Corinthians e Cruzeiro comemoram



Corintianos e cruzeirenses comemoraram os títulos conquistados no domingo. A vitória por 1 a 0 do Corinthians não foi suficiente para a conquista e obrigou o time a partir para a disputa de pênaltis. Dudu e Lucas Lima erraram para o Palmeiras e apenas Fagner perdeu para o Corinthians.

Fábio Carille novamente ergue a taça de campeão. O título, com todas as limitações do elenco, eleva ainda mais as qualidades do trabalho do treinador. Não deve ter sido fácil ver o atacante e o lateral esquerdo saírem e ter que remontar, mas Carille alcançou o primeiro objetivo da temporada.

Roger sabia muito bem que o título seria o carimbo necessário para permitir mais tranquilidade ao trabalho. A direção deve perceber que agora é hora de dar paz ao grupo de jogadores e de dar sequência.

O time que perdeu o Paulista é o mesmo que conseguiu 100% de aproveitamento nos dois jogos da Libertadores. Perder uma final não pode ser visto como algo corriqueiro, mas levantar dúvidas sobre o trabalho poderia apenas piorar o ambiente.

É verdade que o Palmeiras exagerou nos cruzamentos e que foi para a disputa de pênaltis ainda abalado com a arbitragem confusa, mas faltou organização ofensiva ao time e o número de exageros ajuda bem a exemplificar.

Mano Menezes também comemora o título estadual. A desvantagem dele é maior, mas ainda assim deu Cruzeiro. O placar foi alcançado com gols de De Arrascaeta e Thiago Neves.

Mano optou pela entrada de Rafael Sobis no time. Dedé e Léo fizeram a dupla de zaga. O gol marcado ainda no início deu mais força ao Cruzeiro. O jogo seguia com o Cruzeiro no ataque e o Galo apenas se defendendo. Até que Otero, importante no primeiro jogo da final, fez a bobagem gigante de agredir Edilson. É pertinente a pergunta se Edilson também deixou a perna, mas nada justifica um jogador profissional cair na provocação ainda no início de uma apertada final.

O Cruzeiro precisava do título para devolver tranquilidade ao time e aos torcedores. É possível acreditar no reencontro do bom futebol já mostrado no início da temporada.

E o que vai ser de Thiago Larghi? Entendo que a direção já poderia ter confirmado o nome dele à frente da equipe e só não o fez por não ter convicção. Se não tem convicção, pouca adianta confirmar ou não o trabalho. Tudo pode se desmanchar com uma sequência de derrotas.

Larghi deu organização ao time, mas perdeu o título para um time que já foi mantado há muito mais tempo e ainda viu um atleta da sua equipe prejudicar o jogo.

 

 

 



MaisRecentes

Uma França jovem e já campeã



Continue Lendo

O que pode representar a chegada de Bryan Ruiz



Continue Lendo

Terá sido o fim de Messi e Cristiano Ronaldo pelas suas seleções?



Continue Lendo