog do Garone

por André Schmidt

Blog do Gui Gomes

por Guilherme Gomes

Blog do Guilherme de Paula

por Guilherme de Paula

Blog do Janca

por João Carlos Assumpção

Blog do Mansell

por Eduardo Mansell

Blog do Marra

por Mário Marra

Blog do Salata

por Thiago Salata

Blog do Tironi

por Eduardo Tironi

Bulla na Rede

por Rafael Bullara

Crônicas do Morumbi

por Ricardo Flaitt

De Prima

por Fábio Suzuki e Igor Siqueira

Em Cima do Lance

por Bernardo Cruz e Igor Siqueira

Fora de Campo

O dia-a-dia dos atletas

Futebol & Ficção

por Valdomiro Neto

Futebol na Terrinha

por Thiago Correia

Gol de Canela FC

por Jonathan Oliveira

Humor Esportivo

Trollagem e zoação

Laguna Olímpico

por Marcelo Laguna

Lance! Livre

por Lucas Pastore

Made in USA

por Thiago Perdigão

Marketing & Economia da Bola

por Amir Somoggi

Números da Bola

por André Schmidt

O Mundo é Uma Bola

por Leonardo Pereira e Luiza Sá

Papo com Boleiro

por Luiz Otávio Abrantes

Planeta Fut

por Luiz Augusto Veloso

Press Start

por Lazlo Dalfovo, Pedro Scapin e Thiago Bicego

Quem Não Sonhou?

por Gabriel Carneiro

Saque

por Daniel Bortoletto

Segunda Pele

por Leonardo Martins, Rafael Bullara e Vinícius Perazzini

Super-Raio X

por Alexandre Guariglia

Tênis

por Fabrizio Gallas

Clubes

Doentes

Regra do gol fora valorizado é ruim? | Blog Mauro Beting
logo lance
undo
Nacionais
Internacionais

BlogsL!

Colunistas

2 Pontos

por Rodrigo Borges e Fabio Chiorino

Blog da L!TV

Vídeos

Blog do Baldini

por Wilson Baldini

Blog do Bechler

por Marcelo Bechler

Blog do Kfouri

por André Kfouri

Blog do Garone

por André Schmidt

Blog do Gui Gomes

por Guilherme Gomes

Blog do Guilherme de Paula

por Guilherme de Paula

Blog do Janca

por João Carlos Assumpção

Blog do Mansell

por Eduardo Mansell

Blog do Marra

por Mário Marra

Blog do Salata

por Thiago Salata

Blog do Tironi

por Eduardo Tironi

Bulla na Rede

por Rafael Bullara

Crônicas do Morumbi

por Ricardo Flaitt

De Prima

por Fábio Suzuki e Igor Siqueira

Em Cima do Lance

por Bernardo Cruz e Igor Siqueira

Fora de Campo

O dia-a-dia dos atletas

Futebol & Ficção

por Valdomiro Neto

Futebol na Terrinha

por Thiago Correia

Gol de Canela FC

por Jonathan Oliveira

Humor Esportivo

Trollagem e zoação

Laguna Olímpico

por Marcelo Laguna

Lance! Livre

por Lucas Pastore

Made in USA

por Thiago Perdigão

Marketing & Economia da Bola

por Amir Somoggi

Números da Bola

por André Schmidt

O Mundo é Uma Bola

por Leonardo Pereira e Luiza Sá

Papo com Boleiro

por Luiz Otávio Abrantes

Planeta Fut

por Luiz Augusto Veloso

Press Start

por Lazlo Dalfovo, Pedro Scapin e Thiago Bicego

Quem Não Sonhou?

por Gabriel Carneiro

Saque

por Daniel Bortoletto

Segunda Pele

por Leonardo Martins, Rafael Bullara e Vinícius Perazzini

Super-Raio X

por Alexandre Guariglia

Tênis

por Fabrizio Gallas

Clubes

Doentes


Regra do gol fora valorizado é ruim?

por Mauro Beting em 06.maio.2009 às 12:17h

Para discutir. Não concordo com tudo que está escrito. Mas vale o debate.

Disputa por pênaltis só é boa para goleiro.

Melhor evitá-la.

Mas um time que faz mais gols na casa do rival é “melhor” que o outro?

Uma coisa sei. O regulamento da Liga dos Campeões é o pior de todos.

Escreve o jornalista Rogerio Jovaneli

A regra do gol fora exageradamente valorizado é usada na Copa do Brasil, na Libertadores (menos na final) e na Champions League. A ideia é valorizar aquela equipe que corajosamente busca o gol fora de seus domínios. Mas, na prática, promove uma distorção técnica nos confrontos de mata-mata, fazendo com que seja mais vantagem jogar fora do que em sua casa.

Na Copa do Brasil e na Libertadores é assim. Por conta dessa regra do gol fora mais valorizado, o jogo da Ilha do Retiro corre o risco de acabar com um único gol palmeirense, que obrigará o Sport a marcar três.

Na Champions League, que igualmente adota a controversa regra do “gol fora com peso maior”, a situação é ainda pior para o mandante, sobretudo quando faz a chamada segunda perna em casa. Isto porque na Champions a regra do gol mais valorizado fora de casa vale até mesmo na prorrogação.

Ou seja, um time joga “apenas 90 minutos em casa” e não leva gols, como ocorreu com o Barcelona diante do Chelsea, há uma semana, e vai a Stamford Bridge, nesta quarta, para enfrentar os Blues com a enorme vantagem de poder fazer um único gol, no tempo normal ou na prorrogação (120 minutos), e assim obrigar o adversário a virar o placar.

Em resumo, o Chelsea terá a desvantagem de jogar em casa, pois não pode tomar gol em 90 minutos, sob pena de ter de fazer dois, sendo que, mesmo que consiga não levá-lo no tempo normal, ainda assim será “premiado” com mais 30 minutos de jogo, atuando com a pressão e a desvantagem de não poder tomar um gol e ser obrigado a fazer dois.

Tudo isso mostra que fazer o segundo jogo em casa no mata-mata da Champions é uma tremenda fria. Você joga 90 minutos fora de casa na chamada primeira perna com a responsabilidade de fazer um gol, caso contrário pode ter de atuar por 120 minutos com o peso de não poder sofrer um único gol, inexplicável distorção que acaba influindo tecnicamente no confronto.

Escreveu Rogerio Jovaneli

Tags:

  • http://www.espacodoesporte.uniblog.com.br Rodrigo Pessanha

    Concordo plenamente. Mas ainda vejo alguns profissionais dizendo nas transmissões que o 0x0 foi ruim para o Barça. Num confronto tão nivelado como esse, a desvantagem maior pertence ao Chelsea, certamente. O mesmo caso se aplica ao Flamengo hoje à noite, que tem todas as vantagens possíveis (empatar com gols, torcida a favor, empolgação com tri carioca…).

  • Gabriel Cassano

    Mauro,
    Com relação a UCL, o que está errado não é o critério dos gols fora continuar na prorrogação, é haver prorrogação. O tempo-extra só faz sentido em confrontos decididos em apenas um jogo, com na Copa do Mundo. Se não, imagine a seguinte situação: um time perde fora de casa de 3 a 0. No jogo de volta, consegue ganhar de 3 a 0 e o jogo vai pra prorrogação. Quem vc acha que tem mais chance de fazer mais um gol? Obviamente, que o time que está ganhando está muito melhor no jogo (tanto que já meteu 3 gols) e portanto tem mais chance de fazer mais gols. Por isso, acho que o regulamento da Libertadores é o menos pior.

  • LUIS HENRIQUE F TOSOLI

    É um bom tema, também não concordo com a prorrogação em caso dos 2 empates com resultados iguais ou uma vitória e uma derrota com os mesmos placares, mas vou na contramão do assunto porquê não valorizar mais o GOL feito em casa ao invés do GOL feito fora de casa.
    ex time A ganhou em casa de 2 x 1, perdeu fora de 1×0 fez 2 gols em casa fica com a vaga.

  • Fernando Arbex

    O gol fora de casa é um mal necessário visto que sem ele provavelmente muitos dos confrontos empatados acabariam nos pênaltis por medo de jogar futebol. Chelsea e Liverpool nunca empatariam em 4X4 porque dificilmente os Reds iriam para cima após terem empatado o confronto agregado quando fizeram 0X2. Em 2004, no ano anterior à CONMEBOL adotar o gol fora de casa na Libertadores, metade dos mata-matas foram decididos no pênaltis. Isso sem contar que não há mais datas disponíveis para serem realizados jogos desempate como antigamente. Realmente o dar a um time mais chance de fazer o tal gol fora de casa é ridículo, mas toda final de Libertadores todo mundo critíca a falta dessa regra porque ela esteve presente o campeonato inteiro e não na final. O objetivo é impedir o que acontece na UCL. Ou elimina-se a prorrogação da final ou transforma-se a final em jogo único. Agora a coisa mais chata é ouvir a choradeira pós-jogo a respeito da regra, por parte de quem perde. A regra é igual para todo mundo, não há beneficiados nem prejudicados.

  • Felipe Rocha

    Sou terminantemente contra essa regra. Entendo a intenção de valorizar o gol fora, mas não concordo. Lembro bem, na mesma Champions League há uns anos atrás, o mata-mata foi entre Milan e Inter de Milão, que jogam no MESMO estádio (San Siro ou Giuzeppe Meazza). O primeiro jogo, com mando (?) do Milan terminou em 0x0. No segundo jogo, novo empate, mas agora em 1×1. Resultado: Milan classificado por ter feito um gol “fora de casa”. Se já não concordo com essa regra em caso de vitória (1×0/1×2), imagine na hipótese de dois empates, com times jogando no mesmo estádio, com divisão igual de torcida.

  • dgeeorgenes tufy

    GOSTARIA DE DAR UMA SUGESTÃO AO JORNAL LANCE… TENHO CERTEZA DE ALEM DE MIM MUITOS CARIOCAS, GOSTARIAM DE QUE FOSSE DADA MAUIOR RELEVANCIA A COMENTARISTAS QUE FALASSEM DO RIO E, SE SOBRASSE ESPAÇO OS PAULISTAS FALARIAM DO QUE SABEM, SEU PRÓPRIO UMBIGO.

    SE DUVIDAM FAÇAM UMA ENQUETE… VOCE CONCORDA QUE É MELHOR CARIOCA, FALNDO DOS TIMES DO RIO?????????

    dgeeorgenes tufy, a ideia é ótima. desde que alguns poucos leitores não sejam tão bairristas, clubistas, provincianos, limitados e tacanhos como, infelizmente, por vezes, ou muitas vezes, alguns dos meus colegas também são.
    mas o seu comentário foi postado em blog errado.

  • Gélson Peçanha

    Mauro, como bom gremista, gosto da regra do saldo qualificado. Só não esqueçamos que é um eufemismo. A regra na verdade é: passa quem fizer menos gols em casa. Parece diferente, negativo, não? É a questão do copo meio cheio ou meio vazio.
    Abraço

  • Alex (EUA)

    A regra e’ discutivel e acaba influenciando a postura das equipes na maioria das vezes. Mas, na minha opiniao, faz parte, e, no fundo, acaba sempre ganhando quem sabe ganhar (levando tudo em consideracao). Por exemplo, o Chelsea jogou no catenaccio e ha’ um colega abaixo dizendo que, por opcao propria e pela existencia da regra, entraria em DESVANTAGEM no segundo jogo. Oras, hoje ja’ estao ganhando o jogo em casa! E ontem o Sport jogou EXAGERADAMENTE retraido, quando um golzinho teria lhe dado muita tranquilidade. A regra, boa ou nao, acaba beneficiando o time mais competente.

  • Felicio

    Faça essa pergunta, nesse exato momento, aos jogadores do Chelsea, que acabaram de ser eliminados com esse tal gol marcado fora, no empate do Barça. De fato, pode ser cruel, mas quem entra no torneio já entra sabendo, e o Chelsea poderia ter tentado ser um time com ataque na Espanha, ao invés de ser apenas defesa.

  • antonio sergio

    Os prós e contras dessa regra foram expostos hoje em Londres… Por isso os pontos-corridos é a forma mais justa de premiar um vencedor. Mata-mata vc deve contar muito com a sorte…

  • RV

    É um tanto arbitrária, mas a regra cria o incentivo das equipes visitantes procurarem o ataque. Como rubronegro, eu atualmente detesto essa regra, já que perdemos por 1×0 para o Palmeiras na terça (e ainda saiu barato!). Mas um ano atrás eu adorava essa regra, pois se não fosse por ela, o Sport talvez nem estaria jogando contra o Palmeiras após empatar em 3×3 contra o Corinthians na final da Copa do Brasil. Um dia é da caça, o outro do predador.

  • Alvez

    Acho uma bobagem essa regra de gol fora de casa valer como desempate.
    E daí que um time fez um gol a mais fora? Tomou um a mais também, oras!
    É tão banal quanto usar cartões amarelos e vermelhos ou número de escanteios como critérios de desempate, como aliás já foi feito em alguns campeonatos por aqui.
    Se empatou em pontos e saldo de gols, é justo que a decisão se dê na cobrança de pênaltis.

  • Luciano

    Acho esse fato de gols fora de casa ter peso maior muito interessante, torna o jogo mais emocionante e competitivo, obriga as equipes a buscarem o resultado e jogarem para vencer o tempo todo.

  • Carlos Patricio

    Concordo e não concordo!
    No caso da UCL é ridículo mesmo. Ou é critério de desempate ou não é. 0 x 0 nos dois jogos pode até levar a uma prorrogação/penaltis mas desde que seja desconsiderado o critério de gol qualificado na prorrogação. Eu gosto desta idéia do gol qualificado que permite maiores disputas mas eu concordo com o Luxa qdo ele fala que, no caso da Libertadores, onde há o critério de melhor campanha, o time com este melhor aproveitamento poder escolher qual a sequência dos jogos (primeiro fora ou em casa e vice-versa no segundo). Na Copa do Brasil até poderia se adotar o mesmo sorteio que já existe para se definir os mandantes/visitantes, mas com o vencedor na disputa poder fazer esta escolha que pode variar de acordo com o adversário. Mas acabar com o “gol fora de casa” acho um retrocesso. Abraço!

  • http://nacaosport.com Gustavo

    O time que joga em casa já tem a vantagem de conhecer o estádio, não precisar viajar, ter mais tempo de descanso, além é claro da vantagem de ter a torcida a seu favor e quase sempre ter também o apito favorável, mesmo que inconsciente.

    Cabe a cada time tirar proveito dessa vantagem e fazer boas exibições fora de casa, sempre buscando o ataque. Concordo com essa regra pois ela deixa os times mais ofensivos e o futebol mais bonito. E no final, o melhor sempre vence. Ou alguém aqui vai dizer que queria o Chelsea na final?

    Ano passado um dos jogos mais fantásticos foi Sport e Inter pela Copa do Brasil. Perdemos de 1 a -0 no Beira-Rio, tomamos gol na Ilha, estávamos com um a menos, e tinhamos que ganhar de 3 a 1 para classificar. E ganhamos. E na final contra o Corintians, no primeiro jogo perdíamos por 3 a 0 mas buscamos o gol até o final pois ele nos daria grande vantagem. E no final deu certo.

    Enfim, acho muito justo e não vejo pra que mudar. O que se poderia adotar era a partida final única em campo previamente definido, que acho interessante.

    O caso de Inter e Milan é uma exceção, não a regra, então não pode ser levado em conta. O caso da prorrogação é burrice mesmo, é só tirar a prorrogação e botar direto pros penais, deixando prorrogação apenas para a final que é jogo único.

  • Luís

    Discordo do texto, bem feito pro chelsea que sabia da regra de gols fora de casa e foi pra barcelona com 3 goleiros e 5 zagueiros e 18 volantes e parabéns ao barça por ter buscado o resultado fora de casa. Acho a regra justíssima. Como vc mesmo disse mauro, quem ganha é o futebol com dois times que jogam pra frente (e nem por isso têm defesas ruins) se enfrentando na grande final em campo neutro.

  • carlos amendola

    Sou contra qualquer tipo de vantagem, até mesmo saldo de gols, e completamente contra o empate, que só o futebol proporciona.
    As copas deveriam ser disputadas no sistema melhor de 3, quem ganhar 2 é o classificado ou campeão.
    Outra coisa que aborrece no futebol é o numero limitado de substituições.

  • Bruno

    É a melhor forma de fazer o jogo valer, de dar gosto de ver assistir como um time ruim como o galo correu, fez gol, bela estréia de Roth e só não se classificou por ironia do destino, aquele era um típico jogo de copa do brasil, com emoções na ida e na volta sem dúvida nenhuma uma excelente modalidade de competição
    Ps: Não sou atleticano nem cruzeirense nem baiano, sou são-paulino, e gostei de assistir os dois jogos que foram televisionados.

  • AKIKEM MANDA ÉNOIS

    ESTA É UMA REGRA P/ DESEMPATE EM “MATA-MATA”. POR EX. O CORINTHIANS CONTRA AS BAMBIS NÃO PRECISA DESTA REGRA . “MATA” NA IDA E ,DEPOIS “MATA” NA VOLTA.
    CHORA , BAMBI !!!…MAS….DEPOIS RETOQUEM A MAQUIAGEM.!!!….

  • ANTONIO FERNANDO VALERIANO

    Mauro

    Você tem dados sobre quando começou a regra do gol qualificado (fora-de-casa)?

  • andre

    apesar de ser um post antigo quero dar minha opiniao sobre o assunto… penso q essa regra beneficia a boa defesa e pra nós o melhor eh sempre o gol ou o ataque.. portanto penso que deveria ter a vantagem quem mais MARCASSE gols DENTRO de casa, obviamente como critério de desempate.