Palmeiras 4 x 2 Portuguesa

por Mauro Beting em 25.ago.2008 às 12:32h


No clássico disputado no estádio municipal, o campo era “neutro”. Mas o mando foi do Palmeiras – o melhor mandante do BR-08. Quem sabe por isso o Verdão tenha atuado bem melhor que no empate do turno e merecido a vitória por 4 a 2.

Espinosa apostou no 4-3-2-1, com Gavilán, Dias e Edno marcando, Fellype Gabriel e o estreante Héverton criando para Jonas no ataque. Luxemburgo manteve o 4-3-1-2 que tem adotado desde a saída de Valdivia. Diego Souza rende mais próximo à ótima dupla de ataque. A armação fica agilizada com Evandro e Martinez pelos lados, com Sandro Silva protegendo a cabeça de área – ainda saudosa do machucado Pierre, e de uma zaga mais estável.

A pressão inicial da Portuguesa só cessou quando Fabinho Capixaba saiu machucado. Com 7 minutos, Luxemburgo adotou o 3-4-1-2 que pouco gosta. Tanto que usou pela primeira vez em 2008. Coisas que só acontecem com a Lusa: a mexida inesperada mudou o Palmeiras para muito melhor; Sandro Silva passou para a ala direita, Leandro ganhou mais liberdade do outro lado, Evandro e Martinez ficaram mais centralizados, e o jogo fluiu melhor. Aos 20, bela bola de Evandro para Diego Souza, daqueles lances que ele tem mandado nas mãos do goleiro. Desta vez, porém, os pés rivais o derrubaram. Alex Mineiro marcou seu 12º. gol de pênalti na temporada. Aos 25, Leandro bateu falta na cabeça de Gustavo: 2 a 0 Palmeiras.

Washington entrou no lugar do volante Dias para reforçar o ataque da Lusa. Mas o meio seguiu aberto. Num lance rápido, André Luís deu o terceiro gol a Kléber, que não perdoou a falha do goleiro e derrubou a Lusa na arena. O gladiador honrou o apelido e celebrou apontando o polegar para baixo como faziam os romanos – embora muitos historiadores afirmem que o gesto significava o perdão aos gladiadores caídos, e não a execução deles. E ainda teve mais antes do intervalo: Leandro presenteou o artilheiro do BR-08 com o 14º. passe para gol em 2008. Foi o 33º. gol de Alex Mineiro na temporada. Onze de cabeça.

No segundo tempo, a Portuguesa mudou o uniforme. Entrou de camisa branca no lugar da rubro-verde listrada. O Palmeiras pareceu não voltar. Ou a zaga voltou ao anormal no jogo aéreo: Jonas, de cabeça, aos 21, marcou em belo lance às costas de Gladstone; faria mais um, aos 37, com todo o Palmeiras observando. Foi o 11º. gol de cabeça sofrido no BR-08 (no SP-08, com Henrique em campo, foram apenas cinco). O que o ataque verde fez de bom, o sistema defensivo entregou na bela vitória palmeirense.

  • João Paulo Tozo

    Escrevi sobre essa questão da formação tática do Palmeiras, na minha coluna de hoje. Impressiona a teimosia do Luxa em não admtir que o time joga melhor nesse 3-5-2, mais bem detalhado por vc como 3-4-1-2. Impressiona tbm o fatop dele não enxergar que com Pierre a frente da zaga, certamente os fracos Gladstone e Jeci não serão tão bombardeados como vem sendo. Além do que, ele vai conseguir se desfazer do bom Gustavo.
    Ainda assim, apesar dos pesares, o time ainda é o grabde favorito pra tirar o título do Grêmio.
    É isso aí, meu nobre Mauro. Grande abraço.