Uma França jovem e já campeã



Taça erguida, é preciso reverenciar o trabalho e a correção de rumo do treinador Didier Deschamps. Após a eliminação na Euro, Deschamps alterou o time e abriu espaço para jogadores mais jovens. Vale destacar que as laterais, no jogo final da Eurocopa, tinham Sagna e Evra como titulares. A campanha do título francês contou com os laterais Pavard e Hernandez, ambos com 22 anos.

Mbappé ainda era uma promessa e o treinador soube achar espaço para ele. Como soube também assimilar as muitas críticas por não ter levado Lacazette e Martial e bancar Giroud no comando do ataque.

O treinador, na próxima Copa, ainda vai poder contar com diversos jogadores campeões. Além dos laterais já citados, a dupla de zaga tem Varane (25) e Umtiti (24); um meio titular com Pogba (25) e Kanté (27) e diversos reservas como Fekir (24), Lemar (22), Dembelé (21) e Mendy e Tolisso com 23 anos.

A seleção francesa tinha claramente bem definida uma ideia de jogo. Griezmann, melhor em campo na partida final, já havia falado que o time não tinha a intenção de dar show, mas de vencer. Errando pouco e com a estratégia no bolso, os franceses  mostraram o equilíbrio que possibilitou o triunfo.

Campeão em 2018, é possível imaginar uma França muito forte e mais experiente em 2022. Resta saber se Deschamps, campeão como jogador e treinador, vai estar disposto de novo a assimilar as críticas novamente.



MaisRecentes

A primeira rodada da Premier League



Continue Lendo

A noite de Copa do Brasil foi também a noite dos passes errados



Continue Lendo

VAR do VAR



Continue Lendo