O que a última rodada do Brasileiro mostrou



Coritiba e Avaí não venceram seus jogos e vão disputar a segunda divisão do Brasileiro em 2018. O Vitória também não venceu, mas pelos critérios de desempate o time baiano permanece na elite. O Sport é que se deu bem. Venceu o campeão brasileiro e chegou aos 45 pontos, na décima quinta posição.

Tem sido assim para o Coxa. Ano após ano. O Coritiba começa bem a competição e vai perdendo força. A direção se vê perdida e começa a trocar treinador. O curioso é que o treinador da queda já brilhou à frente do Coxa e conquistou bons resultados, mas Marcelo Oliveira – campeão duas vezes com o Cruzeiro – viu seu time cair.

O Avaí merecia uma sorte melhor. O time de Santa Catarina trabalhou com um orçamento baixo. Não se endividou para montar um time melhor, manteve o treinador o tempo todo e chegou lutando até o último minuto. E olha que o último minuto foi contra o Santos, na Vila Belmiro.

A parte de cima da tabela viu o Santos pegando a terceira posição que era do Grêmio. Viu também o Flamengo começar perdendo e virar para cima do Vitória, mesmo em Salvador. Os três pontos colocam o Flamengo na sexta colocação e na fase de grupos da Libertadores.

Vasco e Chapecoense venceram as suas partidas e também se classificaram. Que campanha fez Zé Ricardo à frente do Vasco! O time, que começou o Brasileiro tentando se achar, chegou a deixar o torcedor preocupado, mas a chegada de Zé Ricardo acalmou os ânimos e o time cresceu bastante a ponto de conquistar a sua vaga.

Se é para falar de temporada, o que falar sobre a Chapecoense? Nem é preciso lembrar o cenário do início do ano. A Chape foi totalmente remontada e fecha o ano com vaga na Libertadores.

O Atlético MG ganhou uma dramática partida no Horto. mas o torcedor ainda vai acompanhar a final da Sul-Americana. Se o Flamengo for campeão, o Galo assume uma outra vaga na Libertadores. O fim de temporada é melancólico. O time apontado como candidato a tudo nem mesmo tem garantida uma vaga para a Libertadores e mostrou na última partida do ano que não tem a intensidade necessária para barrar o adversário – mesmo que o adversário seja o time C do Grêmio.

A próxima temporada será ainda mais apertada. Ano de Copa do Mundo é assim. O calendário esprimido vai exigir elencos maiores e muita paciência e convicção nas ideias das diretorias de nossos clubes.



  • Tony Magnoli

    Chapecoense deve muito ao trabalho do Gilson Kleina, que pegou o time praticamente rebaixado em meados do segundo turno, levando-o a pré-libertadores.

MaisRecentes

A vez de Raí



Continue Lendo

É possível acreditar na UEFA?



Continue Lendo

Corinthians percebe a hora de investir na formação do elenco



Continue Lendo