Flamengo-PI 1 x 4 Vasco

por Mauro Beting em 18.fev.2009 às 23:00h

O adversário, apesar de tudo parecer o grande rival, ficou só no campo virtual. Fez um gol, atrapalhou o cancelamento do segundo jogo por bom tempo, mas sucumbiu diante da camisa cruzmaltina, muito mais que perante o futebol vascaíno.

De bom, mesmo, foi ganhar mais uma folga na tabela, e um certo astral para atravessar a tormenta.

MELHOR ESCREVE ANDRÉ ROCHA

http://blogs.abril.com.br/futebolearte

A grande maioria dos principais times do país reclama das longas viagens aos locais mais remotos do território nacional nas primeiras fases da Copa do Brasil, pelo cansaço, gramados ruins e outros problemas. No entanto, muitas vezes este deslocamento para ambientes diferentes pode ser benéfico para a autoestima do clube em momentos menos felizes.

O Vasco vive um período conturbado e de moral baixa pelos problemas políticos, a condição de time da Série B em âmbito nacional e pela derrota no TJD no “Caso Jéferson”, que tirou o time cruzmaltino das semifinais da Taça Guanabara. Mas se no Rio o clima era fúnebre, a recepção em Teresina foi digna da grandeza vascaína. Jogadores que chegaram a São Januário neste ano, se ainda não tinham percebido a dimensão de atuar em um clube de enorme tradição e imensa torcida, certamente foram surpreendidos pela euforia do torcedor piauiense, que compareceu até no treino e demonstrou todo o seu respeito e carinho pelo Gigante da Colina.

Em campo, depois da gafe histórica da banda militar que tocou o hino do Flamengo do Rio ao invés de executar o do time local, o Vasco encontrou no modesto adversário o “sparring” ideal para que um time intranqüilo e desanimado se impusesse com naturalidade e marcasse os gols em ritmo de coletivo.

Jéferson, o pivô de toda a polêmica do Estadual, foi um dos destaques no Estádio Albertão, com boa atuação e um belo gol. Elton, que iniciou a partida como titular do ataque ao lado de Pimpão, marcou duas vezes em bonitas jogadas e começa a ganhar uma vaga na equipe pela presença de área que vinha faltando ao time de Dorival Jr, que colocou o que tinha de melhor em campo e volta para o Rio de Janeiro com a vaga garantida.

Se os 4 a 1 não servem como parâmetro para uma análise mais profunda de um Vasco que ainda precisa progredir, mas já apresenta um jeito de jogar, o resultado e a celebração apoteótica da torcida pelo menos servem para reerguer um grupo de jogadores que parecia sem perspectivas diante dos últimos acontecimentos e ganha novo ânimo para a seqüência da temporada.

ESCREVEU ANDRÉ ROCHA

Tags:

  • Vasco da Gama, campeão brasileiro 4 vezes

    O Vascão ainda está tomando corpo, mas reagirá. Estamos começando bem, jogando com raça, e isso foi o que mais faltou em 2008. Caímos, mas tantos gigantes também caíram. Manchester United, Milan, Juventus, Corinthians, Fluminense, Palmeiras, Botafogo, Atlético-MG, Grêmio etc. A hora agora é de reagir, e não de lamentar. Tiraram 6 pontos do Vasco? O que podemos fazer? NADA. Esquecer o passado para ter um bom futuro. Essa é a regra! O sentimento não pode parar!!!!!

  • Vasco da Gama, campeão sul-americano 2 vezes

    Cair foi um grande choque para mim. O time era fraco, mas o peso do Vasco da Gama me levava a acreditar que escaparíamos. Foi terrível, mas aconteceu, além do rebaixamento, outra coisa que eu julgava ser impossível: AUMENTAR MEU AMOR PELO VASCO. Mas isso também aconteceu. Eu amava o Vasco com todas as minhas forças. Minha paixão transcendia tudo neste mundo, mas parece que ficou ainda maior após o descenso. É inacreditável, mas eu nunca amei o Vasco da maneira como eu o amo hoje. SV

  • Vasco da Gama, clube que sediou o 1000º gol de Romário

    ” Vou torcer pro Vasco ser campeão/ São Januário, meu caldeirão/ Vasco, tua glória é tua história/ É relembrar o Expresso da Vitória. ” Nossa história, nosso orgulho. Ser Vasco da Gama é algo inenarrável, algo inexplicável, algo imutável. Vasco, eu te amo demais. Nossa torcida mostrou, no Piauí, mais uma vez, que é diferente de qualquer outra. Não quero provocar clube nenhum. O ódio por clube algum, seja Flamengo, Fluminense ou Botafogo, ou qualquer outro, será maior do que o meu amor pelo Vasco. Não quero polemizar, mas apenas destacar a torcida do meu clube. Em todos os cantos, têm sempre milhares de vascaínos apaixonados, empurrando o clube de Roberto Dinamite, Romário, Edmundo, Vavá, Ademir Menezes, Sabará, Chico, Maneca, Friaça, Juninho Pernambucano, Juninho Paulista, Carlos Germano, Barbosa, Mauro Galvão, Bellini, Orlando Lelé, Orlando Peçanha, Leônidas da Silva, Fausto, Heleno de Freitas, Almir Pernambuquinho, Ipojucan, Jaguaré, Valdir, Dener, Jardel, Andrada, Saulzinho, Russinho, Negrito, Acácio, Leão, Mazarópi e tantos outros gênios que suaram o manto cruzmaltino em toda a nossa gloriosa e democrática história.

  • Vasco da Gama, o demolidor de preconceitos

    Nosso clube, além das glórias conquistadas no campo, como os 4 brasileiros, os 2 sul-americanos e os 2 mundiais, também deu exemplo de majestade e respeito fora dos campos. Fomos o clube que demoliu, destroçou todo e qualquer tipo de preconceito. Negros, analfabetos, operários, descendentes de portugueses, de africanos (Viva nossa MÃE ÁFRICA), todos eles tinham chance de jogar no Vasco. O critério para jogar no Gigante da Colina era APENAS UM: QUALIDADE TÉCNICA. Só isso. Não tinha que ser rico, ter ensino superior, influência política. NADA DISSO. Só tinha que ser bom de bola. É um dos motivos que me levam a ser vascaíno apaixonado.

  • Maior virada de todos os tempos

    O maior vídeo do Youtube.com é, com toda a certeza, o do Vasco Campeão da Copa Mercosul. A maior virada da história do futebol mundial foi protagonizada pelo VASCO. Na final, enfrentamos um forte e respeitado Palmeiras. Ao final do primeiro tempo, perdíamos a partida por 3 a 0. Para o segundo tempo, nem o mais otimista dos vascaínos acreditaria naquela virada que estava por vir. Com 3 gols de Romário, o último aos 48 minutos do segundo tempo, e um de Juninho Paulista, vencemos por 4 a 3. É mais um motivo que me leva a ser vascaíno. Só a gente para protagonizar tamanho milagre.

  • O clube recordista de artilharias de campeonatos brasileiros

    Com 8 artilharias, o Vasco detém o recorde nesse quesito nos 38 campeonatos brasileiros. Em 1974, ano de nosso primeiro título, Roberto Dinamite, que é, até hoje, o maior artilheiro da história da competição e 4º artilheiro do mundo em competições de 1ª divisão, conseguiu a 1ª das 8 façanhas cruzmaltinas no nacional. Em 1978, Paulinho repetiu a dose. Em 1984, Roberto Dinamite conseguiu, pela 2ª vez na carreira, essa conquista para si e para o VASCO. Em 1992, Bebeto foi o 4º artilheiro. Em 1997, Edmundo, com 29 gols, foi o artilheiro do campeonato, quebrando, inclusive, o recorde de gols numa só edição de campeonato brasileiro, marca só superada na era dos pontos corridos. Ainda assim, o Animal mantém-se como o único jogador a marcar 6 gols numa só partida de campeonato brasileiro, nos 6 a 0 sobre o União São João, em São Januário, também em 1997. E olha que ele ainda perdeu um pênalti. Há muitos jornalistas que dizem que o Animal foi o melhor jogador do mundo em 1997. Em 2000, Romário foi o artilheiro do campeonato, dessa vez empatado com Dill (Goiás) e Magno Alves (Fluminense). Ainda assim, foi o maior artilheiro do MUNDO na temporada de 2000, com 72 gols em 73 jogos. Marca quase impossível de ser superada. O Baixinho é demais mesmo. Em 2001, o bicampeonato das artilharias ao Rei Romário. Dessa vez, ninguém para dividir o trono com o melhor jogador do mundo em 1994. Em 2005, por fim, a 8ª artilharia do VASCO em Brasileiros, mais uma vez com o Eterno Camisa 11 do Mundo.

  • O clube recordista de artilharias de Copas do Brasil

    Empatado com Flamengo e Cruzeiro, é também do Vasco o posto de clube que mais fez o artilheiro da Copa do Brasil. Foram 3 vezes: Luizão, em 1998; Valdiram, em 2006 e, por fim, Edmundo, o nosso querido Animal, em 2008.

  • O PRIMEIRO CAMPEÃO CONTINENTAL DA HISTÓRIA

    Em 1948, os chilenos resolveram promover um Campeonato Sul-Americano, o primeiro torneio interclubes de um continente em toda a história do futebol mundial. O River Plate, da Argentina, apelidado de ” La Maquina”, com o monstro Di Stéfano arrebantando, era o grande favorito. O Colo Colo, do Chile, anfitrião do torneio, e o Nacional, do Uruguai, também eram super adversários do Vasco, clube que representava o Brasil, pois, como não havia campeonato nacional, o representante foi o campeão carioca, maior torneio do Brasil na época. O Vasco, portanto, como campeão invicto de 1947 e base da seleção brasileira que seria campeã da Copa América de 1949, representou o país no campeonato. Fomos campeões invictos. 4 vitórias e 2 empates. No jogo decisivo, contra o River Plate, o Vasco só precisava de um empate, já que era detentor da melhor campanha até ali. Chico marcou para os vascaínos, mas o gol foi erradamente anulado pela arbitragem. Barbosa ainda pegou um pênalti. No final, o 0 a 0 deu ao VASCO O PRIMEIRO TÍTULO CONTINENTAL DA HISTÓRIA DO FUTEBOL MUNDIAL. EM 1996, A CONMEBOL OFICIALIZOU DEFINITIVAMENTE O TORNEIO, DANDO AO VASCO A VAGA NA SUPERCOPA DOS CAMPEÕES DA LIBERTADORES DE 1997. EM 1998, O CLUBE DA COLINA VENCERIA MAIS UMA VEZ O CONTINENTE, CONQUISTANDO O BICAMPEONATO SUL-AMERICANO, FEITO INÉDITO PARA O VASCO DENTRE OS CARIOCAS.

  • Vascaíno que sempre acredita, mesmo nas situações mais adversas

    A Copa do Brasil é um competição extremamente democrática. Apesar de não termos vencido esse importante campeonato nacional, gosto muito da fórmula de disputa. Não premia o melhor clube do Brasil, mas permite a clubes pequenos do interior do Brasil sonhar com o sucesso profissional. Santo André, Paulista, Juventude e Criciúma são bons exemplos disso. Meu clube, apesar de tão grande, ainda não conseguiu ganhar a Copa do BR, mas esteve bem perto. Sem querer fazer chororô, mas fomos EXTREMAMENTE PREJUDICADOS PELA ARBITRAGEM EM 2006 E 2008. Na 1ª oportunidade, chegamos à nossa primeira decisão nesse torneio. O adversário foi o Flamengo. No 1º jogo, um pênalti ESCANDALOSO sobre o Valdiram não foi marcado. O Vasco era um pouco melhor no jogo. Essa partida acabou 2 a 0 para o Flamengo. No jogo de volta, mais um pênalti ABSURDO FOI IGNORADO PELA ARBITRAGEM, dessa vez sobre Wagner Diniz. O jogo terminou 1 a 0 para o Flamengo. Com a marcação desses pênaltis ESCANDALOSOS, o Vasco provavelmente seria o campeão, sendo o representante do RJ na Libertadores 2007. Em 2008, o Sport foi nosso adversário nas semifinais. No primeiro jogo, em PE (terra maravilhosa, por sinal), AMPLA SUPERIORIDADE TECNICA E TÁTICA DO LEÃO PERNAMBUCANO. Vitória dos nordestinos por 2 a 0. Na volta, um gol MAL anulado de Edmundo impediu nossa vitória por 3 a 0, o que nos classificaria sem a necessidade de disputa por pênaltis. Resultado: 2 a 0 VASCO e derrota nos pênaltis.

  • Vascaíno apaixonado pelo Gigante da Colina

    Parabéns, Vascão! Você está evoluindo bastante! Pode me chamar de louco, mas acredito que, com a raça de 2009 e os milhões da Eletrobrás, talvez briguemos por títulos importantes já em 2010! SV

  • Isnard da silva pereira

    O Gigante da colina é o Club mais apaixonante do Mundo, e não existe torcida mais apaixonada que a do Gigante.- Haja vista que no lançamento de títulos para sócio alcançamos em pouco tempo a marca de trinta mil sócios se continuarmos assim seremos o Club com o maior número de associados no Mundo isto quer disser que seremos o maior club de futebol do mundo. Salve meu adorado VASCÃO

  • THALYSSON SANCHES DUARTE

    alguem ae sabe me informar qual publico presente nesse jogo
    ??