Empate bom para avaliação



O que esperar de um amistoso contra uma seleção que representa uma escola de futebol totalmente diferente? A seleção brasileira entrou em campo com todos os titulares e viu a seleção inglesa jogar sem vários titulares.

Southgate optou por jogar com Joe Gomez, Stones e Maguire na mesma linha de defesa. Walker pela direita e Bertrand pela esquerda – ao lado dos três zagueiros – fechavam os espaços do time brasileiro. O teste se mostrou muito interessante. O Brasil precisava criar, abrir espaços e não conseguia. O time batia para o gol, tinha mais a bola, mas não conseguia fazer Hart trabalhar.

Coutinho, ainda voltando de contusão, pouco apareceu. Paulinho continuou participando muito do jogo ofensivo e chegou a finalizar algumas vezes ainda na primeira etapa. A Inglaterra vivia de roubadas de bola que visavam acionar Rashford e Vardy em velocidade.

O segundo tempo também mostrou um Brasil mais ofensivo e com a mesma dificuldade em achar os espaços. Tite fez modificações. Willian, Fernandinho e Firmino entraram. Saíram Coutinho, Renato Augusto e Gabriel Jesus.

Foi interessante ver Casemiro e Fernandinho juntos. Os dois oferecem boa saída de bola e alternam a movimentação no campo de ataque.

O placar final em branco ajuda na avaliação. Faltou um melhor trabalho no diminuto espaço oferecido pelos ingleses. A defesa não se desorganizou, o que é um ótimo sinal.

Como espetáculo o jogo não agradou, mas o objetivo era se testar, se observar e o Brasil deve ter percebido que é preciso evoluir nas ideias ofensivas.



MaisRecentes

Roger Machado no Palmeiras



Continue Lendo

O ano do Botafogo só merece aplausos



Continue Lendo

Uma Copa sem Buffon



Continue Lendo