Flamengo 1 x 0 Friburguense

por Mauro Beting em 26.jan.2009 às 12:54h

Adriano, goleiro do Friburguense, não merecia ter perdido. Por ele, o Flamengo não goleou, mesmo atuando abaixo das possibilidades. Mas não fosse o assistente que invalidou um gol absurdo, a estreia de Cuca teria sido mais complicada para o MEU maior candidato ao título estadual.

MELHOR ESCREVE ANDRÉ ROCHA

http://blogs.abril.com.br/futebolearte

Vitória injusta do Flamengo. O time sentiu demais a falta de ritmo de jogo e uma certa inadequação da base mantida – com apenas um entre os quatorze jogadores utilizados que não fazia parte do grupo do ano passado – com as ideias do novo treinador.

A casa rubro-negra poderia ter caído no segundo tempo, com o gol do Friburguense, marcado pelo meia Victor Hugo, que foi ridiculamente anulado pela arbitragem, com o jogador em posição legal por mais de três metros e atrás de três adversários, em um erro tão absurdo que fica difícil até afirmar que o assistente Luiz Antonio Muniz de Oliveira estivesse mal intencionado. A impressão era que ele não tinha a mínima noção do que estava fazendo na lateral do campo. As arbitragens do Cariocão prometem…

Cuca tem o hábito de adaptar os jogadores às suas convicções táticas. No Flamengo que mandou à campo na estreia do Estadual, o treinador armou o mesmo 3-1-4-2 de Caio Jr., mas com alguns “toques pessoais”: alas progredindo em diagonal para que meias, atacantes e até Willians, o volante mais plantado, penetrassem nos espaços deixado pelos laterais adversários na movimentação. Seria uma solução até interessante se os companheiros de Léo Moura e Juan nas ações ofensivas durante o primeiro tempo tivessem a característica de se projetar para receber o passe buscando a linha de fundo. Marcelinho Paraíba e Ibson são jogadores de toques curtos e que correm em direção à bola; Obina até tenta se mexer, mas falta velocidade. Os únicos a cumprirem as orientações, mas com pouca inspiração, foram Kléberson, que entrou em campo com a camisa 10, e Willians, que fez uma ultrapassagem com perfeição no primeiro tempo, mas errou o cruzamento. De resto, equipe lenta, levantando bolas na área a esmo e com posse de bola inócua.

Defensivamente, o que se viu foi um rodízio entre Fábio Luciano, Ronaldo Angelim e Aírton nas descidas ao ataque. Como o tempo para treinar foi mínimo e o trio estava acostumado a outro posicionamento, com o camisa 3 e capitão mais fixo na sobra, a coisa também ficou complicada na retaguarda e o Friburguense, com Alex pelos lados do campo, Thiago mais enfiado e Victor Hugo penetrando às costas de Willians pelo meio, ameaçou o gol de Bruno mais duas vezes, além do gol mal anulado. Na melhor oportunidade, ainda na primeira etapa, Fábio Luciano evitou o gol do lateral direito Crispin, com Bruno já batido.

Mesmo com todos os problemas, o Fla fez valer a sua imensa superioridade técnica na maior parte do tempo e transformou o goleiro Adriano – campeão da Copa SP de 1990 no próprio Flamengo, hoje com quarenta anos e com a camisa do mesmo número às costas – no melhor jogador em campo. Com grandes defesas, o arqueiro venceu com sobras o duelo particular com Obina, que teve três ótimas chances de marcar. Adriano só não conseguiu evitar a conclusão de Juan após dividir com Everton, que substituiu Marcelinho Paraíba no intervalo e foi boa opção pela esquerda. O gol único da partida também surgiu de um lance duvidoso, em que Everton parecia impedido na disputa de bola com o goleiro, após conclusão de Obina, mas o “tira teima” global mostrou que o atacante e o último defensor além do goleiro estavam na mesma linha.

Para completar a arbitragem desastrosa, que também atrapalhou o Flamengo ao marcar dois impedimentos inexistentes de Obina, o juiz Leonardo Garcia apontou quatro minutos de acréscimo e terminou a partida aos 47, prejudicando mais uma vez o time de Nova Friburgo, que deve fazer campanha digna na competição.

A estreia de Zé Roberto e a efetivação de Everton no lugar de Marcelinho, que parece de saída para o Cruzeiro, podem fazer com que a movimentação planejada por Cuca dê o resultado esperado. Neste início, o treinador, sempre ousado e criativo, poderia ter tido a sensibilidade de perceber que é mais difícil fazer uma equipe que atua da mesma forma há praticamente dois anos mudar seu jeito de jogar do que pegar um grupo novo e montar o sistema de jogo do zero.

Para sua sorte, os equívocos da arbitragem colaboraram e o time saiu com os três pontos. Mas ficou claro que há muito trabalho pela frente para que o Flamengo justifique o favoritismo ao tricampeonato regional e também comece a Copa do Brasil com um time mais arrumado.

Respeitar as características dos jogadores e inventar o mínimo possível já será um bom começo

ESCREVEU ANDRÉ ROCHA

  • http://blogdojaovitor.blogspot.com/ João Vitor Dias de Sousa – Santo André/SP

    Maurão,te digo uma coisa,esse Willians é muito bom jogador,até sinto falta dele no meu Santo André,vai ser uma das revelações da temporada,agora na série A.Uma coisa legal neste carioca é que os times pequenos podem jogar em casa,o que faz com que ganhem mais força no campeonato,dá mais graça.O Flamengo com certeza é um dos favoritos,mas ainda acho que Botafogo e Fluminense chegam bem,Vasco da Gama corre por fora,mas como têm muitos jogadores novos,vai precisar de um tempinho,mas ficará um grande time!!!
    Grande abraço e boa volta ao trabalho!!!
    João Vitor – 16 anos – Santo André/SP
    Dê uma olhada no meu blog,por favor:http://blogdojaovitor.blogspot.com/

  • rodrigo

    E o penalti nao marcado a favor do fla??? Antes do gol invalidado do Frib…

    repare como a bola vai a mao do jogador 2 vezes. quando ele esta de pe, e depois que cai. E pode-se dizer que o jogador levou a mao na bola as 2 vezes, se preferir.

    Mauro?

  • http://rumoatokyo.wordpress.com Alan Bezerra

    Tudo bem que errar é humano, mas marcar aquele impedimento é praticamente um atentado violento ao pudor.
    Com o tempo, o Flamengo vai se acertando e promete fazer boas campanhas no Carioca e na Copa do Brasil.