Gre-Nal 375 – Inter campeão do turno 2009

por Mauro Beting em 02.mar.2009 às 12:02h

Índio faz gol no Gre-Nal. Tite não perde para o Celso Roth. Victor faz milagres na meta gremista. Taison melhora a cada partida. Roth prende o time e, quando solta, melhora o Grêmio. Magrão faz um gol decisivo de cabeça e não perde o Gre-Nal.

Tudo dentro da lógica. Tudo dentro do esperado. Tudo dentro do entabulado, e dos tabus. Melhor campanha e melhor time do turno, o Inter ficou a taça de nome de um grande dirigente colorado. Suado, como qualquer Gre-Nal. Facilitado por Ruy que deu condição de jogo a Índio e a três colorados no primeiro gol. Maldosamente, dizem que foi pela cabeça. Na prática, foi pelo coração vermelho, que pulsou um pouco mais forte no 375. Mas que não tira do Grêmio as reais chances de recuperação.

MELHOR ESCREVE ANDRÉ ROCHA

http://blogs.abril.com.br/futebolearte

A Taça Fernando Carvalho está no lugar justo. O Internacional foi a melhor equipe do turno gaúcho e venceu a final com méritos, mesmo com dificuldades em alguns períodos da partida. Se Andrezinho não tem a visão de jogo de D’Alessandro, o meia se mexeu por todo o campo, conseguiu boas combinações com Taison e Nilmar e colocou a bola na cabeça de Magrão no gol da vitória e do título, o primeiro, ainda que pouco significativo, do Colorado no ano de seu centenário.

Mas o tema deste post são os problemas que o rival tricolor do Inter vem enfrentando por conta das nuances do calendário combinadas com a cultura e a tradição que fazem com que o clube que deveria estabelecer prioridades na temporada e descartar todo o resto em busca de um objetivo maior viva enorme dilema pela rivalidade regional histórica.

O Grêmio escalou apenas o titular Léo na vitória por 1 a 0 na semifinal de sexta contra o Veranópolis. Mas o elenco viveu o clima de uma partida decisiva, apenas dois dias depois da estréia na Libertadores. Se o clube deseja a conquista continental por tudo que ela representa, mas também porque seria a glória no ano do centenário do rival, este mesmo pensamento vale para o Estadual na cabeça dos mais fanáticos e radicais. Além do mais, um Gre-nal decisivo, no Beira-Rio e valendo a taça com nome de dirigente adversário não se joga todo dia.

E Celso Roth, talvez temendo o desgaste físico e psicológico da equipe, preferiu armar um time mais cauteloso e jogar a pressão do favoritismo para o adversário. No 3-4-2-1, com Jonas no banco e Diogo em campo fazendo companhia a Adílson à frente do trio de zaga, a equipe gremista cedeu espaços demais e foi pressionada pelos rivais, com Victor sendo o grande destaque da primeira etapa disputada com os nervos à flor da pele. No início do segundo tempo, em vacilo de Ruy na linha de impedimento (será que o diâmetro do crânio dificultou o deslocamento do ala?), saiu o gol de Índio, o seu quarto no principal clássico gaúcho.

Com o equívoco na escalação corrigido na entrada de Jonas no lugar de Diogo, o Grêmio cresceu, empatou em belo chute de Alex Mineiro e parecia mais sólido no jogo. Mas Roth voltou a pecar pela cautela excessiva e, na troca de Jadílson por Héverton, voltou a recolher as armas. E a punição não demorou a vir com o gol do camisa 11 colorado, ainda invicto em Grenais.

O saldo de todo esse “conflito” não foi nada positivo para o Tricolor: Primeiro turno perdido, duas derrotas para o arquirrival na temporada e o aumento da pressão atmosférica no Olímpico. Para o torcedor, todos estes reveses em âmbito regional só serão compensados com o título da Libertadores. E por conta de tantas dúvidas na escalação, na montagem do elenco e na definição do que é realmente mais importante em 2009, o Grêmio não parece pronto para tamanho desafio e vem pagando caro pela cruel incerteza de sonhar além de suas fronteiras, mas com os olhos atentos aos passos do vizinho que prepara a festa ao lado do seu “quintal”.

ESCREVEU ANDRÉ ROCHA

Tags:

  • Leandro

    Só mostrou o que todo mundo sabia, o Inter é muito superior ao Grêmio.

  • daniel farias de poa

    palhaçada!!!!
    poxa mauro, estou de saco cheio com alguns comentaristas que insistem em
    falar que o adilson, volante do gremio é promessa de grande jogador, o cara
    é muito fraco, perde todas divididas, e tem gente falando que o cara é bom!!!
    quem entende mesmo de futebol sabe que ele e o diogo são jogadores de clubes pequenos e me desculpe, o douglas costa “craque” já era pra ser vendido, é muito fraco, vai se acabar que nem se acabou o bruno, lembra?
    promessa de ser o novo ronaldinho, nunca mais se viu, jogador que nem este tem varios no meu bairro, e o meu time que é o gremio tem que abrir
    o olho, o celso nunca na vida ganhou nada!!! abração….

  • Cristiano

    Mauro, gostaria de aproveitar a popularidade do teu blog para deixar um aviso importante aos torcedores de outros times (não gremistas): Nunca, em hipótese alguma, aceitem que o nome Celso Roth seja sequer especulado pela diretoria de seus clubes. Jamais permitam que esse cara tenha poder sobre os times que vocês torcem. Ele é a tragédia em pessoa. Medroso, burro, irracional, prepotente, arrogante e, sem dúvida, o sujeito mais pé-frio da história do futebol nacional.

  • http://rumoatokyo.wordpress.com Alan Bezerra

    Gre-nal é um caso a parte no futebol mundial. Talvez só Boca-River e Real Madrid-Barcelona possam chegar perto do que ocorre no Rio Grande do Sul. Esse problema levantado pelo André Rocha é muito complicado e maior do que parece ser. Não deixar o Inter ganhar o Gauchão no ano do centenário e ofuscar esse ano Colorado com a conquista da Libertadores é tarefa dura para o Grêmio. Mas é algo perfeitamente possível para um time e para uma torcida que ganharam a Batalha dos Aflitos.

  • FJC

    Caro Daniel, o que aconteceria se jogadores como Adilson e Diogo fossem comandados por Luis Felipe, por exemplo?
    Eu escrevi outro dia sobre a ausência de um Volante de qualidade a frente da área do Grêmio, e questionei também sobre esses dois atletas.
    Mas será que eles não rendem porque não têm qualidade ou será que o técnico tem alguma parcela de culpa nisso? Romário dizia que o bom treinador é aquele que não atrapalha o atleta.
    Douglas Costa tem futuro, mas o treinador não o deixa jogar. Ele precisa jogar solto sem a obrigação de marcar, mas Celso Roth nunca fará isso.
    Considero o Roth um bom técnico, mas um técnico que não nasceu para ser campeão, “pé frio”, “sem estrela”. Entre os treinadores sulistas, pior que Roth, só o Cuca e sua choradeira, seja na vitória ou na derrota; mas, mais pior ainda é o Caio Júnior, seu óculos de filósofo e as suas teorias futebolísticas. A supremacia colorada não é tão grande assim, apenas acho que o Inter tem um time mais leve e rápido, fundamental no futebol.
    E tem também um monstro chamado Guinãzu. Que por sinal, bem que poderia ter sido expulso no grenal. Mas isso é outra história.
    Um treinador tem que saber aproveitar o que há de melhor no seu potencial e nas suas características, e Celso Roth não sabe fazer isso no Grêmio. Tem jogadores de qualidade nas mãos, mas não consegue ensaiar uma jogada nem corrigir defeitos. Na coletiva, reclamou do problema da “bola parada”, uma rotina em Grenais. Que curioso! Ele é o treinador, mas culpou a desatenção dos jogadores da defesa. Que contradição! O Grêmio perdeu no alto e poderia ter perdido no chão, mas ele quer desviar o foco, insinuando que essa falha no jogo aéreo foi decisiva nas duas derrotas. É nesses momentos que descobrimos o verdadeiro treinador estrategista, aquele técnico que faz a diferença: Mano Menezes, a dois anos, com um time inferior enfrentou o time campeão do mundo de Abelão de igual pra igual e nunca perdeu.
    Celso Roth, por sua vez, tem alternativas, tem recursos, mas não tem visão e não sabe reverter situações adversas. E se o Inter poderia servir como um teste para os jogos mais difíceis da Taça Libertadores, Com duas derrotas, estamos reprovados.
    Na Libertadores, somente dois técnicos resolveriam o problema do tricolor: ou o eterno FELIPÃO, o que é praticamente impossível de acontecer; ou ainda, acredito eu, RENATO PORTALLUPI, pelo respeito que impõe aos jogadores e por ainda ser o maior ídolo da torcida.
    Roth está perdendo o controle dos seus comandados, e suspeito que alguns jogadores como Souza, por exemplo, não gostam dele. A torcida, por sua vez, já não acredita no seu técnico desde a perda do Campeonato Brasileiro ano passado. Com Celso Roth, eu jogo a toalha: o Grêmio não aspira mais nada em competição alguma.

  • JOSÉ MACIEL

    ENQUANTO VOCÊS VIVEREM DE “BATALHA DOS AFLITOS” VÃO CONTINUAR A SER UM CLUBEZINHO DE SEGUNDA DIVISÃO.
    SE NÃO NÓS COLORADOS ATÉ HOJE FALARÍAMOS DO “GRE-NAL DO SÉCULOS” VENCIDO DE VIRADA COM DEZ JOGADORES EM CAMPO.
    PARABÉNS INTER “REI DE COPAS BRASILEIRO”.

  • GILSON

    É, E´MUITO BOM SER COLORADO POIS AGORA FICAMOS SENTADOS AGUARDANDO O PROXIMO CLASSIFICADO, PARA FINAL. SE FOR O AQUELE LÁ, TIME DE AZUL, QUE VENHA MAIS UMA VEZ…HE HE HE HE !!!!

  • NATALIA DA SILVA OLIVEIRA

    meu canpeão inter voce e o melhor que voce venca todos os jogos,estarei senpre torcendo pra todos voces.
    e nos na fita,samos canpeão!!!!!!bjsssspara todos os jogadores.
    acinado a gostosa e torcedora natalia mande um bj pra mim.