Justiça em São Paulo e em BH



A expectativa tinha que ser alta. De um lado estava o líder do campeonato e o adversário era o segundo colocado. Corinthians e Grêmio se testaram em Itaquera e o resultado de empate sem gols foi o mais justo.

Quase cem passes errados e neutralização das ideias ofensivas. A volta de Luan proporcionava ao Grêmio mais qualidade ainda em campo. Se o Grêmio pressionasse e empurrasse o Corinthians para a defesa, o jogo poderia até ser interessante para os donos da casa, que gostam do jogo de contra-ataque.

O Corinthians teve dificuldades para achar a marcação ideal, mas também não correu tantos riscos assim. O lado direito do Grêmio, com Ramiro chamando Edilson ao apoio era o que levava mais perigo.

A esquerda tinha Fernandinho e a conhecida fragilidade de Jadson na volta, mas nada tão sério o time de Renato criou por ali.

Aos poucos as ações de neutralização das ideias ofensivas foram vencendo e o jogo, que era para ser especial, foi apenas mais um.

O Grêmio tinha muito a perder, mas entraram atacantes no lugar de atacantes. Ninguém queria se expor tanto e o placar foi justo.

 

Atlético perde em casa

Em Belo Horizonte, Oswaldo de Oliveira conheceu a sua primeira derrota à frente do Galo. A Chapecoense começou perdendo o jogo, mas fechou o primeiro tempo finalizando dez vezes contra apenas uma do dono da casa.

O segundo tempo foi de um time acertado e jogando no erro do outro contra um time desesperado, desarrumado e muito pouco produtivo ofensivamente.

Elias, para piorar o cenário alvinegro, ainda foi expulso e obrigou o Galo a se matar de cansaço em campo. Justiça também em BH e vitória dos visitantes.

Oswaldo viu seu time perder exatamente quando nome de Cuca ganha cada mais força na boca do torcedor e nas redes sociais.

Sendo muito sincero, no atual momento, o nome do próximo treinador pouco importa. Para 2018, vale mesmo é saber quem vai fazer a reformulação do elenco do Atlético.

O grupo é recheado de campeões e de holofotes. Até mesmo empenho se vê em campo, mas é muito importante que a média de idade seja reduzida e que cheguem jogadores com intenso brilhos nos olhos.

Vai mudar o técnico? Pouco importa. A primeira necessidade é saber quem vai ser o patrão do técnico.



MaisRecentes

O ano do Botafogo só merece aplausos



Continue Lendo

Empate bom para avaliação



Continue Lendo

Uma Copa sem Buffon



Continue Lendo