HISTÓRIA EM JOGO – HOLANDA 4 X 1 BULGÁRIA – COPA-74

por Mauro Beting em 08.abr.2009 às 18:35h

Agora sim. A Holanda também sabia fazer gols além de jogar muita bola. Depois de criar 17 chances contra o Uruguai e só fazer dois gols, depois de perder 10 oportunidades contra os suecos, os búlgaros foram detonados pela Laranja Mecânica. 4 x 1. Fora o baile. E, para Cruyff, mas não para estes olhos, os holandeses se pouparam… Imagine só!

No blag, na sessão HISTÓRIA EM JOGO, vamos contar o que vi então, e o que estou revendo agora, com a inestimável ajuda de Gustavo Roman (www.futebolpitacos.blogspot.com), que disponibilizou as imagens, e de André Rocha (http://blogs.abril.com.br/futebolearte), que inspirou a série.

PARA VER – http://www.youtube.com/watch?v=y6bKk8Gr6fI

(CLIP DE 10min DE LANCES HOLANDESES NA COPA-74

OUTROS JOGOS:

http://blogs.lancenet.com.br/maurobeting/2009/02/20/historia-em-jogo-holanda-2-x-0-uruguai-copa-74/

http://blogs.lancenet.com.br/maurobeting/2009/04/03/historia-em-jogo-holanda-0-x-0-suecia-copa-74/

JOGO DE PALAVRAS –

Fala, Johan Cruyff – Os búlgaros precisavam nos vencer para se classificar. Eles haviam empatado sem gols com os suecos, e cedido o empate para os uruguaios no fim do jogo. Por isso começamos o jogo mais tranquilos. Queríamos usar mais o contragolpe, guarnecendo mais a nossa defesa. Eles se atiraram ao ataque e expuseram a própria defesa. Tanto que fizeram dois pênaltis como último recurso. Baixamos o ritmo no segundo tempo, já pensando na próxima fase. Como não tínhamos experiência de Copas, era melhor nos resguardar. Ainda assim, o público gosto do que viu.

Fala, Armando Nogueira (jornalista brasileiro) – No parentesco da camisa, no estilo e no destino, a reencarnação da Hungria de 1954. Do alto de suas tribunas, os catedráticos proclamavam que é o futuro do futebol! Pergunto eu, se tribuna ainda tivesse: – e por que não o futebol do passado?

LOCAL: Westfalenstadion, em Dortmund, Alemanha. 23 de junho de 1974. 16h locais, 25 graus. 52.10 pagantes.

PLACAR VIRTUAL 1o. TEMPO – HOLANDA 6 x 3 BULGÁRIA

PLACAR VIRTUAL 2o. TEMPO – HOLANDA 11 x 2 BULGÁRIA

PLACAR VIRTUAL FINAL – HOLANDA 17 X 5 BULGÁRIA

HOLANDA – 4-3-3 – Jongbloed (8); Suurbier (20), Haan (2), Rijsbergen (17) e Krol (12); Jansen (6), Neeskens (13) e Van Hanegem (3); Rep (16), Cruyff (14) e Rensenbrink (15). TÉCNICO – Rinus Michels.

BULGÁRIA – 4-3-3 – Staikov (21); Zonio Vassilev (18), Ivkov (19), Penev (6) e Velichkov (4); Kolev (5), Bonev (8) e Stojanov (10); Voinov (7), Panov (15) e Denev (11).

COMEÇOU – Com muito sol e calor, a Holanda ataca para a direita do vídeo. Camisas e meias laranjas, calções negros.

20s – Moleza búlgara. Neeskens recebe livre e manda de longe para defesa do goleiro Staikov (32, Slavia Sofia). O jogo promete…

45s – Bobagem de Haan na saída de jogo, Jongbloed precisa dividir a bola com atacante rival na intermediária. Zagas pisam na pelota.

1min – Sensacional drible-da-vaca de Cruyff na intermediária holandesa, e bela tabela com Rensenbrink. Cruyff abre pela esquerda, o ponta vem para o meio até o 14 holandês sofrer falta de Kolev (25 anos, CSKA Sofia). Pelo jeito, diferentemente do empate contra a Suécia, a Bulgária irá colar um volante em Cruyff. Ou vai tentar…

2min – Holanda faz seu pressing habitual, e o narrador holandês não para de tossir na transmissão. HAHAHAHA! Mais um grande achado dos vídeos de Gustavo Roman.

3min – A marcação é a mesma das outras partidas: Suurbier segue individualmente o ponta-esquerda rival (Denev, 26, do CSKA Sofia), Krol pega o ponta-direita Voinov (21 anos, Levski Sofia), Rijsbergen segue o centroavante Panov, 23, Levski Sofia), e Haan fica na sobra, com liberdade para iniciar a linha de impedimento e começar o jogo holandês.

4min – PÊNALTI em Cruyff. Ele foi ao fundo pela esquerda até ser aterrado por Vassilev. Bem marcada a infração, em boa troca de função entre Cruyff e Rensenbrink.

5min – Neeskens bate o pênalti de pé direito. Uma bomba alta, no canto direito. O goleiro pula e não consegue defender. Mas o árbitro Tony Boskovic manda repetir a cobrança. Jansen se descabela e recebe AMARELO por reclamação.

5min – GOOOOOL. 1 X 0 HOLANDA. NEESKENS. PÊNALTI. PÉ DIREITO. Outra bomba à meia altura, do meio para a direita da meta. O goleiro búlgaro vai para o lado esquerdo e não acha nada. E nem pula… Justo 1 x 0 laranja.

6min – O ponta Voinov avança pela direita e é desarmado por Krol. No combate também estavam Van Hanegem e Cruyff, logo atrás. Não só se desmarcava fácil a Holanda. Marcava duro, e muito, sem a bola.

10min – Liiindo calcanhar de Cruyff. Pressing total laranja na saída de bola búlgara, que tem alguma qualidade técnica para encarar a Holanda esfomeada.

13min – TRAVE DIREITA! Neeskens limpa o lance na posição de centroavante, e manda a bola no pau. Linda arrancada de Cruyff desde o campo laranja, pela meia direita. Neeskens mais uma vez aparece vindo de trás, por dentro, com Jansen marcando e jogando mais pelo lado direito. A impressionante movimentação de Cruyff libera o espaço no comando de ataque ou para os dois pontas (sobretudo Rensenbrink) ou para Neeskens, que chega sempre muito bem. No lance, a sorte ajudou – Neeskens perdeu a bola que bateu no zagueiro Penev e sobrou novamente a ele. Coisa de grande time em grande fase.

15min – Falta feia de Krol em Vassilev (22, CSKA Sofia), não marcada pelo árbitro, que nem mostra amarelo. Na ficha oficial do jogo, a da Fifa, consta que Mladen Vassilev foi quem jogou pela lateral-direita búlgara. Mas, na partida, não é o número 13 e, sim, o 18 – Zonio Vassilev.

15min – Espetacular lançamento de 50m de Van Hanegem, da lateral esquerda, para Rep, em diagonal. O ponta domina mal e perde a bola. Lance típico holandês – lançamentos e inversões de bolas para os homens de frente, sobretudo os pontas entrando em diagonal.

16min – Neeskens cabeceia e quase amplia, não fosse a zaga búlgara salvar saída ruim do goleiro Staikov. Linda troca de posições entre os 3 atacantes, e mais a chegada do incansável Neeskes pela ponta esquerda. O zagueiro-direito Ivkov (32, Levski Sofia) foi quem tirou a bola que entrava.

19min – Rensenbrink bate cruzado da ponta esquerda, e a bola passa perto da meta búlgara, em lance bem armado pelo zagueiro Rijsbergen.

20min – Cruyff organiza o time a partir da lateral direita. Não era incomum ele vir tomar a bola e começar o jogo, com toda a equipe à frente dele.

Cruyff recua para começar o jogo holandês

Cruyff recua para começar o jogo holandês

20min – Por 45s e 18 trocas de bola, com direito a fintas de Cruyff, a Holanda faz o que quer. E o torcedor aplaude.

22min – Primeira linha de impedimento holandesa que dá errado na Copa (também por erro do assistente) ocasiona primeira chance búlgara, desperdiçada por Denev, que chuta em cima de Jongbloed.

24min – Mesmo apanhando bastante de Krol, o bom ponta-direita búlgaro Voinov cria alguma coisa por seu lado. A Holanda recua demais.

25min – TRAVESSÃO! Bonev bate falta (feia) cometida por Suurbier, da ponta esquerda, e manda a bola no travessão de Jongbloed, que esperava o cruzamento.

26min – Joga boniiiito Van Hanegem. Um tanto lento, mais com uma canhotinha precisa. Rensenbrink ainda não entrou no jogo. Rep se mexe muuuuito bem.

27min – Letal contragolpe búlgaro com Denev, que toca para trás para o sumido centroavante Panov emendar de canhota para mais uma boa defesa de Jongbloed, no canto esquerdo rasteiro. Acorda, Holanda! Em menos de 10 minutos, as três primeiras chances búlgaras.

27min – AMARELO. VAN HANEGEM. Falta disciplinar.

28min – AMARELO. CRUYFF. Indisciplina antes da cobrança. Era o caso?

Cruyff mostra o número para o árbitro anotar o cartão

Cruyff mostra o número para o árbitro anotar o cartão

30min – Toda bola vai para Van Hanegem que tenta o lançamento para Rensenbrink. Não tem dado certo.

31min – Cruyff manda a bomba da entrada da área para firme defesa do goleiro rival. Belo lance dele com Van Hanegem. Quando o 14 vem buscar jogo, sai coisa boa. Até porque a marcação não é tão feroz. E, mesmo se fosse, ele daria um jeito.

34min – Cai o ritmo do jogo. Muitos passes errados. Muitas bolas recuadas para os goleiros. Muito calor. Jogo fica mais igual, mas a bola volta a ser mais laranja.

40min – Rep, da ponta esquerda, bate fraco, à direita da meta. Contragolpe em que o volante Jansen estava de centroavante, e os dois pontas invertidos…

42min – Quem diz que só jogador deste século é marrento? Dá um look em um dos gêmeos Van der Kerkhoff, no banco holandês, de óculos escuros na tarde quente de Dortmund.

Quem não tem colírio usa óculos escuro. Até no banco de reservas

Quem não tem colírio usa óculos escuro. Até no banco de reservas

44min – PÊNALTI. De Velichkov em Jansen, que ampliaria o placar. Hoje, o lateral-esquerdo seria expulso. Ontem, todo o sistema defensivo búlgaro sairia preso pelo governo ditatória; lateral batido no campo de defesa holandês por Krol sobrou livre para Cruyff, que fez todo lance até Jansen ser derrubado. Pênalti bem marcado. AMARELO correto para VELICHKOV.

45min – GOOOL. 2 X 0 HOLANDA. NEESKENS. Uma bomba de pé direito, no canto alto direito do goleiro. Indefensável, mesmo com o búlgaro acertando o canto.

INTERVALO – A Holanda iniciou como de costume, a Bulgária equilibrou nos 15 minutos finais, mas um contragolpe letal ampliou a vantagem para justos 2 x 0 para a Holanda.

RECOMEÇOU – MUDOU A HOLANDA. ENTRA ISRAEL (zagueiro, 31 anos, Feyenoord), SAI VAN HANEGEM. Impressionante, na primeira etapa, a capacidade holandesa de marcar por pressão e alternar com o recuo da equipe atrás da linha da bola. MUDOU A BULGÁRIA. ENTRA MIHAILOV (atacante, 25, do Levski Sofia), SAI O APAGADO MEIA STOJANOV.

1min – Rep bate de voleio à esquerda da meta rival. Lindo lance de Cruyff pela ponta esquerda, depois de receber de Neeskens. Em menos de 2 minutos, a Holanda chega por duas vezes com perigo. Eram 4 laranjas dentro da área rival.

2min – A mudança tática de Rinus Michels: Israel entra como zagueiro para marcar o apagado atacante Panov; Rijsbergen é adiantado para jogar como volante, seguindo o melhor jogador rival, o meia-armador Bonev (27, do Lokomotiv Plovdiv). Neeskens ganha mais liberdade para atuar como armador, encostando em Cruyff e nos dois pontas, Atua de modo mais incisivo que Van Hanegem. Jansen segue marcando mais aberto pela direita, mas também chegando à frente. É quase um 4-2-2-2, com o recuo de Cruyff. Mas o correto é dizer um 4-3-3.

3min – A terceira linha de impedimento holandesa na partida. Bulgária sufocada na saída de jogo.

5min – Como corre e como joga Neeskens! E como nenhum rival consegue marcá-lo.

9min – Cruyff faz de tudo. Até massagem na parte posterior da coxa direita do goleiro Jongbloed! Ele joga demais, bate escanteio, falta e arremesso lateral, conversa com o árbitro… E faz massagem no companheiro machucado… Não é demais, não?

Cruyff levou a Holanda até nas coxas

Cruyff levou a Holanda até nas coxas

10nin – TRAVE DIREITA. Rensenbrink recebe um bolão de Jansen, dribla o goleiro, perde o ângulo, e ainda assim manda na trave búlgara.

11min – Mais uma falta feia, uma tesoura por trás de Suurbier. E segue o jogo. Sem amarelo. Holandeses devem ter feito um cursinho rápido com Forlán e Montero Castillo.

11min – MUDOU A BULGÁRIA: ENTRA BORISSOV (atacante, 24 anos, Levski Sofia); SAI Panov, centroavante que não entrou em campo. Horrível.

14min – Rensenbrink cai pela direita e manda a bomba. Está jogando melhor e mais solto no segundo tempo. Com o recuo de Cruyff, sobra mais espaço para o ponta rodar o ataque.

15min – Rensenbrink, livre no segundo pau, na ponta direita, cabeceia rente à trave. Lindo lance: o volante Rijsbergen avançou como se fosse meia esquerda, serviu o volante Jansen como se fosse ponta esquerda para um cruzamento de três dedos para o ponta esquerda que estava na direita. É o futebol total. Ou a pelada organizada.

19min – Lance parado por impedimento do bom Voinov, mas uma baita saída de Jongbloed.

21min – Exuberante arrancada no contragolpe de Cruyff. Além da inteligência tática e da técnica apurada, o homem era uma bala! E fumava feito chaminé para um atleta! O goleiro salva o que seria o terceiro gol holandês.

22min – AMARELO. DENEV. Falta em Suurbier. Era para tanto?

24min – Quase todo o estádio aplaude Neeskens, que recuperou no carrinho uma bola perdida e criou lance de escanteio. Na raça, na velocidade, na técnica.

25min – Lance discutível na ponta direita holandesa. Árbitro marca tiro livre indireto em falta de Borissov em Rep, dentro da área. Se marcou a falta, era pênalti, não falta em dois lances.

26min – GOOOL. 3 X 0 HOLANDA. REP. PÉ DIREITO. UMA BOMBA NO MEIO DO GOL. Cruyff cruzou na área, Vassilev rebateu mal, Rep esticou a perna direita e acertou belo voleio, uma bomba no meio do gol, alta, por sobre o atrapalhado goleiro búlgaro.

29min – Cruyff domina na meia lua um passe de Rensenbrink e, de sem-pulo, emenda a canhota (a perna ruim, ou, no caso, a menos boa): um canhão bem defendido para escanteio pelo goleiro búlgaro. Lindo lance do craque. Categoria, frieza e potência.

31min – Rep, cansado, passa por dois e toca para Suurbier limpar mais dois rivais e mandar um canhotaço bem defendido pelo goleiro. No contragolpe, um massacre laranja,

33min – GOOOL. 1 X 3 BULGÁRIA. KROL, contra! Além de ter dado condição de jogo na ponta-esquerda a Denev (veja a foto abaixo), Krol ainda tenta se recuperar e acaba fazendo contra o único gol rival, o primeiro sofrido pelos holandeses na Copa. Pela segunda vez em quatro tentativas, deu errado a linha de impedimento holandesa. Desta vez, não por culpa da arbitragem. E, sim, de Krol, que saiu tarde e acabou castigado pelo gol. O ponta Voinov ainda bate nas costas do ótimo lateral-esquerdo holandês, confortando-o pela infelicidade dupla.

Krol marca bobeira e dá condição de jogo a Denev no gol rival

Krol marca bobeira e dá condição de jogo a Denev no gol rival

Voinov consola o lateral Krol, depois do gol contra

Voinov consola o lateral Krol, depois do gol contra

34min – MUDA A HOLADA. ENTRA DE JONG no meio; SAI NEESKENS, o melhor em campo. Morto de cansado.

35min – Rep de cabeça quase amplia, em belo passe por elevação de Cruyff. Como o camisa 14 sempre aparece livre! Não é apenas demérito rival. É mérito dele.

37min – Mihailov passa fácil por Haan e bate firme para outra ótima defesa de Jongbloed. Uma das tantas figuras holandesas.

39min – PERDEU!? De Jong, na pequena área, perdeu um dos gols mais feitos da história do mundo livre! Rijsbrgen chutou de fora, o goleiro deu rebote, Rep cruzou para dentro da área, e De Jong isolou a bola como um OVNI.

Olha só o gol que o De Jong perdeu... Debaixo da trave!!!

Olha só o gol que o De Jong perdeu... Debaixo da trave!!!

41min – Sete holandeses dando um arrastão sobre o lateral búlgaro? Precisava? 3 x 1, fora o show. Impressionante. Mas precisava tudo isso?

Arrastão aos 42 do 2o. tempo, e ganhando por 3 x 1? Só a Holanda

Arrastão aos 42 do 2o. tempo, e ganhando por 3 x 1? Só a Holanda

42min – GOOOOL. 4 X 1 HOLANDA. DE JONG. De peixinho, no segundo pau, depois de brilhante passe de Cruyff da ponta esquerda. Respondendo a pergunta anterior: precisava a blitz. A partir dela a Holanda ficou com a bola e iniciou a pressão que resultou no golaço aplaudido por todo o estádio, desde o momento em que a bola chegou a Cruyff. Show laranja. 4 x 1 foi placar mínimo.

45min -Rep escapa livre pela esquerda, mas pega mal de canhota. Como esses caras conseguem correr e jogar tanto?

FIM DE JOGO – Explode o estádio de Dortmund. Com imensa razão e emoção. Um baita jogo holandês. Um massacre ainda maior que os 2 x 0 no Uruguai. Não havia no mundo time melhor que esse.

PRONÚNCIAS HOLANDESAS:

Jongbloed IÓNGBLUD

Suurbier SÍ-IRBIÊR

Rijsbergen RRAIJISBÉR-REN

Haan RRÁN

Krol Q-RÓL

Jansen IÁNSSEN

Neeskens NÊXKENX

Van Hanegen VAN RRÁNE-RAM

Rep H-RÉP

Cruyff KRÁIF

Rensenbrink RRÊNSENBRINQ

NOTAS:

HOLANDA –

Jongbloed – 8 – Outra ótima partida. Bem ao atuar adiantado, fechou bem o ângulo, e nada poderia fazer no gol contra de Krol.

Suurbier – 7 – Boa participação ofensiva, teve problemas com o ponta Denev. Apareceu até como centroavante.

Haan – 7 – Na sobra, mais uma vez, atuou mais pela direita que pela esquerda. Sem o mesmo ímpeto ofensivo de outros jogos, até pelo bom volume de jogo ofensivo do rival. Comandou 4 linhas de impedimento – duas fracassadas.

Rijsbergen – 8 – Anulou o nulo Panov no primeiro tempo, como zagueiro; na segunda etapa, como volante, travou o bom Bonev. Bela partida, também na parte ofensiva.

Krol – 5 – Sérios problemas com o bom ponta Voinov, apoiou pouco, e ainda deu condição de jogo e fez o gol contra no único ataque certo do rival

Jansen – 8 – Incansável, saiu mais pela direita no primeiro tempo, e compôs mais a marcação na metade final. Brilhante taticamente.

Neeskens – 10 – Dois gols de pênalti, intensa movimentação, ajudou a defesa com raça e tática, e com técnica e velocidade se somou ao ataque, invertendo de funções com Cruyff. O melhor em campo.

(De Jong – 7 – Perdeu um gol feito, e fez um bonito, o final. Aproveitou-se do cansaço rival.

Van Hanegem – 7 – Bonito vê-lo jogar. Embora lento, tem canhota refinada e gosta de jogar bonito. Lançamentos perfeitos, embora, por vezes, pudesse trabalhar mais a bola.

(Israel – 6 – Entrou na zaga e não comprometeu. Discreto)

Rep – 8 – Um gol de artilheiro, um par de belos lances, e ótima movimentação. Por vezes, além de ponta, é o centroavante que a Holanda não tem – e faz muita falta a um time que cria e perde gols com facilidade.

Cruyff – 10 – Não fez gol. Não precisou. Pelas pontas, pelo meio, como atacante, meia, volante, líder, capitão, um espetáculo. Acelera e desacelera como máquina, pensa e executa como computador, mas tudo isso com a alma do craque e do torcedor. Um dos maiores de todos os tempos.

Rensenbrink – 6 – Melhor no segundo tempo, também pelo recuo de Cruyff. Mas não estava 10% fisicamente.

Rinus Michels – 10 – Ao escalar Israel no intervalo e adiantar Rijsbergen para marcar Bonev, anulou o que restava do rival, sem perder a contudência. Que time!

BULGÁRIA –

Staikov – 5 – Não é bom goleiro. Mas fez algumas boas defesas que impediram maior goleada.

Zonio Vassilev – 4 – Cruyff, Rensenbrink, Krol, Van Hanegem. Todos resolveram jogar por ali. Poderia ser pior.

Ivkov – 4 – Coitado. E ainda é lento.

Penev – 5 – Futuro treinador búlgaro quarto colocado na Copa-94, foi muito melhor no banco que no campo.

Velichkov – 4 – Rep, Suurbier, Jansen, Cruyff… Coitado.

Kolev – 4 – Parecia que iria marcar Cruyff, como volante mais pela direita. Hahahahaha.

Bonev – 7 – Bom meia armador, foi o único que jogou no primeiro tempo, na intermediária vermelha; marcado por Rijsbergen no segundo tempo, não foi tão bem. O melhor búlgaro.

Stojanov – 3 – Assustado. Amuado. Ausente na armação pela esquerda.

(Mihailov – 5 – No segundo tempo, ao menos correu).

Voinov – 7 – Muito bom ponta-direita, fez bom duelo com Krol. Hábil, driblador, também ajudou atrás.

Panov – 3 – Disputou com Stojanov o papel de pior homem em campo. Inútil centroavante.

(Borissov – 5 – Ao menos chutou em gol)

Denev – 6 – Abusado, fez o lance do gol búlgaro.

Hristo Mladenov – 5 – Armou seu time no 4-3-3 e tentou parar Cruyff. Não há como cobrá-lo mais.

ÁRBITRO – Tony Boskovic (6), da Austrália, acertou nos pênaltis, poderia ter mostrado mais cartões e, no quarto gol, poderia ter marcado antes o pênalti. Mas conseguiu se impor.

Tags:

  • http://www.futebolpitacos.blogspot.com gustavo roman

    Fala Mauro.mais uma excelente analise.parabens.mas como vc esta seguindo a ordem cronologica dos jogos da holanda a proxima partida na minha opiniao(nao sei se na sua e tb)a melhor partida da laranja na copa de 74.os 4xo contra os hermanos foram fantasticos…so d ver a cara deles perdidos sem saber a quem marcar…nao tem preço…
    agora as tossidas do locutor no inicio do jogo sao mto boas mesmo ne…
    abraços amigo

  • Dejan Nóbrega

    Mais uma partida fabulosa da Seleção Holandesa, grande análise Mauro, e cada dia me impressiono mais com esse jogador extraordinário( iniguálavel ) que se chama Johan Cruyff.
    Ele que é meu jogador preferido, sou fã dele e sempre serei admirador número 1 do futebol dele.
    Abraços Mauro!!!