O Sport

por Mauro Beting em 04.jun.2008 às 0:52h


PAPO DE BOTECO com WAGNER SARMENTO, repórter do Jornal do Commercio


BLAG – Sem Romerito, o melhor jogador rubro-negro em 2008, qual o melhor meio de armar o Sport para o jogo do Morumbi? Mais um volante ou Luciano Henrique?
WAGNER SARMENTO – O Nelsinho Batista costuma antecipar a escalação, mas desta vez optou pelo mistério. Fato é que a presença do meia Luciano Henrique entre os titulares é praticamente garantida. A dúvida fica entre atuar com um terceiro zagueiro ao lado de Igor e Durval – no caso César – ou jogar com três volantes. A segunda hipótese me parece mais plausível, porque não modifica o esquema adotado no time pernambucano. Se optar por manter o 4-4-2, Nelsinho deve entrar com Fábio Gomes ao lado Daniel Paulista e Sandro Goiano. É assim que o Leão se comporta melhor.

BLAG – A Ilha do Retiro é o principal trunfo da equipe?
WAGNER – Não há dúvida. Seria leviano dizer o contrário. Mas o Sport não é só isso. A equipe arrancou um 0 a 0 com o Palmeiras no Palestra Itália e segurou o ímpeto do Internacional no Beira Rio, perdendo só por 1 a 0, placar reversível para o duelo de volta. O Leão tem um time experiente, que sabe se comportar fora de casa. A má atuação e a postura inadequada em campo diante do Vasco da Gama em São Januário lançou dúvidas sobre o arrojo do Sport longe de seus domínios, mas há de se considerar que a performance foi reflexo da boa vantagem conquistada em casa. Jogar uma final contra um time da força e tradição do Corinthians jamais será tarefa fácil, mas os rubro-negros têm condições de conseguir um bom resultado para decidir o título em seu caldeirão, a sempre fervente Ilha do Retiro, apelidada pelos bem-humorados torcedores como Ilha de Lost.

BLAG – O fato de Nelsinho ter poupado pouco o elenco no BR-08 pode pesar para um elenco tão experiente e, por tabela, envelhecido?
WAGNER – Você tocou num ponto importante. Esse “peso” da seqüência de jogos já reflete no elenco. O lateral-direito Luisinho Netto, por exemplo, já tem sentido. Não consegue repetir as atuações decisivas de até um mês atrás. O atacante Leandro Machado é outro que, volta e meia, aparece contundido. Acredito, porém, que, como se trata de apenas dois jogos, o Leão não deve sentir muito o fato de não ter poupado atletas. Na hora da decisão, todo atleta tem sempre algo mais a dar. Os problemas podem começar a ressoar no Brasileirão, que é uma competição longa. Mas aí já é outra história.



  • Nunes

    Se existe preconceito, não é da parte dos corinthianos.
    São Paulo é a maior cidade nordestina do Brasil, com mais de 2 milhões de habitantes oriundos dos estados do NE.
    Desses 2 milhões, uma boa parte escolheu torcer para o time do povo: o Corinthians.
    Por ter nascido no povo, para representar o povo, o Corinthians sempre foi discriminado (quando disputar campeonatos era coisa para a elite) e/ou perseguido (pela inveja diante de tudo que o Corinthians conseguiu, apesar de suas origens).
    Que seja uma grande final.
    VAI, CORINTHIANS!

  • Carlo Vailatti

    Lamentável que Mauro Beting continue dando espaço a um tremendo boçal como este Wagner. Basta acompanhar suas participações e opiniões – lamentáveis, diga-se – no Orkut.

  • Evanir

    O Sport não tem um time “experiente”, tem um time de velhos. É uma equipe que só tem refugos de jogadores que passaram por times grandes e não deram certo. Dutra, por exemplo. Eu me lembro dele no Santos. Se não era bom aos 20 anos, vai ser bom aos 35? E o que dizer desses caneleiros como Sandro Goiano e Leandro Machado? O Sport é um timinho que só entrou na competição para eliminar equipes grandes, e agora vai amarelar e entregar a final para o Corinthians.

  • Pedro Galindo

    Comentários embasados e inteligentes aí embaixo, hein? Hahaha.

    Parabéns pela análise, Wagner.

  • Evanir

    Pois é, Pedro Galindo. Depois dos 3 a 1 meus comentários parecem mais inteligentes e embasados. Mas eu estou mesmo maluco, porque um time que tem craques do nível de Sandro Goiano, Dutra, Fábio Gomes e Luisinho Neto de fato é capaz de virar o jogo. É brincadeira!