Liga dos Campeões – 4as. Volta – Dia 1

por Mauro Beting em 14.abr.2009 às 17:21h

CHELSEA 4 X 4 LIVERPOOL – Chelsea 7 x 5 no agregado

* Em 27 minutos, 2 x 0 Liverpool. Fábio Aurélio bateu direto uma falta que Cech aceitou, e o árbitro espanhol Medina Cantalejo marcou corretamente um daqueles pênaltis de TV, convertido por Xabi Alonso.

* Nos primeiros 45, o Chelsea assistiu ao Liverpool ser Liverpool, marcando firme e à frente, superando a ausência de Gerrard, e amuado num muito recuado 4-1-4-1, com Kalou e Malouda presos.

* Lucas (em fase opaca) ajudou Xabi Alonso e Mascherano na contenção, e se juntou a Kuyt e Benayoun na armação para o excelente Fernando Torres contra um apagado Chelsea. 2 a 0 foi pouco no 1o. tempo.

* E foi ainda menos com menos de 5min, na segunda etapa, quando Anelka (que entrara no lugar de Kalou) foi pela primeira vez ao fundo, cruzou forte rente à linha fatal, Drobga desviou, Reina aceitou feio.

* Aos 10, Alex emendou aquelas bombas de Alex em falta da meia direita, a bola pegou um efeito brasileiro, matou Reina, e começou a matar o vibrante Liverpool.

* Depois do empate que obrigava o time de Mersey a marcar mais dois gols, parecia que a obrigatoriedade de gols era do Chelsea, que quase sempre foi mais perigoso nas chances.

* Aos 30, Ballack recuperou a bola na intermediária, armou para Drogba fazer bela combinação para o gol de Lampard. Duas vitórias em dois jogos sobre um grande Liverpool. Falar o quê?

* Falar que ainda não estava nada perdido para o time vermelho. Lucas empatou aos 35. Kuyt, já como centroavante, virou para 4 x 3, aos 37! “You’ll Never Walk Alone” com essa torcida e com esse time!

* Faltava um gol nos quase 10 minutos finais para o Liverpool. Eu que já achava que faltava tudo ao time vermelho já não achava mais nada. Ou imaginava tudo a favor da equipe do ótimo Rafa Benítez.

* Mas se faltava um Gerrard, sobrava um Lampard no exécito azul. Um belo toque de primeira, a bola bateu na trave direita, bateu na esquerda, e entrou na meta de Reina. Que gol! 4 x 4!

* E só não foi 5 x 4 para o Liverpool porque Essien salvou sobre a linha o quinto gol vermelho. Contra um Chelsea que provou que não só o dinheiro traz felicidade. A alma pode fazer a diferença.

* Resumo da ópera: não dava para classificar os dois times?

* Um jogaço, como se lê. e, para quem viu, sabe que o exército vermelho é mais que valoroso, num jogo na véspera dos 20 anos de Hillsborough. E, para quem não viu, merece ser visto o time azul de Hiddink.

* O Chelsea conseguiu eliminar o Liverpool de um modo que o Liverpool conseguia superar suas limitações e rivais. Parece que o holandês está dando o sangue que Felipão não conseguiu – ou não teve tempo.

BAYERN DE MUNIQUE 1 X 1 BARCELONA – Barcelona 5 x 1 no agregado

* Para Jurgen Klinsmann, técnico alemão, era impossível fazer 4 gols no Barcelona, o melhor time europeu do mês.

* Para Ribéry, que sonha jogar no Barça na próxima temporada, foi possível fazer um gol. E está bom demais.

* O gol de Keita, aos 28 do segundo tempo, foi uma proeza técnica, tática, física, arquitetônica, espacial, especial. Uma troca de bolas de todo o ataque, tudo de primeira, até o canhonaço e canhotaço do volante. Gol para guardar nos olhos e na antologia da Champions League.

* Um gol que nasceu há mais de anos, com a inspiração catalã do jogo bonito, do futebol não apenas como vitória, não apenas como transpiração, não apenas pelo lado utilitário.

* Nem precisou escalar Henry na Allianz Arena para garantir a brilhante classificação para um confronto dificílimo contra o Chelsea. Mas com um favorito: Barça.

Tags:

  • João Paulo Di Medeiros

    Esse jogo é pra ficar guardado na memória e pra gente ver que o futebol como parte do show-business nunca vai tomar o lugar do futebol como essência.

  • http://1982esporteclube.blogspot.com/ 1982 Esporte Clube

    O exagerado Nélson Rodrigues diria que quem não assitiu a esse espetáculo (Chelsea 4×4 Liverpool) “não viveu”. Prá mim,o espetáculo foi tão glorioso que não carece de tal exagero. Simplesmente fantástico.
    FORTE ABRAÇO!