Volta Redonda 3 x 5 Vasco

por Mauro Beting em 30.mar.2009 às 10:08h

ESCREVE ANDRÉ ROCHA http://blogs.abril.com.br/futebolearte

Aos poucos, o treinador vascaíno vai conhecendo melhor o seu elenco novo e pouco rodado. E gradativamente também vai descobrindo as melhores opções para as trocas, quando elas são necessárias.

Escaldado pela péssima atuação no primeiro tempo contra o Mesquita e sem poder contar com Fernando e Nilton, suspensos, e Carlos Alberto, contundido, Dorival Jr. apostou em Leonardo Silva na defesa, Mateus no meio-campo e, para suprir a vaga de seu capitão e grande destaque individual, Dorival teve a sua grande sacada: colocou Enrico como o volante pela esquerda e avançou Jéferson como meia-atacante pelo mesmo lado. Além disso, abriu Pimpão pela direita e, com Élton enfiado, armou novamente a equipe no 4-3-2-1 que não deixa a movimentação do ataque previsível.

É óbvio que, com o time mexido em peças fundamentais e sem os seus líderes em campo, o Vasco poderia sofrer um pouco até encaixar o jogo. Para complicar, o Volta Redonda começou muito bem com seu time repleto de jogadores experientes, como Júnior Baiano, Robson Luiz, Paulinho (ex-Flamengo) e Fábio Bala, o ex-atacante do Flu que abriu o placar no Raulino de Oliveira.

Mas depois que a equipe cruzmaltina encontrou na esquerda o melhor lado para atacar, ficou bem mais fácil e, após a virada ainda no primeiro tempo com o belo gol de Mateus de fora da área e a conclusão precisa de Titi após rebote do escanteio, o time sobrou e os gols saíram naturalmente no segundo tempo, com o artilheiro Elton marcando pela sexta vez na competição e Enrico, sempre chegando de trás pela esquerda, anotando os outros dois e mostrando ao seu treinador que, na preocupante ausência de Carlos Alberto, é a sua entrada a melhor opção para que a equipe continue veloz e contundente.

Leo Lima, que entrou no segundo tempo, mais uma vez abusou da displicência e parece sepultar de vez as remotas chances de se tornar titular ou, pelo menos, ser uma alternativa viável para o meio-campo. Na defesa, por incrível que pareça, Fernando fez falta e o time penou na retaguarda, apesar dos gols dos bons Dedé e Robinho terem saído mais pelo relaxamento vascaíno do que por méritos do time da Cidade do Aço.

Agora são quatorze jogos de invencibilidade (um pela Copa do Brasil) e a vaga para as semifinais da Taça Rio garantida. Mas a grande notícia para Dorival Jr. é que ele começa a ter domínio do seu elenco e aprimora ainda mais um trabalho bem melhor do que as previsões mais otimistas poderiam projetar.

ESCREVEU ANDRÉ ROCHA http://blogs.abril.com.br/futebolearte

  • vinicius

    eai mauro . baum ? vi vc ontem no rock gol … acho que seria mais engraçado vc ter encarado o “bola na fogueira”…não teve muita graça com o S Chulapa… admiro muito seu trabalho . abraçon !!!

    VINICIUS, valeu, cara. Os dois são monstros, além de amigos. e o chulapa é demais.