Inter vence a segunda na semana e Corinthians perde de novo



Não é justo cravar o trabalho do técnico Osmar Loss o carimbo da derrota. Na verdade, não é justo chamar de trabalho um início que não chega a uma semana.

O jogo parecia ter a cara do Corinthians. Mesmo com a formação com um atacante de maior presença de área, o gol marcado por Mateus Vital mostrou a marca da troca de posições, da versatilidade. Roger recebeu aberto pela direita e Vital, como atacante, aproveitou cruzamento de Romero.

O gol, marcado muito cedo, aumentou a obrigação do Inter de sair para o jogo. Edenílson tinha boas combinações pela direita com Zeca e Pottker. Iago aproveitava a parceria com Lucca pela esquerda e Patrick tentava organizar por dentro. As ideias estavam claras, mas a execução era lenta e o Corinthians se arrumava rapidamente.

O Inter voltou bem do intervalo e Lucca cruzou para um solitário Leandro Damião marcar. A liberdade dada ao atacante colorado não é oferecida com frequência pelo Corinthians.

Aos 16 minutos do segundo tempo, Iago saiu e Nico Lopez entrou. Patrick, que atuou como meia no primeiro tempo, foi para a lateral. Mais lento e mais participativo na fase ofensiva do jogo, Patrick quase não passou sufoco. O Corinthians não explorou a teórica fragilidade no setor.

Loss colocou Junior Dutra aberto pela direita, mas o atacante disputou apenas uma jogada contra Patrick e mesmo tendo se dado bem, o Corinthians não investiu em velocidade para cima do lateral mais lento.

Os números finais do jogo mostraram 17 finalizações do Inter contra apenas cinco do Corinthians. A vitória saiu já perto do fim e contou com um vacilo gigante do lateral Mantuan. Rossi aproveitou e marcou o gol da vitória.

Osmar Loss acabou de assumir. Sim, é verdade que são duas derrotas e que o time tem oferecido mais espaços, mas é difícil acreditar que ele tenha alguma culpa em tão pouco tempo de trabalho. O momento exige ajustes.

Pelos lados do Inter, a segunda vitória confirma um crescimento na tabela e ajuda muito na afirmação de um trabalho ofensivo. O time criou. Criou muito, finalizou muito. Não marcava gols e na mesma semana fez cinco e conquistou seis pontos.

 



MaisRecentes

A Copa e seus ensinamentos



Continue Lendo

Empate que serve como puxão de orelha



Continue Lendo

Bélgica sobra contra uma frágil Costa Rica



Continue Lendo